Início » Telecom » Google está liberado para usar balões de internet em Porto Rico

Google está liberado para usar balões de internet em Porto Rico

Por
09/10/2017 às 12h01
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês), órgão dos Estados Unidos equivalente à Anatel, deu autorização para a Alphabet liberar balões aerostáticos no céu de Porto Rico. O objetivo é levar internet às áreas que foram afetadas pelo furação Maria e, assim, ajudar na recuperação da região.

Project Loon

Os balões fazem parte do Project Loon. Trata-se de uma iniciativa em desenvolvimento pelo Google desde 2013 (bem antes do surgimento da Alphabet) que visa levar acesso à internet com auxílio de balões a regiões remotas ou que ficaram com os serviços de telecomunicações prejudicados por causa de desastres.

É o que aconteceu em Porto Rico. No mês passado, o furação Maria atingiu severamente a região, causando chuvas torrenciais, ventos fortes, alagamentos, ondas gigantes no mar e outros problemas que resultaram em destruição, mortes e milhares de desabrigados.

O fornecimento de energia elétrica de Porto Rico foi bastante prejudicado pelo furação, assim como os serviços de telecomunicações. Mais de 80% das torres de telefonia celular estão sem funcionar e não devem voltar a operar tão cedo.

Espera-se que os balões do Project Loon cubram pelo menos parte do sinal dessas torres com redes LTE emergenciais. A ideia é permitir que a população tenha o mínimo de comunicação e auxiliar as autoridades locais nos trabalhos de recuperação e atendimento às vítimas, tanto em Porto Rico quanto na região das Ilhas Virgens, também atingida pelo furação Maria.

Project Loon

Ainda não está claro quantos balões serão utilizados. Ao Engadget, a Alphabet explicou que, para que os balões possam disponibilizar internet na região, é necessário que eles se integrem a redes de telecomunicações locais. A companhia já trabalhou com a Telefónica no Project Loon. A expectativa é a de que essa parceria seja restabelecida agora. Outras operadoras também deverão fazer do projeto.

Não será a primeira vez que o Project Loon auxilia as comunicações de uma região afetada por desastres naturais. No início do ano, os balões forneceram acesso à internet em pontos do Peru devastados por inundações. A rede cobriu uma área com mais de 40 mil quilômetros quadrados.

A Alphabet não é a única companhia disposta a oferecer tecnologia para auxiliar na recuperação de Porto Rico. Elon Musk já anunciou que, se obtiver autorização, uma equipe da Tesla ajudará a restabelecer os serviços de fornecimento de energia da região.

Vale destacar que os balões do Project Loon atingem altitudes de aproximadamente 60 mil pés (quase 20 quilômetros), podem ficar mais de 100 dias na estratosfera, são alimentados por painéis solares e disponibilizam redes com velocidade de até 10 Mb/s (megabits por segundo).

Com informações: TechCrunch

  • No Brasil já existem alguns em teste.
    https://www.flightradar24.com/-14.8,-51.58/5

  • Adriano Northingan

    “tingem altitudes de aproximadamente 60 mil pés (quase 20 quilômetros)” isso não atrapalha o trafego aéreo

    • Islan Oliveira

      Os vôos comerciais viajam em uma altitude inferior a essa. A 20 mil pés, creio que só aviões militares trafeguem.

    • Emanuel Schott

      O tráfego aéreo fica entre 25.000 e 40.000 pés.

  • “Aff, um monte de gente passando fome na África e o Google soltando balões por aí”

    Comentarista, G1.

    • Amoroso

      Ah,tá! Não tinha nada inteligente para falar,aí vai criticar comentárista do G1.Como aquele povo do Tecnoblog que vem criticar os fan boys do TIM Beta antes mesmo deles aparecerem.Legal! “Não é nem um pouco chato”.

  • Amoroso

    Como farão para o balão ficar sobre Porto Rico?

    • Emanuel Schott

      Eles sobem ou descem e aproveitam a corrente de vento na direção que desejam mandar o balão.

  • Emanuel Schott

    Como realmente isso funciona? No Flight Radar 24 dá pra observar vários deles aqui na região. Porém nunca ouvi de ninguém que isso funciona por aqui.