Início » Negócios » Bitcoin atingiu US$ 5 mil ontem e encosta em US$ 6 mil hoje

Bitcoin atingiu US$ 5 mil ontem e encosta em US$ 6 mil hoje

Paulo Higa Por

Depois de enfrentar uma crise em setembro devido a uma decisão da China, o Bitcoin passa por mais uma onda de valorização. Na quinta-feira (12), a criptomoeda atingiu o valor de US$ 5.000 pela primeira vez na história. Mas esse recorde pode ficar rapidamente para trás: ela já se aproxima do sexto milhar.

Foto por antana/Flickr

Na madrugada desta sexta-feira (13), um bitcoin chegou a ser cotado a uma média de US$ 5.840, de acordo com o CoinMarketCap. Somando todas as 16,6 milhões de bitcoins em circulação, o valor de mercado da moeda digital atingiu US$ 97 bilhões, ou o equivalente a R$ 308 bilhões — mais que todo o real em circulação no Brasil.

Não há um motivo claro para a disparada. O Ars Technica lembra que um fork do Bitcoin está próximo de acontecer. Em agosto, um grupo de dissidentes criou o Bitcoin Cash, dividindo a moeda em duas, o que acabou sendo positivo: somadas, elas passaram a valer mais que o Bitcoin original. Outra divisão pode acontecer em novembro, quando é esperada a ativação do SegWit2x.

Curiosamente, nem todas as criptomoedas acompanham a valorização do Bitcoin, como costuma acontecer. O Bitcoin subiu 9% nas últimas 24 horas, mesmo caso do Ethereum (10,9%) e Litecoin (8,4%), mas houve queda no Ripple (–0,4%) e Bitcoin Cash (–1,2%).

Tecnocast 071 - Vale a pena investir em bitcoin?

Não é por acaso que tanta gente vem falando sobre Bitcoin. A criptomoeda já chegou a valorizar mais de 10.000% em apenas um ano e bateu recordes históricos em 2017: um único bitcoin passou a valer mais de dez mil reais. E muita gente acredita que o Bitcoin não apenas continuará essa subida exponencial, como um dia poderá substituir a moeda que nós temos.

Calma! Será que vale a pena investir em bitcoins? O que é minerar? O Bitcoin será a moeda corrente mundial? Como uma blockchain vive, se alimenta e se reproduz? Dá o play que a gente conta tudo!

Mais sobre: