Início » Software » Ubuntu 17.10 ganha nova interface com retorno ao Gnome

Ubuntu 17.10 ganha nova interface com retorno ao Gnome

Por
19/10/2017 às 11h02
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O Ubuntu recebe duas grandes atualizações todo ano, em abril e outubro. Enquanto os updates anteriores traziam um conjunto de pequenas melhorias, a versão 17.10 se destaca pelo novo visual.

No Ubuntu 17.10 “Artful Aardvark”, a Canonical desistiu de fazer uma interface própria e adotou o Gnome com algumas modificações.

O dock lateral permite fixar programas e ver quais estão abertos (denotados por um ponto). Na parte inferior, há um ícone para abrir a lista de aplicativos instalados no PC; você pode ver quais são mais usados, e fazer uma busca digitando no teclado.

A barra superior passou por algumas modificações. Ela exibe o menu do programa ativo; um widget de agenda, que também permite controlar a reprodução de músicas; e um menu unificado de status para gerenciar conexões, volume e usuários.

Pressione a tecla Windows, ou clique em “Atividades” no canto superior esquerdo, para ver os programas abertos — é algo semelhante ao Exposé do macOS. É possível arrastar as janelas para uma barra na lateral direita, que reúne suas diferentes áreas de trabalho. O dock exibe ícones de todas as áreas de trabalho que você tiver abertas, não importa qual você esteja visualizando.

Os botões minimizar/maximizar/fechar agora ficam do lado direito nas janelas; é possível mudar isso nas configurações. A Canonical colocou esses botões do lado esquerdo em 2010, para implementar alguns conceitos de interface que nunca vingaram. (Esses botões ficam do lado direito no Gnome padrão, então será menos trabalhoso adaptá-lo para o Ubuntu.)

Além disso, a tela de bloqueio está diferente, exigindo que você pressione uma tecla para inserir a senha; o aplicativo de configurações passou por um redesign; e o servidor gráfico Wayland é usado por padrão automaticamente nos sistemas onde é suportado. (Você pode alternar para o Xorg na tela de login.)

O Ubuntu é a distribuição mais popular do Linux para computadores, e tentou se expandir para outros tipos de dispositivos, como smartphones e tablets. Para convergir essas experiências, a Canonical trabalhou por anos na interface Unity, que nunca esteve realmente pronta. O projeto não vingou, daí o retorno ao Gnome — ele era o shell padrão até 2011.

O Ubuntu 17.10 está disponível para download apenas em versão 64 bits. Quem está em uma versão anterior em 32 bits, no entanto, não ficou completamente de lado: você pode atualizá-la para o 17.10 em 32 bits. Também é possível ficar no Ubuntu 16.04 LTS, que terá suporte até 2021.

Com informações: OMG Ubuntu, How-To Geek.

  • Dio

    Unity vai deixar saudades.

    • Humberto Machado

      Vai nada. kkk foi um dos motivos pra ter migrado pro Gentoo/Arch (quando usava linux)

      • Tosca16

        Mudou porque quis, tinha as flavours, se não gostasse do Unity tinha o Gnome, KDE, XFCE e etc nos “sabores” de Ubuntu.

        • Humberto Machado

          E instalar uma interface em cima da outra ou usar ports?

          • Tosca16

            Já tinha as opções “prontas” sem instalar DE’s por cima do Ubuntu Unity, para não cair naquela de ter aplicações duplicadas e desnecessárias no sistema. Kubuntu=Ubuntu+KDE; Xubuntu=Ubuntu+XFCE; Ubuntu Gnome=Ubuntu+Gnome; Lubuntu=Ubuntu+LXDE.

          • Giovani Sousa

            O melhor mesmo (na minha opinião) é instalar a base e depois Gnome e stuff .. Nem precisa ser um usuário avançado(tem tutorial pra tudo), da pra fazer tudo via apt e algum problema que aparece ou configuração mais apurada faz com o nano, gedit, leafpad da vida, eu pulava de distro em distro, quando comecei fazer assim cheguei na ‘distro’ que eu precisava, da mais trabalho, obvio, mas fica como o usuário quer/precisa…

          • Vinícius Jorge

            Eu fazia muito isso, bom para o aprendizado (assim como domar o Archlinux) usava o mini.iso pra fazer a instalação do Ubuntu, mas eram outros tempos, meu note atual é tão rápido (ainda mais com SSD) que nem vale a pena mais perder tempo com isso, já baixo o Ubuntu Gnome e mando ver, mesmo a instalação padrão hoje em dia é bem enxuta, se eu instalasse da mini.iso, hoje, possivelmente nem faria diferença

          • Giovani Sousa

            Tenho um desktop parrudo também, mas a questão não é essa, sou fan do Ubuntu foi parceiro de vários anos e ainda hoje acompanho o desenvolvimento e torço por ele, mas não me serve mais; essa forma de instalar que você já usou e eu uso atualmente me da mais liberdade, eu instalo só o que eu vou precisar, deixando o ambiente mais organizado e produtivo, pra que eu vou instalar o ubuntu completo se eu NUNCA irei usar os app de escritório, internet etc ? Por mais que se desinstale apos a instalação do sistema ainda ficam coisas pra trás que não precisa …

          • Vinícius Jorge

            Sim, seu uso é bem mais específico por isso justifica… Meu uso é generalizado, eu uso suíte de escritório, Internet, programas gráficos, então pra mim não faz sentido perder tempo com isso

          • Giovani Sousa

            “[…Internet, programas gráficos..]” li pornográficos rss.
            Sim isso mesmo que você disse, o bom do linux é isso, da pra ficar como a pessoa quer/precisa independente se ela seja um adm, um estudante, ou um “assistidor de Netflix” Viva o Linux!!

        • tuneman

          exatamente. desde então eu uso alternativas como o Gnome Ubuntu.

      • Francehelder Santos

        Vai fazer faltar sim, pelo menos pra alguns. Eu curtia o Unity, só não usava por achar pesado (troquei pelo MATE).

    • Ed. Blake

      Eu não sinto saudades desde o lançamento.
      Sempre preferi o Gnome pela praticidade.

    • Molinex

      É, vai deixar saudades… De qualquer forma, seja bem vindo de volta GNOME

      https://uploads.disquscdn.com/images/35e8866c313491d0616c46669630f10c08dd2ab5bc4d0117e2d59aadd5314dc2.png

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Tá parecendo o MATE (o antigo Gnome), tentando imitar o macOS.

        • Molinex

          É GNOME, e vai por mim, não tem nada a ver com macOS…
          Pra ser mais justo, não tem nada com a ver com a interface Aqua do OSX (já que estamos falando de interface). Isso porque o GNOME, é muito melhor…

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Gosto muito do Gnome, mas uma barra em cima e uma dock embaixo foi algo que se consolidou com a aqua.

          • Jose X.

            por padrão o GNOME 3 não tem dock (que no GNOME é chamado “dash”) visível, isso aí e uma customização do cara

            o GNOME 2 tinha duas barras, uma superior e uma inferior

            o GNOME 3 só tem barra superior, mas o visual é customizável por extensões…normalmente as dsitribuições “enterprise” (RHEL, SLES) vêm com o GNOME 3 customizado para parecer um desktop mais “tradicional”

          • Molinex

            Exatamente

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Opa, não sabia disso! meu contato com Gnome veio por meio do fedora, que tem uma dash. Fico pensando agora qual a forma, no gnome puro, de acessar seus aplicativos.

          • Jose X.

            na verdade o Fedora não tem o dash visível por padrão, o Fedora usa o GNOME sem nenhuma extensão, a única coisa que tem é a barra superior mesmo

            para acessar os aplicativos usa-se a tecla WIndows ou coloca-se o mouse no canto superior esquerdo, para o desktop entrar em modo “overview”

            aí aparece o dash à esquerda, os desktops virtuais (parcialmente) à direita, e as janela abertas no desktop atual em tamanho menor

            o dash é parecido com o dock do Ubuntu, tem um ícone que mostra todas as aplicações (além das favoritas e das que estão abertas)

            a gente pode digitar para procurar uma aplicação pelo nome, automaticamente

            o fedora já vem com algumas extensões que podem, das quais as mais úteis são apps-menu, drive-menu, places-menu, e windows-list (para quem quer uma taskbar inferior com a lista das janelas abertas),

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            cara, tem uma barrinha lateral de aplicativos que aparece quando clicamos em “atividades” (salvo engano). era isso que eu tinha chamado de dash, desculpa a confusão.

          • Molinex

            Exatamente de novo

          • Molinex

            Pode ser, mas e se pegar o dock do OSX e colocar ele na esquerda, o Aqua estará imitando o Unity?
            Acho que deixar a dash embaixo é só um lugar mais logico pra encontrar meus programas, é só uma questão de preferencia.

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Salvo engano no macOS (quando se chamava macOS X) já havia a possibilidade de colocar a dock à esquerda. Sendo assim o Unity estaria imitando o Aqua? Creio que não, pois tem mais coisa a se considerar.

            O lance é que o layout de barra no topo e dock na base foi inaugurado pelo macOS

          • Molinex

            “Creio que não, pois tem mais coisa a se considerar.”

            Exatamente isso, tem muita coisa pra considerar entre essa barra, e esse dock, mesmo considerar a diferença dessa barra e desse dock, com outras barras e outros docks…
            Vai por mim, o jeito de se manusear o GNOME é unico. Não existe nada parecido. Por exemplo, usar GNOME lembra mais o jeito de se usar o android, do que outra interface para desktop…
            Ainda quero pegar um desses dois em um, com tela touch, só pra instalar uma distro com GNOME nele. A experiencia deve ser da hora…

        • Francehelder Santos

          MATE tentando imitar o MacOS?

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Sim, o layout de barra no topo e dock embaixo. isso nem de longe é uma critica ao mate (acho que quis dizer cinnamon, desculpa), ou a qualquer GUI do Linux.

      • Auridian

        Que terminal é esse que vc tá usando?

        • Molinex

          É uma extensão do GNOME chamada drop down terminal, que basicamente faz a mesma coisa que o Guake Terminal (programa, emulador de terminal pra quem não usa GNOME). Mas por ser só uma extensão é bem mais leve…

    • Victor Serrão

      Cara… Unity sucks! Sério que você conseguiu gostar disso?

      • Dio

        Yes.

        • Victor Serrão

          Nunca consegui me adaptar. Tentei umas duas vezes, acabava voltando pro Gnome. Inclusive achava a Unity desnecessariamente pesada, teve uma instalação que eu fiz em um netbook em que a Unity simplesmente não ornou.

    • M1209

      tbm vou sentir saudade do unity

  • Rycke

    Queria muito usar o Ubunto, mas 65% dos softwares que uso no trabalho não tem suporte para o mesmo….

    • Humberto Machado

      kkk eae wine

      • Vai por mim. Wine roda muito bem programas comuns ou populares. Mas em ambiente de trabalho ( fora da área de TI), que tem uma ampla gama de programas específicos e utilizado só pelos profissionais daquela área ele é praticamente inútil. Foi o que me fez me afastar do Linux em geral nos últimos quatro anos, depois de quase dez anos de uso contínuo de diversas distribuições.

        • Humberto Machado

          Tem esse porem também.
          O Windows 10 também ajudou bastante

        • Daniel Serodio

          Virtualbox

          • hehehehehehe

            Eu tenho que dar boot no PC e aí, para usar um programa específico, tenho que dar boot em outro pc (o virtual), subindo o consumo de processador, memória e energia.
            Sem falar que, se tenho que exportar o dado do programa na VM para outro programa, fora da VM, lá vem outro problema. Pq, comigo, aquela porcaria de pasta compartilhada do Virtualbox funcionava na base do schrodinger, funcionava quando queria.

    • José Barbosa

      Dependendo do trabalho, realmente não vai atender, por causa de um software específico. Mas o que vejo é uma enorme resistência, desmedida. No meu trabalho, 90 a 95% do tempo (e crescendo), utilizo navegadores para operar os aplicativos, e a única exceção fora deste ambiente é o libreoffice. Mas ainda utilizamos um cada vez mais defasado Windows 7.

    • Daniel Silva

      É isso que eu sempre digo, o mercado de S.O. está com as pernas abertas. Se o Google se dedicasse a um projeto decente ao invés do “Chrome OS” hoje todo mundo estaria migrando para o Linux. Com o apoio de grandes empresas muitas das barreiras para a adoção universal do Linux seriam superadas. O Google ainda tem chance, poderia comprar ou se associar a Canonical e fazer um sistema utilizando as bases e a maturidade do Ubuntu, ao invés disso fica perdendo tempo reinventando a roda. Da mesma forma que o Android fez com o iOS, um bom sistema Linux desenvolvido pelo Google fará com a Microsoft (que não cansa de dar tiros no próprio pé). No futuro perfeito de adoção massiva de S.O. de código aberto acredito que até a própria Microsoft terá a sua própria versão Linux, vai fazer de tudo para não perder seus outros mercados e os sucessores da Microsoft vão descer um pouco na listagem da Forbes.

      • Ed. Blake

        O Google odeia linux e só o usa como base até perder a preguiça de desenvolver um sistema/kernel próprio do zero (o que está fazendo na calada).

        • Daniel Silva

          Pois é, pelo visto eles gostam de perder tempo reinventando a roda. Um kernel sólido e liso como o Linux não vai surgir da noite para o dia e nem sei se há necessidade para tal, a comunidade não perderia tempo colaborando com isso.

          • Gnull

            Vai ser uma nova microsoft, acredito que não terá comunidade mas sim um novo sistema fechado.

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            mas o chrome OS roda em cima do kernel linux, não?

          • Daniel Serodio

            Eles não “reinventaram a roda” quando criaram o Chrome? Um navegador sólido e liso como o Firefox não vai surgir… 🙂

      • Taichou12

        Espero que não, quero que o Linux seja um sistema de nicho mesmo. Assim ficamos longe de vírus e qualquer outra ameaça.Vide o MacOS hoje, cheio de worms.

        • Daniel Silva

          Antigamente as pessoas argumentavam a favor do Linux utilizando erroneamente a questão da “imunidade” aos vírus. Nenhum sistema operacional estará imune a vírus. Entretanto um S.O. de código aberto (totalmente aberto) com uma comunidade de desenvolvedores e colaboradores bem gerida pode chegar bem perto disso com o enorme ganho de maturidade. Só a nível de comparação, a força da comunidade é visível hoje com a rede Tor e o Bitcoin, ambos se demonstram bem sólidos. Além disso, falhas graves de segurança (quando encontradas) são rapidamente expostas e corrigidas. Coisa que jamais acontecerá com Windows e MacOS, estes só possuem suas falhas ocultadas pelas empresas fornecedoras.

          • Tenente Figueiredo

            Além disso, falhas graves de segurança (quando encontradas) são rapidamente expostas e corrigidas. Coisa que jamais acontecerá com Windows e MacOS, estes só possuem suas falhas ocultadas pelas empresas fornecedoras

            Para de bostejar cara.
            No Windows o problema do WPA2 foi corrigido uma semana antes de ser divulgado.
            Já no Android o patch só vai ser liberado dia 6 de novembro. E reza pro teu fabricante liberar.
            O teu amado Linux soltou uma correção errada que deu problema.

          • Daniel Silva

            kkk Você que é burro cara, isso é puro marketing. O Windows é cheio de vulnerabilidades. E a Microsoft tem o costume de ocultar as coisas:

            “Microsoft foi invadida em 2013 e não contou para ninguém”
            https://tecnoblog.net/226347/microsoft-invasao-bug-2013/

          • Tenente Figueiredo

            Marketing?
            Já ouviu falar em changelog?

            Além disso, não é disso (assunto do link) que estamos falando.
            Estamos falando de SO.
            Se não tens argumento, fica quieto então.

          • Tenente Figueiredo

            No mais, leia a notícia e não só o título.
            Pelo jeito vc não entendeu nada do que leu. Se é que leu.

          • Cortana ✔

            Quanta bobagem! A falha do WPA2 contraria todos os seus argumentos.
            Microsoft invadida foi um título bem apelativo, já que um computador de um funcionário é que foi invadido por uma falha no Java.

      • Marks William

        O Deepin Linux deve conseguir quebrar a barreira que ainda afasta os usuários. Já que roda sobre o Debian, tem uma interface que agrega conceitos do MacOS, Windows e Mobile e é muito fácil de usar.

    • Ed. Blake

      Eu por só depender de terminal e navegador de internet uso linux no trabalho desde sempre. Além de me atender 100% ainda tem o fato de que o resto da equipe não sabe usar linux (somos uma equipe de TI!) e não tem intensão de criar usuário no meu computador para uso coletivo.

      Para uma ou outra aplicação não disponível uso o Wine.
      Não é perfeito mas funciona pro que se propõe.

      • josenildo ferreira de souza

        É meu amigo Linux ainda é motivo das turmas nas faculdades de tecnologia ficarem olhando caçando o estranho que usa uma distro na sala de aula; na minha turma de 1º semestre em 2017 80% não entendia nada do mundo Linux(salvo o professor). o problema que no fim se formam em todo Brasil muitos profissionais que apanham muito quando o assunto é sistemas open-source.

  • Em detrimento da estabilidade, fico com o meu 16.04 LTS

    • brunocabral

      Não seria ao contrário? “PELA estabilidade”? Pq, em detrimento seria se vc prefere sacrificar a estabilidade.

  • Tosca16

    Vou de KDE mesmo, o Plasma 5.11 tá delícia de usar… mas estou no Manjaro, Ubuntu a muito tempo deixei de usar, quero mais nada de PPA, o negócio é AUR e Rolling Release.

    • Testei o KDE, mas pra mim ficou meio pesadão e apresentou alguns bugs. No fim das contas hoje, acho o Deepin o mais completo de todos.

      • Tosca16

        Deepin não é sinônimo de leveza, por exemplo kkkk. KDE Plasma tá beleza, roda muito bem, a versão de testes do Manjaro já traz o 5.11, roda liso.

      • brunocabral

        Cara, que maquina jurássica é essa que vc tem? Até as carroças dos meus parentes rodam bem o KDE.

        • Onde você leu que rodava mal? Disse que achei “pesadão”, mas daria pra usar tranquilamente, entretanto, somado a alguns bugs que experimentei e fatores de gosto pessoal e falta de saco pra ficar modificando o sistema, optei por não utilizá-lo.

      • brunocabral

        A única coisa que pesa é o Akonadi, e tem como desativar.
        Antigamente eu excluia os executaves do Ankonadi. Mas hoje eu adiciono no arquivo: /home/bruno/.config/akonadi/akonadiserverrc a linha: “StartServer=false” e resolve. Podia ser mais simples, mas resolve (Só em maquina jurássica, nas boas não faz diferença).

      • Auridian

        O KDE deixou de sugar da máquina desde a versão 4 ou “3.alguma coisa”. Na minha máquina pré-cretácia, o KDE plasma funciona tão fluido quanto o Mate.

    • Giovani Sousa

      Sempre que sai um ‘novo’ KDE eu instalo pra testar, mas não consigo me acostumar novamente, mesmo tendo sido meu primeiro ambiente .. ;/

      • brunocabral

        Isso é questão de usar e gostar. Se vc gosta, se acostuma até a plantar bananeira.
        https://uploads.disquscdn.com/images/dc59f5a32b99ec4fa8ebbc56d5c149e2111c8be077eebed29f447db382683fb0.png A propósito, meu KDE ficou ótimo com o Estilo da Unity, seria ótimo se ela fosse baseada no KDE não no Gnome.

        • Tosca16

          Ubuntu com QT padrão ia ser show de bola.

        • Giulio França

          Amigo, foi difícil de fazer o League of Legenda rodar no Linux? E o desempenho como é poderia me ajudar? Estou muito interessado em migrar para o Linux mas não mudei ainda devido ao jogo que me “prende” em permanecer no Windows. Agradeço desde já. Abraço!!!

          • brunocabral

            A instalação usando o PlayOnLinux é fácil. O desempenho em nVidia é cerca 70% do Windows usando o PlayOnLinux (gratuito). Já o crossover é cerca de 90%, mas vc precisa pagar, diferente do Wine que é gratuito, embora seja melhor que o Wine.

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Verdade que o crossover é “gratuito” se vc estiver usando deepinOS?

          • brunocabral

            Não tô sabendo nada a respeito sobre o Deepin

          • Giulio França

            Muito obrigado pela resposta. Eu busquei pelo Linux Mint e por enquanto é a distro que mais me chamou a atençao. Vou fazer o teste dela usando dual boot até me acostumar para a migração ser mais suave

          • brunocabral

            Qualquer dúvida digite Bruno Cabral Peixoto no YouTube, ou acesse-o aqui: https://www.youtube.com/watch?v=WvHkzW8lxCI

          • Victor Hugo

            Mto provavelmente não será tão fácil pra todos (uso o Manjaro OS), mas pra mim foi, só instalei o wine, sim só o wine puro e executei o instalador do lol e funcionou. Aliás pra WoW, lol, Hearthstone, Heroes of the Storm, todos rodaram só executando o instalador e sem nenhuma configuração

          • Giulio França

            Dessa forma que você fez o desempenho ficou como? Muito abaixo do Windows ou a mesma coisa?

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Somos dois.

      • Jose X.

        acompanho os dois desde as versõe 0.9, nunca consegui gostar do KDE…GNOME fanboy here 🙂

  • Pelo vídeo já dá pra ver que até hoje não conseguiram resolver um problema estúpido que existe provavelmente desde o Ubuntu 4.10: o cursor do mouse com crise de identidade. Ele é preto, ai do nada você aponta em outro lugar e ele fica branco e depois preto de novo.

    • brunocabral

      Só na variante com Gnome tem esse problema;

  •  david

    TA ficando bom

  • Mario Junior ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ
    • brunocabral

      Amo o mundo Plasma e o universo Qt.

      • Vinícius Jorge

        Eu adoro o qt, desenvolvo programa usando qt (até tenho interesse de aprender vala+gtk, mas o suporte multiplataforma pobre mata) mas não aceito ter somente meia dúzia de opções de estilos pra ele: breeze, oxygen, fusion, qtcurve, plastik, motif, windows… Todos completamente horrorosos… O tema Arc pra GTK3 é simplesmente lindo, não tem versão qt dele infelizmente… Em matéria de customização de aparência parece que os gtk devs sempre são mais empolgados, dezenas de engines e temas

  • Leandro Amaral

    “O Ubuntu 17.10 está disponível para download apenas em versão 64 bits.
    Quem está em uma versão anterior em 32 bits, no entanto, não ficou
    completamente de lado: você pode atualizá-la para o 17.10 em 32 bits.”

    Tá redundante isso ou eu que tô interpretando errado?

    • João Paulo Mesquita

      Acho que você não pode BAIXÁ-LO em 32bits, mas pode ATUALIZÁ-LO se seu sistema for 32bits. Tipo, uma nova instalação só em 64bits =D

      • Leandro Amaral

        Boa! O problema era o leitor mesmo :p

    • Charles Carvalho

      Existe um bug universal em software em C/C++ que nao tem concerto até o momento, ele se chama Y2K38. Ele é relacionado a contagem de tempo, este bug vai afetar todos os PCs de 32 Bits, por isso estão mudando tudo de 32 para 64 bits e vão forçar os usuarios a usar apenas 64bits. Portanto, daqui a alguns anos vai ser quase inexistente maquinas em 32 bits e seremos forçados a usar 64bits, se o erro não for concertado a tempo. Isso vai afetar todo mecanismo escrito em C, sendo assim, o linux, windows, mac, freebsd e tudo mais esta na lista. So acho interessante ja começar a usar esta arquitetura quando tiver oportunidade. 😉

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Problema_do_ano_2038

      • Leandro Amaral

        ?????????????????????

        • Charles Carvalho

          acesse o link que tem a resposta. No mais se não entendeu, ignora.

  • MacielLucas

    Próxima LTS poderia vir com icones novos…

    • Ed. Blake

      Já desisti de esperar por isso tanto quanto perdi as esperanças de que um dia o Adwaita/Humanity do gnome tenham um visual que não façam você querer trocá-los 3 segundos depois que instala o sistema.

      • Vinícius Jorge

        Arc Theme + Icons + Shell… Primeira coisa que faço ao instalar qualquer distro com sabor de Gnome

        • Ed. Blake

          Somos dois. Desde que conheci o Arc nunca mais testei outros temas haha.

  • Eu baixei o beta 2 literalmente ontem. Sigh.

  • henrique

    O que me incomoda muito no gnome é sua pouco flexibilidade. É quase impossível customizá-lo. Por isso acabo deixando o Cinnamon que é leve (comparado ao gnome e KDE), completo, e super modificável;
    * o cinnamon usa o Xorg como servidor gráfico e não há andamento nenhum em desenvolvimento para o wayland

    • Ed. Blake

      Não acho o Gnome pouco customizável mas aos poucos está se tornando. Com as c*gadas que o pessoal da Gnome veio fazendo com a comunidade, o pessoal que desenvolvia extensões pra ele foi aos poucos abandonando as que já existiam e não desenvolvendo novas extensões para este DE.

      • henrique

        Para mim, o que incomoda é precisar de extensões para modificar coisas simples como o próprio tamanho da barra lateral (não sei como é chamado no gnome), ou mesmo o local de aparecimento das notificações.

      • Charles Carvalho

        Eu iniciei no mundo linux no KDE e quando descobri o Gnome, até tentei usar um tempo, mas ele é muito limitado. Tem até um papo de que o Linus Torvalds fez uns codigos para o gnome e os caras da comunidade “não aceitaram”, pq era muito difícil de entender. Em questão de configurações o XFCE e KDE é bem mais completo e customizável para mim.

    • Fabio Alvez

      Com o Mint Cinnamon não consigo ajustar a DPI na minha tela de 1920×1080,a opção de ajuste ou é automática ou o dobro, e ou fica muito grande ou muito pequenos os textos e ícones. O Mate nem tem esse ajuste, e ter de ir testando aumentar fontes e ícones na mão é outro brioco!

      • henrique

        Realmente, os ajustes para DPI é 1x ou 2x. No entanto, foi pelo motivo da fácil configuração do DPI que eu mudei para ele já que minha tela é 4k… Uma dica é diminuir o tamanho das fontes (já que isso reduz os titlebars) e diminuir o tamanho dos panels.
        Aqui está minha atual configuração em uma tela 1080p (com um plank docker mac-alike) https://i.imgur.com/pXw9ik3.png

        Outra vantagem do cinnamon é poder exportar todas as configuração em um único arquivo e depois restaurá-lo em outro PC

        • Charles Carvalho

          Muito legal, parabéns!

        • Fabio Alvez

          Ficou legal seu desktop. Pena que o leitor biométrico do meus Asus não é suportado, senão já tinha trocado de vez pro Mint. Testei ontem o novo Ubuntu 17.10 com o Gnome, ficou bem legal tb, e igualmente o ajuste de DPI que é inexistente.

    • Jose X.

      flexibilidade para quem ? para que ? tudo depende do “caso de uso” e da familiaridade do usuário com o sistema (além de eventuais idiossincrasias pessoais)

      eu me considero um “usuário avançado”, só uso Linux no meu desktop (sim, tenho vm de Windows, que quase nunca uso), e acho GNOME a melhor interface justamente porque ela é limpa, sem distrações (e isso vale considerando Windows 7 e Windows 10)

      nas vezes que experimentei KDE me dava angústia abrir uma janela de configuração (de qualquer coisa) e encontrar um zilhão de opções…

  • Dhiego Borges

    Postagem desnecessaria

    • Ed. Blake

      Mas você clicou. 😉
      Clique é $$$.

      • Dhiego Borges

        fato

    • henrique

      Poxa, é legal um site relativamente grande falar do mundo GNU/Linux mesmo que seja raramente 🙁

      • Dhiego Borges

        Concordo com vc, e desculpe se fui implacavel, mas vc ha de convir que isso não é novidade pra ninguem.
        Eu achava que era alguma mudança no gnome mas é informando que o Ubunto vai usar o Gnome, Informação que ja ta massante do tanto de vezes que se repetiu.

    • Tão desnecessária que tem um monte de leitores debatendo sobre Linux nos comentários.

      • Dhiego Borges

        Ao ler o titulo pensei ser alguma mudança no gnome ja que todo mundo esta sabendo que a canonical vai usar ele de agora em diante. Mas ao ler me deparei com uma noticia que não é novidade pra ninguem.

        Ou seja , desnecessaria, reinformando algo que ja foi largamente apresentando, de forma mais detalhada diga-se por sinal como se fosse uma novidade.

        E com relação ao povo debater sobre linux, se vc acha vantajoso o massageamento de ego que segue nos comentarios, seja feliz. A quantidade deles não torna a postagem util em conteudo, apenas em conseguir cliques.

        Isso de ” eu usava isso mas agora uso aquilo porque é melhor e tem ferramentas melhores” pra mim não é algo relevante, não apresenta nada de novo, sempre tem em qualquer coisa relacionada a linux ou nem mesmo isso, no fim as pessoas so querem falar de si, informação mesmo é raro vc achar .

        • As pessoas falaram de sua experiencia pessoal pode ajudar outros usuários.

          Mas eu não vou insistir nessa discussão. Já entendi o seu ponto.

  • Charles Carvalho

    Não sei qual é a logica da canonical em tirar a função de diminuir o tamanho das fontes do SO, depois que veio o Unity, nunca mais voltou com esta função como padrão, até mesmo agora que voltou para Gnome, sera que eles acha que o planeta inteiro tem monitores 4k de 32 polegadas? Como o Gnome é bugado demais, fico aqui com o XFCE que esta de bom grado, quando eu querer ostentar recursos eu uso KDE. rsrs

    • henrique

      Você consegue lidar com o XFCE em 4k? Parei de usá-lo devido a falta de suporte (ou falta de habilidade minha) para configurá-lo nesse ponto 🙁

      • Charles Carvalho

        Bom meu jovem, eu não uso 4k, por isso da minha indignação. Pq tenho monitor de menor resolução e para ter uma melhor experiencia ao menos alterar as fontes para um tamanho menor sem a necessidade de instalar nada. Acabo tendo que instalar isso e aquilo pra uma coisa ridicula que ate o wmaker faz de boas. No caso para alterar as resoluções vc primeiro te que saber que placa vc usa e sem tem o driver. Se for planca AMD o assunto acaba aqui, pq é sofrimento inutil pq ela não da suporte direto para drivers corretamente. E as resoluções se possivel vc tem que fazer via xorg. As distros ubuntus 16.04 estão diante estão com problemas de identificar drive amd antigo. NO caso se vc quer alterar a resolução, tera que ver se tem drive generico e ou proprietario adequada, caso contrario vc vai sofrer. rsrs

  • Vinícius Machado

    Eu como programador, uso traquilamente o elementary OS, e consigo usar pro dia a dia normal hehe. Se quiser da até pra jogar um CS, Euro Truck 😀

  • Trovalds

    Ubuntu tomou o lugar do Mint de novo como distro mais popular? Tô sabendo não. Pelo menos no Distrowatch ela tá pra trás até do Debian.

    Mas pra mim o Ubuntu morreu no último upgrade malsucedido, que foi em 2008. Depois disso passei pelo Debian e aportei no Gentoo. E dele nunca mais saí.

    • Tenente Figueiredo

      Atualizar o Ubuntu era um parto com cordão enrolado no pescoço.
      Lembro que toda vez que ia atualizar dava problema e eu tinha que reinstalar tudo do zero.

      • Trovalds

        Isso.

    • O Ubuntu aparece no DistroWatch dividido em seus vários sabores, eu acho que se juntar todos ele fica na frente sim.

  • Cortana ✔

    Queria muito usar Ubuntu, mas já tenho o Windows 10 Fall Creators Update que é muito melhor! 😉

  • betacaroteno

    Use Arch, use Arch, use Arch!

  • Jhon

    Uma das coisas que mais me incomoda no Ubuntu (e outras distros linux em geral) é que ele é muito feio, mesmo com essas mudanças.

    • Tori

      Tem temas abundantes por ai

      • Jhon

        Mesmo assim, a versão original continua feia kkkk

    • Jose X.

      beauty is in the eyes of the beholder

  • Desv

    Windows ainda é mais prático e roda tudo