O Facebook se meteu em uma enrascada: estima-se que 10 milhões de norte-americanos viram anúncios na rede social criados por russos tentando fazer manipulação política. Para evitar outros problemas como esse, a companhia decidiu contratar mil pessoas para ampliar a equipe que revisa publicações pagas.

As contas associadas aos anúncios são falsas, o que dificulta o rastreamento. Mas as investigações apontam que, juntas, elas criaram mais de 3 mil anúncios de cunho político. Destes, 44% foram vistos antes das eleições presidenciais dos Estados Unidos em novembro do ano passado. O restante (56%) foi veiculado depois, até maio deste ano.

Zuckerberg tenso

Os anúncios, basicamente, propagavam conteúdo de ódio entre os eleitores do país abordando assuntos delicados, como racismo, porte de armas e imigração. Embora a Rússia negue envolvimento, o Facebook afirma ter indícios de que os 3 mil anúncios foram gerenciados por meio de 470 contas falsas, aproximadamente, todas controladas a partir do país. Mais de US$ 100 mil teriam sido gastos com essas publicações.

É uma saia justa para o Facebook. Primeiro porque a companhia deixou passar mais de 3 mil anúncios que ferem as políticas de uso estabelecidas para a rede social. Segundo porque 10 milhões de pessoas está longe de ser uma quantidade desprezível.

Após as investigações internas, o próprio Mark Zuckerberg entregou um relatório sobre as contas falsas e os anúncios a Robert Mueller, procurador que lidera os trabalhos que investigam o envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais que elegeram Donald Trump.

A medida seguinte foi justamente a decisão de contratar mais mil pessoas para revisar os anúncios. Não está claro se esses funcionários trabalharão de maneira integral ou parcial nessa atividade, tampouco quando eles começarão a atuar. O que o Facebook tenta, por ora, é mostrar que está tratando o assunto com prioridade.

Vladimir Putin

Por conta disso, a companhia também se comprometeu a criar políticas de anúncios mais restritivas e até a usar mais aprendizagem de máquina para aumentar a eficácia dos algoritmos que detectam anúncios proibidos.

Soa como aquele tipo de promessa vazia feita apenas para transmitir um ar de proatividade ou cooperação. Mas é bastante provável que o Facebook esteja falando sério. Até agora, os algoritmos da rede social vinham sendo otimizados prioritariamente para gerar o máximo de receita possível. O problema das contas russas mostra, da pior maneira, que a questão da segurança não pode ser secundária nesses esforços.

Além do Facebook, a equipe de Mueller tenta descobrir como serviços de companhias como Google e Twitter foram usados por russos na tentativa de influenciar as eleições dos Estados Unidos.

Com informações: Mashable, Recode

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

LessTech
Da mesma forma que se uma prostituta não precisa dar o c* para prestar serviço. :-P
JN Marcos
Isso ainda me parece mais choro dos Democratas, que não aceitam que Donald Trump venceu dentro da regra do jogo e, ao que parece, sem apoio da mídia nem se envolvendo em polêmicas... CALMA, é Trump... de corrupção.
LessTech
Também acho que há uma parcela importante de mimimi dos Democratas, especialmente em como eles usam a mídia. E sinceramente, não acho que Hillary mudaria muito positivamente a posição atual dos USA, mas com certeza, bem ou mal, ela tem mais tato político. A questão russa tem haver com influência geopolítica. E Putim sabe fazer muito bem uso dela. Os USA tem perdido poder geopolítico desde a última grande crise e a Rússia soube explorar isso. Hoje o mercado de ações norte americano tem ativos supervalorizados e, mais uma vez, a Rússia saberá fazer uso disso na próxima crise. Desdolarizar a economia é um passo importante para a Rússia obter mais poder. Essa desdolarização também pode ser positiva para o Brasil a longo prazo, mas com certeza não será nada boa para os USA. O processo de desdolarização passa pelo “prestígio” dos USA dentro da geopolítica internacional... E me diga que outro líder mundial (de um país relevante) realmente leva o que Trump fala a sério? Um país é representado por seus líderes. E ter um líder desprestigiado tira influência de um país.
Trovalds
ZZZzzzZzzZZZz...
ʞǝʌǝɥs

o que a Rússia iria lucrar com a eleição de Trump em vez de Hillary ? Ou vice-versa ? Com a histeria contra a Rússia que vem acontecendo há vários anos (p. ex.: sanções contra a Rússia) nenhum dos 2 que fosse eleito teria condições de mudar as relações com a Rússia, como de fato Trump não mudou

isso aí me lembra outro evento, quando hackearam o site da Sony America e culparam quem ? o gordinho da Coreia do Norte...

depois que os EUA escolhem seus inimigos externos começa a campanha de demonização sem limites, quem tem mais idade já viu isso, teve a vez do Gadaffi (muitos anos antes dele ser derrubado, depois com o tempo ele chegou até a aparecer em fotos com presidentes americanos) quando ele aparecia em camisetas no centro de um alvo...

neste caso da Rússia os perdedores (Democratas) estão simplesmente aproveitando a histeria anti-russa pra causar confusão política

Jose X.
o que a Rússia iria lucrar com a eleição de Trump em vez de Hillary ? Ou vice-versa ? Com a histeria contra a Rússia que vem acontecendo há vários anos (p. ex.: sanções contra a Rússia) nenhum dos 2 que fosse eleito teria condições de mudar as relações com a Rússia, como de fato Trump não mudou isso aí me lembra outro evento, quando hackearam o site da Sony America e culparam quem ? o gordinho da Coreia do Norte... depois que os EUA escolhem seus inimigos externos começa a campanha de demonização sem limites, quem tem mais idade já viu isso, teve a vez do Gadaffi (muitos anos antes dele ser derrubado, depois com o tempo ele chegou até a aparecer em fotos com presidentes americanos) quando ele aparecia em camisetas no centro de um alvo... neste caso da Rússia os perdedores (Democratas) estão simplesmente aproveitando a histeria anti-russa pra causar confusão política
LessTech
Os demais partidos também. Saiu até uma pesquisa de como isso foi usado nas últimas eleições presidenciais BR. E o pior é que funciona.
LessTech
Ou muito ingênuo para não levar a possibilidade a sério.
Paulo Sonhador
Postarei minhas opiniões onde eu quiser,e cabe aos moderadores do site a decisão(censura) de excluí-las.Se não gosta,exploda.
Baidu feat MC Brinquedo
O G1 é na próxima esquina senhor!
Rodrigo Fogagnolo
???
Renan
1901 a 2014: EUA intervieram na soberania de Afeganistão, Angola, Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, China, Congo, Coréia, Cuba, Guatemala, Guiana, Haiti, Iraque, Irã, Libia, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Somália, Venezuela, Vietnã. 2017: EUA reclamam que tem alguém se metendo em sua política interna.
lucas
uma palavra e que me desculpem as mais sensíveis...merda.Controle,controle,controle,controle,controle,controle,controle,control,
ʞǝʌǝɥs

essa história de que os russos tentaram manipular as eleições americanas é muito estúpida, é simplesmente briga partidária, tem que ser muito ingênuo para levar a sério

Jose X.
essa história de que os russos tentaram manipular as eleições americanas é muito estúpida, é simplesmente briga partidária, tem que ser muito ingênuo para levar a sério
Exibir mais comentários