Início » Mobile » LG Q6+: as bordas mínimas chegam aos intermediários

LG Q6+: as bordas mínimas chegam aos intermediários

Smartphone de 5,5 polegadas da LG tem design compacto e aposta no reconhecimento facial, mas falha

Por
1 ano atrás
7.4

Prós

  • Bastante capacidade de armazenamento
  • Bateria que dá conta do recado
  • Belo aproveitamento de espaço

Contras

  • Cadê o leitor de impressões digitais?
  • Câmeras não impressionam
  • Desempenho decepcionante na categoria
  • Reconhecimento facial lento e impreciso
  • Traseira de plástico risca com muita facilidade

Quando a LG anunciou o smartphone Q6, eu falei: “finalmente!”. Até então, a linha de celulares da fabricante coreana no Brasil não fazia muito sentido na minha cabeça: havia os aparelhos de entrada, como K4, K8 e K10, que custam até mil reais; e depois o topo de linha G6, que foi lançado por R$ 3.999. O abismo entre as duas principais famílias de produtos era muito grande.

Agora, até que enfim, existe um smartphone da LG para ocupar o segmento de aparelhos intermediários “quase premium”. O Q6 se parece com o G6, mas é menor, tem hardware mais simples e preço mais convidativo. Ainda assim, no Q6+, a empresa colocou alguns números que chamam atenção, como os 4 GB de RAM e os 64 GB de armazenamento interno.

Será que vale a pena? Eu conto tudo nos próximos parágrafos.

Em vídeo

Design

Com certeza, o maior destaque do Q6+ é ter um design relativamente compacto, com poucas bordas em volta da tela, mas sem custar uma fortuna: o Q6 desembarcou por R$ 1.299, enquanto o Q6+ custa R$ 1.599. E ambos os modelos têm moldura de alumínio e um bom aproveitamento de espaço na parte frontal, que dão um aspecto mais sofisticado ao produto.

Mas é claro que, cobrando um terço do preço de lançamento do G6, a LG fez algumas concessões. O principal problema é a traseira de plástico, não por algum preconceito pessoal, mas por causa da escolha do acabamento. Existem basicamente três opções quando não se usa vidro ou metal: plástico fosco, plástico texturizado (as fabricantes acabam indo para essa opção) e plástico brilhante.

No caso do Q6+, o resultado é esteticamente bom, mas o material risca com extrema facilidade. Depois de uma semana, parece até que eu passei uma lixa no aparelho (mas ele só ficou no meu bolso e na minha mesa). Cheguei a pensar que foi algum descuido da minha parte, mas reviews estrangeiros também citam essa falha; e outras pessoas que estão com o Q6+ notaram o problema. O uso de uma capinha é obrigatório.

Outro ponto negativo é a ausência do leitor de impressões digitais, um componente que até smartphones de 700 reais já estão trazendo. A LG seguiu o caminho da Apple e decidiu apostar todas as fichas no reconhecimento facial. O problema é que, no caso do Q6+, a tecnologia é simplesmente ruim.

Em condições normais de temperatura e pressão, você simplesmente levanta o aparelho, vê a tela ligar, olha para a câmera frontal, e ele é desbloqueado magicamente. Na prática, acontece o seguinte:

  • Primeiro: ele não funciona no escuro. E, se a iluminação estiver um pouquinho ruim, a câmera já se atrapalha para reconhecer o rosto.
  • Segundo: qualquer alteração no rosto prejudica o reconhecimento, seja uma alteração no penteado do cabelo ou se eu colocar meus óculos. Existe uma opção para melhorar a precisão do reconhecimento facial, cadastrando seu rosto mais de uma vez, mas nem isso foi suficiente.
  • Terceiro: a tecnologia não é segura porque pode ser burlada com uma simples foto na tela de outro smartphone. Uma opção de reconhecimento facial avançado, que não é ativada por padrão, resolve o problema, mas em compensação faz o aparelho demorar 3 ou 4 segundos para desbloquear; é praticamente inutilizável.

O reconhecimento facial do Q6+ foi uma tentativa da LG em economizar dinheiro na fabricação que definitivamente não deu certo.

Tela

O Q6+ se dá bem dentro de sua categoria quanto o assunto é tela. O painel IPS LCD de 5,5 polegadas com resolução de 2160×1080 pixels (proporção 18:9) entrega boa definição, cores equilibradas e contraste satisfatório. O brilho é um pouco fraco, mas esse é um ponto negativo constante em aparelhos dessa faixa de preço.

Minha crítica fica por conta de um filtro estranho que a LG aplica na tela, por software, para tentar aumentar a percepção de nitidez. Sharpening é algo que as fabricantes costumam colocar nas câmeras, mas a LG é a única que eu vi fazendo isso no display. E, como o Q6+ já possui uma tela naturalmente com excelente definição, essa modificação só piora as coisas.

A questão é que, se você olha um pouquinho mais de perto, percebe algumas bordas artificiais em volta de caracteres de texto, ou mesmo fotos que parecem ter sido mal editadas. É uma tentativa da LG em melhorar uma característica do produto que acabou mais atrapalhando que ajudando.

Software

A LG já teve o problema de outras fabricantes de Android, como a Samsung, quando incluía um monte de aplicativos de utilidade duvidosa e desenvolvia uma interface cheia de cores sem sentido. No entanto, o Android 7.1.1 Nougat que chega com o Q6+ me agrada bastante.

A interface da LG tem um visual predominantemente branco, com algumas animações bem sutis, que não pesam nem aos olhos e nem ao hardware. Faz um tempinho que a empresa consegue entregar uma interface bastante fluida mesmo em celulares que não possuem uma GPU tão potente. Ponto para a LG.

Existem poucos aplicativos pré-instalados no Q6+, como a suíte do Google, que é obrigatória; os aplicativos de suporte da LG; algumas ferramentas básicas, como um gerenciador de arquivos (que é bem simples, poderia ser melhor) e um gravador de áudio; e os aplicativos necessários ao funcionamento de determinados recursos, como rádio FM e TV digital.

A TV digital, que exige um rabicho no conector de fone de ouvido para servir como antena, sintoniza bem os canais em alta definição. O aplicativo permite gravar programas (ou até agendar uma gravação) e mostra o guia de programação das emissoras, como todo bom software do gênero.

Câmera

Como o Q6+ foi lançado por R$ 1.599, ele entra na faixa de preço dos intermediários premium, na qual existem câmeras boas de verdade. Nesse cenário de lançamento, comprar um Q6+ por causa da fotografia não faz sentido. Mas, considerando que os preços de smartphones da LG despencam depois de algumas semanas ou meses, dá para avaliá-lo como se ele custasse uns mil reais.

No entanto, mesmo assim, a câmera da LG não impressiona tanto. Ela pode servir pra compartilhar suas fotos capturadas em boas condições de iluminação em alguma rede social, como o Instagram, que mostra as imagens comprimidas e em tamanho pequeno. Entretanto, se você exige uma certa qualidade, o Q6+ não é para você.

Com bastante luz, o Q6+ tira fotos com cores que chamam a atenção, sem parecer artificial demais, e com um alcance dinâmico satisfatório. Ele estoura bastante os pontos de iluminação, mas em geral é possível conseguir boas imagens. O nível de ruído é baixo e a nitidez é satisfatória.

Em cenários noturnos, a câmera de 13 megapixels com lente de abertura f/2,2 mostra suas limitações. A nitidez continua relativamente boa, mas dá para notar bastante ruído em áreas de sombra.

Já câmera frontal de 5 megapixels serve para o básico. As cores agradam, mas a definição é de mediana para ruim, especialmente considerando a existência de aparelhos como o Galaxy A5 (2017), que entrega resultados melhores. Além disso, o ruído está sempre presente e aumenta em ambientes com luz artificial.

Hardware e bateria

A parte estranha do Q6+ é o hardware. Ele tem 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, inclusive com direito a uma entrada para microSD, que não é híbrida — você pode expandir a memória e utilizar dois chips de operadoras simultaneamente. O problema é o processador Snapdragon 435.

O Snapdragon 435 é composto de oito núcleos Cortex-A53 de 1,4 GHz e não é exatamente ruim; ele é um pouco pior que o Snapdragon 625 em termos de CPU. Só que a GPU Adreno 505 se mostra um fator limitante do Q6+, talvez devido à tela com resolução ligeiramente maior que Full HD.

Nos aplicativos de terceiros, o Q6+ não é fluido. Qualquer rolagem na timeline do Twitter, Instagram ou Facebook mostra travadinhas chatas a cada segundo, que eu não gostaria de encontrar em um aparelho dessa faixa de preço. Jogos também não se dão bem: Breakneck e Unkilled, por exemplo, têm quedas na taxa de frames que prejudicam a jogatina.

Se você não joga ou joga pouco, o Q6+ dá conta do recado. Mas não pense que o multitarefa é ágil por causa dos 4 GB de RAM: o processador acaba sendo um limitador, e o aparelho constantemente recarrega alguns aplicativos em plano de fundo. Parece até que o smartphone é incapaz de usar tanta RAM — é um conjunto desequilibrado, como se um Fiat Uno tivesse um tanque de combustível de Boeing 737.

Por outro lado, a duração de bateria agrada. Nos meus testes, tirando o Q6+ da tomada às 9h da manhã, navegando na web por 2 horas, ouvindo música por streaming por 2 horas, sempre no 4G, eu sempre cheguei em casa por volta por volta das 22h com algo entre 35% e 45% de bateria.

É uma bateria que pode não impressionar muito no papel, com capacidade de 2.900 mAh, mas que na prática funciona bem e deverá aguentar até o final do dia para a maioria das pessoas.

Conclusão

Eu tenho um problema com a LG: ela sempre lança algum smartphone que, no geral, parece bom, mas sempre existe(m) alguma(s) coisinha(s) que joga(m) tudo por água abaixo. Pegue o G6, por exemplo: ele é um excelente celular, com um design que chama a atenção e uma bateria que dura bastante, mas que custava injustificáveis R$ 3.999 no lançamento e tinha míseros 32 GB de espaço.

No caso do Q6+, eu gostei bastante do formato do smartphone, que traz as bordas mínimas para um segmento mais acessível; da bateria, que é boa e aguenta até o final do dia; e da capacidade de armazenamento generosa de 64 GB, que é suficiente para praticamente todo mundo, mesmo para quem está acostumado com aparelhos mais caros.

Mas ele não tem leitor de impressões digitais, e a alternativa que a LG adotou, que é o reconhecimento facial, não funciona direito. Além disso, a traseira de plástico brilhante risca com extrema facilidade, e o desempenho foi decepcionante, apesar de parecer bom na ficha de especificações técnicas.

O Q6+ não faz sentido pelo preço de lançamento, de R$ 1.599. Em alguma promoção do varejo, por 1 ou 1,1 mil reais, talvez ele comece a ser uma alternativa se você gosta do design quase sem bordas. Caso contrário, podem existir opções melhores, como o Galaxy A5 (2017) e o Moto G5S Plus que, embora não sejam superiores em tudo, entregam um conjunto mais equilibrado.

Como comprar com desconto?

testador-cupons-checando

Você pode utilizar a nova extensão do Tecnoblog para economizar alguns caraminguás na hora de trocar de aparelho. Ela tem um módulo Testador de Cupons que busca e aplica o maior desconto disponível na internet no seu carrinho de compras. É tudo automático, então qualquer um consegue utilizar, e é completamente grátis!

ta-caro

Outro recurso muito legal é histórico de preços. Quando você acessar a página de um smartphone, por ex, a gente já consegue te dizer se ele está com um preço legal. Esse recurso te ajuda a não cair em nenhuma "promoção", dessas que oferecem tudo pela "metade do dobro". Tenho certeza que vai ser muito útil em datas especiais, como na Black Friday.

Curtiu? Então clique aqui para instalar. ;)

Especificações técnicas

  • Bateria: 2.900 mAh;
  • Câmera: 13 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal);
  • Conectividade: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11n, GPS, Bluetooth 4.2, USB 2.0, rádio FM, TV digital;
  • Dimensões: 142,5 x 69,3 x 8,1 mm;
  • GPU: Adreno 505;
  • Memória externa: suporte a cartão microSD de até 2 TB;
  • Memória interna: 64 GB;
  • Memória RAM: 4 GB;
  • Peso: 149 gramas;
  • Plataforma: Android 7.1.1 Nougat;
  • Processador: octa-core Snapdragon 435 de 1,4 GHz;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, giroscópio, bússola;
  • Tela: IPS LCD de 5,5 polegadas com resolução de 2160×1080 pixels e proteção Gorilla Glass 3.

Notas Individuais

Design
7
Tela
8
Software
8
Câmera
6
Desempenho
7
Bateria
8
Conectividade
8
Mais sobre: ,