Você já passou pela experiência de pedir um carro pelo Uber ou usar o Google Maps e perceber que a sua posição no mapa está errada? Talvez esse problema se torne muito menos frequente se você comprar um smartphone em 2018 (ou depois). Basta que o dispositivo seja equipado com um chip da Broadcom que promete localização por GPS muito mais precisa.

Todo dispositivo com receptor de GPS obtém a sua localização geográfica ao calcular a sua distância em relação a três (ou mais) satélites. Os dispositivos móveis atuais normalmente utilizam receptores GNSS (Global Navigation Satellite System) de frequência única, com base na banda L1.

GPS (Imagem por Pixabay)

Já o BCM47755 — o chip que a Broadcom anunciou — terá um receptor GNSS de dupla frequência. O receptor determinará a sua posição a partir da banda L1 e, na sequência, refinará o posicionamento fazendo cálculos com a banda L5, que possui uma frequência diferente e, pelo menos em tese, é menos suscetível aos reflexos de sinal, problema que é relativamente comum em grandes centros urbanos por conta do número de prédios.

O resultado é mais precisão. A banda L5 existe há algum tempo, mas vem sendo usada basicamente em aplicações industriais e de pesquisa. Para completar, o chip BCM47755 será compatível com sistemas de localização como Galileo (da Europa), QZSS (Japão) e Glonass (Rússia).

A Broadcom fala em uma precisão realmente grande, com margem de erro de apenas 30 centímetros — chips atuais têm margem entre três e cinco metros. E isso sem aumentar o consumo energético: com tecnologia de fabricação de 28 nanômetros e uma nova arquitetura de rádio, o BCM47755 conseguirá ser até 50% mais econômico no gasto de energia do que a geração anterior de chips.

BCM47755

Embora o receptor tenha uma margem de erro de 30 centímetros, não dá para garantir que o smartphone que o utilize conseguirá tamanho nível de precisão, afinal, outros fatores podem influenciar, como a antena do dispositivo. De qualquer forma, aparelhos equipados com o novo chip deverão ser muito menos passíveis de erros de posicionamento do que os receptores atuais.

Mas há um detalhe que esfria as expectativas: sabe-se que o chip será disponibilizado em 2018, mas isso não quer dizer que a novidade será amplamente adotada. Tudo dependerá das parcerias que Broadcom estabelecer. Nesse aspecto, a Qualcomm tradicionalmente leva a melhor.

Com informações: IEEE Spectrum

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Caleb Enyawbruce
Ótima notícia. Não acho que vá demorar tanto, nem muito menos que a Broadcom terá exclusividade. Logo logo surgem modelos de outras fabricantes fazendo o mesmo ou até mais. Quando uma se mexe pra melhorar as outras são levadas a fazer no mínimo o mesmo. Só vem!!
Gustavo Beckman
mas a terra eh plana. e ai? xD
Wellington Gabriel de Borba
Eu desde o CDMA
Alexandre Fabian
Pessoal odeia a QUALCOMM desde o Brew.
Lucas Macedo ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

Mas a Qualcomm tava numa puta batalha judicial com a Apple que provavelmente vai mudar de fornecedor para os próximos lançamentos. Como tudo que a Apple faz os outros copiam talvez tenhamos uma luz no fim do túnel. :)

Lucas Macedo ?????????
Mas a Qualcomm tava numa puta batalha judicial com a Apple que provavelmente vai mudar de fornecedor para os próximos lançamentos. Como tudo que a Apple faz os outros copiam talvez tenhamos uma luz no fim do túnel. :)
@Sckillfer

Quando o uso comercial do foi GPS liberado, era limitado a precisão de 100 metros, mas essa limitação não existe mais desde o inicio dos anos 2000.
De nada adiantaria os EUA limitar o GPS por segurança se os terroristas poderiam simplesmente usar o GLONASS (russo, tão velho quanto o GPS) ou, no futuro, o Galileu (constelação da união europeia ainda não inaugurada).

Sckillfer
Quando o uso comercial do foi GPS liberado, era limitado a precisão de 100 metros, mas essa limitação não existe mais desde o inicio dos anos 2000. De nada adiantaria os EUA limitar o GPS por segurança se os terroristas poderiam simplesmente usar o GLONASS (russo, tão velho quanto o GPS) ou, no futuro, o Galileu (constelação da união europeia ainda não inaugurada).
@Sckillfer

Não é por nada não, mas que se exploda a precisão, o maior problema é o tempo que leva pra fixar a localização.

Sckillfer
Não é por nada não, mas que se exploda a precisão, o maior problema é o tempo que leva pra fixar a localização.
Carlin
Mais falando em Qualcomm, será que um dia ela terá um concorrente a altura? No momento a Qualcomm domina os seguimento high end, e o de intermediários (nas suas mais diversas variações e fabricantes).
Carlin
A Qualcomm acaba oferecendo um pacote de chips ("serviços"), que nas contas acaba saindo mais barato pras fabricantes.
Alexandre Salau
O sistema de GPS era originalmente de uso exclusivo militar e pra tanto tinha e continua tendo um sistema de embaralhamento que dificulta o seu uso fora deste ramo, a banda liberada para uso civil é imprecisa por natureza, mas mais que o suficiente para uso normal. A versão militar tem precisão inferior a 1 centímetro, já li que pode chegar a apenas 2 milímetros de precisão.
Programador Front-End
Aviação comercial ainda é muito dependente do radar. Sempre que rola um acidente que um avião se perde surge a polêmica de adotar ou não o GPS como navegação padrão.
Emerson Alecrim
Nunca engoli essa história. A precisão disponível hoje é suficiente para um ataque terrorista. Acho que essa "sabotagem" tem muito mais relação com os componentes usados para evitar que o dispositivo fique caro demais ou consuma muita energia.
Exibir mais comentários