Início » Ciência » SpaceX quer usar foguetes para viagens intercontinentais que duram meia hora

SpaceX quer usar foguetes para viagens intercontinentais que duram meia hora

Por
1 ano atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A SpaceX, do bilionário Elon Musk, é conhecida por lançar e aterrissar foguetes com sucesso. A ideia é reutilizar esse equipamento, que custa milhões de dólares, em vez de descartá-los como é feito atualmente.

A empresa quer aplicar esse conceito para transportar pessoas: dessa forma, seria possível fazer uma viagem de Nova York até Paris em apenas 30 minutos.

Basicamente, a SpaceX levaria os passageiros até uma altitude onde a nave quase não enfrentaria resistência do ar ou do vento, aumentando a velocidade e a eficiência no uso de combustível. Assim, seria possível voar de Los Angeles para Nova York em 25 minutos, ou de LA para Toronto em 24 minutos.

Os passageiros embarcam em uma plataforma de lançamento na água. O foguete vai até a estratosfera e retorna à Terra a uma velocidade máxima de 27.000 km/h, descendo até outra plataforma na água. Musk não deu um prazo para isso se tornar realidade.

Curiosamente, os planos para enviar humanos até Marte estão mais desenvolvidos; ele revelou detalhes sobre isso no Congresso Internacional de Astronáutica (IAC), na Austrália. Primeiro, a SpaceX quer começar “pequeno” pousando na Lua, e depois levar uma missão tripulada para o planeta vermelho.

Para tanto, eles vêm desenvolvendo um foguete enorme, apelidado BFR (Big Fucking Rocket), com 106 metros de altura. Ele poderá levar 150 toneladas até a órbita terrestre no modo reutilizável — que volta à Terra após liberar satélites, por exemplo — ou transportar 100 pessoas em uma viagem para Marte.

O BFR terá até 40 cabines, uma cozinha e um abrigo a ser usado durante tempestades solares. O volume total é de 825 m³; como nota o Ars Technica, isso é apenas cerca de 100 m³ a menos do que a Estação Espacial Internacional. Para levar tudo isso ao espaço, o foguete usa 31 motores Raptor.

Musk diz que a produção do BFR pode começar no segundo trimestre de 2018. Ele espera levar duas missões de carga para Marte até 2022, para analisar riscos em potencial e transportar suprimentos e infraestrutura para os primeiros colonos. Então, em 2024, será feita a primeira missão tripulada.

Antes de Marte, a SpaceX quer fazer missões até a Lua. “É 2017, já deveríamos ter uma base lunar”, disse Musk. O BFR também poderia ser usado nesse caso.

Como nota o The Verge, o interesse em nosso satélite natural é uma boa jogada de negócios: Mike Pence, vice-presidente dos EUA e responsável pelo Conselho Espacial Nacional, quer que a NASA volte à Lua; e alguns membros desse conselho também querem realizar missões tripuladas para lá. A SpaceX pode ser uma parceira nisso, e conseguir dinheiro para chegar até Marte.

Com informações: TechCrunch, The Verge, Ars Technica.

Mais sobre: , , , ,