Início » Software » Quais são as linguagens que os programadores mais preferem evitar?

Quais são as linguagens que os programadores mais preferem evitar?

Por
01/11/2017 às 11h21
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O Stack Overflow, conhecido site de perguntas e respostas para programadores, tem uma seção em que você pode cadastrar seu currículo e informar quais linguagens você prefere usar no trabalho, e quais pretende evitar. Esta informação fica pública em seu perfil.

Após analisar centenas de milhares de perfis, o Stack Overflow descobriu as linguagens de programação mais “odiadas” pela comunidade.

Foto por Matt Foster/Flickr

O Perl está na frente, e por uma margem bem grande. Ela foi criada por Larry Wall, linguista e programador da NASA, no final dos anos 80. Trata-se de uma linguagem bastante versátil, mas que pode ser confusa e deselegante, criando dores de cabeça para o programador. Por isso, em comparação a um canivete suíço, ela é descrita como uma “motosserra suíça”.

Na sequência, temos Delphi e VBA (usada nas macros do Excel), seguidas de longe pelo PHP, Objective-C, CoffeeScript e Ruby. No outro extremo, os programadores demonstram maior interesse em R, Kotlin e TypeScript.

É bom deixar claro: a análise do Stack Overflow não significa que os programadores tenham ódio pessoal contra o Perl ou Delphi. Na verdade, isso mostra que eles preferem não trabalhar com essas linguagens — talvez porque não sejam muito desejáveis para suas carreiras.

Temos também o outro lado: há quem odeie JavaScript, mas não há como fazer desenvolvimento web sem ele, então você não vai encontrar essa linguagem como a mais “odiada”. Para a análise, foram consideradas as linguagens com pelo menos 2 mil menções nos Developer Stories.

O Stack Overflow também fez uma análise mais abrangente, levando em conta sistemas operacionais, plataformas e bibliotecas que os desenvolvedores preferem evitar. As tecnologias mais “odiadas” são o Internet Explorer, Visual Basic, COBOL e Adobe Flash:

Faz todo o sentido que desenvolvedores não queiram trabalhar, por exemplo, com o Internet Explorer: a própria Microsoft migrou seu foco para o Edge, ainda que o navegador para Windows 10 tenha suas limitações. Por sua vez, o Flash já tem data para morrer.

Como explica o Stack Overflow, “isso não é uma acusação contra as tecnologias, sua qualidade ou sua popularidade. É simplesmente uma medida de quais tecnologias estimulam sentimentos negativos fortes em pelo menos um subconjunto de desenvolvedores, que se sentem confortáveis ​​compartilhando isso publicamente”.

Com informações: Stack Overflow, Boing Boing.

Mais sobre: ,
  • Acho até elogio chamar VBA de linguagem de programação.

    • Felipe Teodoro

      Né, quando eu vi eu pensei desde quando VBA é linguagem de programação?

      • Ígor Moreira

        é uma linguagem doq?

        • Allan Cordeiro

          de programação.

    • O VBA é muito bonito porque ele permite que um usuário de Excel seja mais que um usuário. Ele encoraja usuários e desperta curiosidade para um público que não tem background de desenvolvimento.
      É, sem dúvidas, a linguagem de programação mais acessível do mundo. O engenheiro que abre Excel ou o advogado que abre o Word e pressiona Alt+F11 pode descobrir um mundo inimaginável até então e colocar a aplicação para criar automatizações e trabalhar para eles.

      • André G

        Concordo. Na empresa que eu trabalhava ninguém era programador, mas os engenheiros se viravam com as macros.
        Eu era um estagiário com quase nenhuma experiência em programação e me virava muito bem fazendo macros, cheguei até a fazer macros pra galera de outra equipe.
        O fato de poder gravar os movimentos é algo sensacional que ajuda muito quem está começando.

  • Ruby? Haha. Esses Javeiros gostam de escrever e demorar 1 ano para fazer o que faço em 1 semana. :p

    Brincadeira, sem flame war!

    • João Paulo ™

      O problema do ruby, pelo menos pra mim, é não ter tipagem estática. Depois que aprendi scala, nenhuma linguagem com tipagem dinâmica me desce mais…

      • Ígor Moreira

        vim do asp para o c#, voltar para dinamica é bem dificil. Hoje trabalho muito com javascript e ai abuso do typescript para fazer tipagem.

      • Entendo, acho que é costume. Eu passei do Java para o PHP, depois fui para o Ruby, então tenho um pouco de preguiça de tipagem estática. Não gosto de tipagem fraca como no PHP, mas forte e dinâmica para mim é o ideal!

    • Vinícius Machado

      Delphi faço o que tu faz em 1 semana em 1 dia, haha zoeira

      • Hahaha. Quero ver!

      • Julio A. de Araujo

        com c# o que vc faz em 1 dia , eu faço em algumas horas!!! haha..

  • Henrique

    Só eu que acho a syntax do Python estranha ?

    • PPKX XD ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

      (2)

    • Allan Ferreira

      Engraçado, eu sempre achei muito de boa, vai muito de quem programa

    • Jose X.

      não gosto de Python…prefiro Perl…torcendo aqui para que Perl6 decole

    • É enxuta. Assim como Ruby. 🙂

  • André G

    Qualquer programação em linguagem de máquina me assusta.
    Quem programa em Assembly deve ter pacto com o capeta.

  • Então quem diria que o PHP ia ficar com o primeiro lugar, hein?
    (Perl, Delphi e VBA são Hors Concours)

    Typescript, Swift e Kotlin são muito novas pra poderem ser comparadas.

    R, por que alguém iria reclamar de R?
    R tá sempre lá quietinha no canto dela fazendo análise e plotando gráfico.
    Certamente é uma desavença pessoal, a gente não tinha que se meter.

  • Molinex

    Se olhar pelo angulo do “cada macaco no seu galho”, toda linguagem tem o seu valor…
    PHP para web, Java para android, C# para as traquinas MS, obj-C para as traquitanas da Apple, Shell ou C para traquitanas *nix, JS para navegadores, Assembly pra hardware, C++ para aplicativos sérios de verdade (como jogos, suites, editores), C para serviços (como servidores, daemons, outras linguagens), Python e Ruby para os descolados (do celebro), etc…

    Mas nenhuma linguagem de programação supera o Ctrl C++(independentemente da linguagem, copie e cole, o máximo de código que você puder, não se preocupe em entender pra que ele serve. O que importa é que funciona). Essa abordagem em união com o bom padrão de projeto POG, é garantia de qualidade máxima no software…

    Ou não…

    • Rafael Santana de Brito

      concordo, gosto muito do php, mas com a necessidade trabalharei com a linguagem que mais se encaixar e entregar o que se pede

      • Molinex

        PHP foi minha “linguagem materna” (ou a primeira que aprendi), isso a muito tempo atrás, na época do PHP 4, onde a linguagem era realmente tosca, e nem se compara ao PHP de hoje…
        O mais importante, não foi nem ter aprendido a linguagem e tal, foi ter aprendido como funciona, e como se constrói uma aplicação web, conhecer protocolos, um pouco de rede, lógica de programação essas coisas. Sabendo disso, é possível (no caso da web) se trabalhar com qualquer linguagem, porque eu já sei o que preciso fazer e como as coisas devem funcionar…
        Basta apenas dar um google e procurar saber como se faz tal coisa em determinada linguagem…

        A realidade é que a linguagem não importa muito. Vale mais ter uma boa logica de programação, o conhecimento na plataforma em que se quer desenvolver, conhecer os protocolos que ela usa pra se comunicar, e saber o que se quer, e como fazer…

        • Lisa

          Comigo aconteceu exatamente a mesma coisa, mesmo não trabalhando mais com PHP, ainda dá um quentinho no coração cada vez que vejo/programo em PHP

          • Molinex

            Pois é… Faz tempo que não mexo com PHP…
            Vou ver se arranjo um tempo, pra escrever alguma coisa, só pra matar a saudade…

    • Programador Front-End

      POG é tipo o MVC do Brasil

      • Molinex

        Eu diria que do mundo…
        Ou melhor ainda, é um padrão universal…
        Ontem mesmo google docs, apresentou um bug maroto…
        Aposto que foi POG…

    • Abraão Caldas

      C# já não é só para ambiente MS.

      • Molinex

        Sim, uso Linux e tenho o Mono develop instalado aqui…
        Mas a realidade é que usar C# no Linux é horrivel, nem se compara a experiencia de desenvolver em C# pra alguma tecnologia MS (e usando tecnologias da MS, como o visual studio para construir sua aplicação)…
        C# combina perfeitamente com windows, azure, essas coisas. Pode ser usada em outras plataformas?
        Claro que pode, mas não é tão bacana…

        • Visual Studio Code + ASP.NET Core e .NET Core

          • Molinex

            Usei vs code ontem pela primeira vez. Que curioso não?
            Trabalhei um pouco nele pra um cliente feito com o electron, e me pareceu um bom editor de código, e tem também o look ‘n feel do VS…
            Mais ASP.NET com as libs para desenvolver pra web…
            Mais .NET Core com o compilador de bitcodes a VM, algumas libs do core da plataforma, e um cliente cli…

            Me parece mais facil instalar o VS (dependendo das ferramentas escolhidas na instalação, isso pode levar anos), um IDE completo, e ter acesso a tudo isso + ter acesso a todas as APIs do windows + gestor de pacotes (nuget) + um monte de outra coisas…

            Eu não desenvolvo pra plataforma windows, então, posso usar meu Linux, minhas ferramentas, e ficar de boa. Mas se tivesse que desenvolver, acho que eu recorreria ao VS…

          • Se você quer fazer só coisas nativas da sua plataforma (seja windows ou linux ou mac), realmente não faz muita diferença.

            Mas a questão é que o Core é o futuro do .Net para a Microsoft, agora que chegou na versão 2.0 ficou consistente e ainda vai melhorar agora que temos o .net standard.

            Mas nada te impede de desenvolver para Linux ou Mac usando um projeto Core no VS completo no Windows. Ou rodar os projetos Core que você desenvolveu, fez build e publicou no Linux ou Mac como se fossem “nativos” do Windows.

            O Xamarin em breve vai chegar na V3 com suporte a Mac e Linux Desktop, e você desenvolve usando C# no VS Completo pra Windows ou Mac.

            Bom, sempre existe o Jetbrains Rider.

            Não tô tentando te convencer de nada não, relaxa xD
            Só mostrando que o .Net como um todo (VM, Linguagens e IDEs) tá comendo pelos cantos no quesito multiplataforma. E ser tudo OpenSource ajuda bastante a quebrar a barreira dos que torciam o nariz xD

          • Molinex

            Tem um mano meu, que usa o xamarin pra desenvolver “nativos” pra Android… Não é a mesma coisa que um app nativo em java (por sinal, android é o unico sistema onde a jvm roda de maneira minimamente satisfatória), ou em C/C++ usando o NDK…

            Seria legal se uma tecnologia abordasse tudo, e a gente pudesse desenvolver e ter o mesmo resultado, independente da plataforma, usando por exemplo, apenas uma linguagem de programação. Mas não é assim…

            Como te falei ontem brinquei com o eletron. Com ele, você consegue criar um app, multiplataforma, com tecnologias web, e tal… Olha que maravilha…
            A realidade é que gera um executável gigantesco, um app lento que roda em uma janela do chromium, é que tem pouca, ou nenhuma integração com o sistema. Não me entenda mal, projetos como o Atom, e vs code, são muito bons mesmo. Esse mesmo problema acontece com o Java, quando ele é usado para criar apps para desktop multiplataforma…

            Por isso, eu tento sempre me adaptar a plataforma usando ferramentas que rendem melhor nela, e não adaptar a plataforma a mim, usando algo que eu goste, independente do resultado…

            Mas sim, a MS vem fazendo um ótimo trabalho com a plataforma .NEt e tudo que envolve…

          • Então, eu tenho um ódio mortal do Electron porque pra cada app é um Chromium inteiro salvo e rodando no computador. Se ele ao menos compartilhasse uma instalação base do Chromium, mas nem isso esse puto faz. Eu acho inaceitável um editor de texto com instalador de 70MB.

            Mas eu tive que trabalhar num projeto node.js e acabei optando pelo Code e me surpreendi, esperava bem menos dele, bem menos. Ele tá muito bem feito pro que ele é (um editor e não uma IDE completa).

            Eu nem vou entrar no ponto de que os apps são feitos cada vez mais porcamente porque os devs escrevem aqueles javascript deles sem se preocupar nem um pouco em economizar recurso do usuário ¬¬’

            Sobre o Xamarin, teoricamente eles são nativos sim.
            O Xamarin tem dois “formatos”, o “nativo” e o “forms”.
            No nativo você desenvolve igual no Android Studio/Xcode a parte visual, mas usa C# no código.
            No Forms (XF) você usa um XAML meio termo evitando ter que escrever duas interfaces, como ele tem que funcionar pros dois ele tem o minimo divisor comum das plataformas.

            Em ambos os casos na hora do build ele “traduz” todo o C# para a linguagem nativa, inclusive pra iOS o app vira direto binário, no android segue o JIT normal.

            O que o Xamarin tem dificuldade é na stack visual do android mesmo, os caras admitem e tão trabalhando pra resolver isso no XF3 que tá pra sair SOON(TM). Então assim, ele “gera” um app nativo com problemas na interface haha mas é nativo xD

            Tem uns apps soltos por aí que não são exigentes na parte da interface e ninguém percebe que é Xamarin 🙂

            E no XF3 ele vai poder ser buildado direto pra OS X e GTK (aka linux e win32). Tá ficando legal. O problema é que a Microsoft tá sempre no “em breve”.

            Edit: caraca, desculpa o textão D:

          • Molinex

            To usando o code essa semana por sugestão do maninho @UsuarioEsperto:disqus. Ele que falou que era bão de um jeito, que eu resolvi testar. Ainda sou mais chegado ao Atom, mas pra ser justo com o vs code vou usar essa semana toda, pra ver o maximo de coisa que dá pra fazer com ele…

            Acabou a preocupação com recurso faz tempo. Depois do garbage collector, ninguem mais liga pra recurso. Tá comendo memoria, arranja outro pente. Ocupa espaço em disco, arranja outro HD, melhor arranja um SSD que melhora o desempenho. Deu lag, faz um upgrade na GPU. E já aproveita e faz um upgrade na CPU, também porque nosso site minera bitcoin… kkkkkkk

            Mas se for ver bem, um celular hoje, tem um poder de processamento maior do que de um computador de 5, 6 anos de idade. Aí tecnologias consomem mais recursos, depois são lançados hardwares com mais potencia, o preço sobe, e vira um circulo vicioso…

            Gerar binarios nativos, já é uma grande qualidade. Tem que ver qual é o tamanho desse binario, se ele não é muito maior por carregar libs pra compatibilizar. Tem que ver como é o acesso as APIs da plataforma. Tem que ver o desempenho em tempo de execução, se é o mesmo de um app, feito em lingua nativa, tem que ver se consome os mesmos recursos, essas coisas…

            Mas é uma grande sacada da MS ter comprado a xamarin. Mexi pouco, mas só de ouvir relatos como o seu deve ser uma alternativa melhor que o phonegap ou eletron da vida… kkkkk

            PS: Descontei o textão. Estamos quites…

          • Adsa

            Pqp! Mantenha os textões! Adorei essa visão por alto que você deu sobre algumas linguagens.

        • Abraão Caldas

          Você pode desenvolver no visual studio e só fazer deploy no linux.
          Claro que na plataforma windows é de longe melhor mas não é impossível assim.

          • Molinex

            Sim, mas por exemplo, o PHP se eu não me engano, tem bind para QT, tinha pra GTK, mas era tão tosco que desistiram. Isso significa que eu posso fazer um app para desktop em PHP, e com o cygwin acho que dá pra fazer ele rodar no windows…
            Será que fica bom?

            Essa é a questão, impossível não é, mas o desempenho, a aparência, a integração com o resto do sistema, talvez não seja a ideal…

          • Abraão Caldas

            Desenvolver UI para linux é uma porcaria não importa a linguagem que você escolha, pelo menos é isso que eu percebi.
            Se tiver alguma alternativa boa tão boa quanto WPF eu queria saber.

          • Molinex

            Tem o glade pra GTK que faz a função do WPF. Um app visual, no melhor estilo arrasta e solta, gera aquele xml maroto, e você escuta os eventos com a linguagem da sua preferencia. Desde que ela tenha um bind pra GTK…
            Sem contar que o GTK 3 usa CSS pra dar aquele ajuste final na aparência do seu app, então da pra conseguir resultados bacanas, usando uma tecnologia que tem baixa curva de aprendizagem…

            Pra QT deve ter soluções também… Mas eu mexi pouco com QT na vida, então não sei dizer. Sei que ele é mais complicadinho de lidar que o GTK, mas o resultado é mais refinado…

            Desenvolver para Linux não tem muito segredo. As coisas são simples, geralmente um programa tende a fazer uma coisa bem feito, em vez de varias mais ou menos, e é tudo muito bem documentado…

          • Abraão Caldas

            Para mim o grande problema é que depois que você conhece o Visual Studio, todas as outras IDEs parecem lixo.
            rs

          • Molinex

            Eu acho o visual studio, ou melhor, a plataforma .NET como um todo, o que a MS fez de melhor no quesito software…
            Pra quem usa windows, e quer desenvolver, é o ambiente ideal…

        • Welson Coelho Junior

          Java para Android? Acho que vc está desatualizado… ou se se cliente quiser esperar 10 anos por um app ficar pronto.

          • Molinex

            Deve ser, devo estar desatualizado…
            Qual a linguagem e as tecnologias que se usa para desenvolver para Android hoje?

          • Welson Coelho Junior

            Delphi

          • Molinex

            Obj-Pascal?

          • Welson Coelho Junior

            Sim, com o mesmo código fonte vc compila pra Windows, Android , ios e OSX sem contar que agora é possível desenvolver em Delhi web service que rodam em Linux, não parte gráfica, somente serviços.

          • Molinex

            Aí a gente cai no mesmo caso que eu tava debatendo sobre o xamarin. Portabilidade X Desempenho…

            Quando a gente fala de uma tecnologia que compila pra varias plataformas, tem que levar em conta qual é o tamanho desse binario, se ele não é muito maior por carregar libs pra compatibilizar. Tem que ver como é o acesso as APIs da plataforma. Tem que ver o desempenho em tempo de execução, se é o mesmo de um app, feito em lingua nativa, tem que ver se consome os mesmos recursos, essas coisas…

            E sobre isso tenho duas observações a fazer.
            Primeiro: A muito, muito tempo atrás (com certeza mais de 10 anos), teve uma febre de desenvolvimento com o delphi para windows. E no geral, um binario pascal era muito maior, porque era mais sujo (gerava mais código de maquina), e o executável não tinha uma integração e um desempenho, tão bacana no windows, como um binario feito em C++ por exemplo…
            Isso porque grande parte do windows é feita em C++, suas APIs são em C++, então pode se dizer, que o C++ é a lingua padrão do windows…

            Segundo: se você esta falando de Pascal, e vai compilar para o processador, não é justo comparar com o java, que compila para uma maquina virtual. O certo seria comparar ao NDK, que são programas feitos em C/C++ que também serão compilados para o processador.
            Nesse caso você acertou, fazer um app usando as APIs do NDK leva muito tempo, com certeza, mais tempo do que fazer usando o delphi, mas vai por mim, o desempenho de um app NDK, limpo, feito em C++, é brutal…

            Pra finalizar, depende da situação. Se o sistema que você esta criando, não exige tanto, as vezes compensa usar uma solução multiplataforma. Com isso você tem o mesmo app, rodando em varios dispositivos, com menos trabalho, e consequentemente menos custos. Mas se precisa de desempenho, tem que levar tudo isso em conta…

    • Jose X.

      cara, tirando Android o maior mercado do Java é o backend web…por exemplo, a Netflix é Java…

      ps. nem uso Java

      • Molinex

        Um monte de site de banco também. Tem muita coisa feita em java pra web…
        Tem muita coisa feita em python (django) pra web, como o youtube…
        Muita coisa feita em C# (.NET) como o próprio stackoverflow (dá onde veio esse ranking)…
        Coisas feitas em ruby (rails), como era o twitter …

        Mais se você coloca na balança Facebook (que é um micro universo dentro de um universo), wikipédia (ou todo e qualquer wiki que use o mediaWiki, como plataforma), mais todos os blogs feitos em wordpress, todos os e-commerces feitos com magento, joomla, drupal, etc…
        A balança pende para esse lado…

        • Jose X.

          índice TIOBE de outubro 2017: Java é número 1, bem à frente das demais linguagens…

          https://www.tiobe.com/tiobe-index/

          • Molinex

            Estatística é legal, dá pra debater, e tal. Mas eu não consigo levar a sério…
            De qualquer forma, o Java é a linguagem mais popular, e eu sei disso, não porque em alguma estatística diz, mas por causa da play store, com milhões de apps, a maior parte feito em Java…

  • Jose X.

    Perl é uma linguagem incrivelmente produtiva…prefiro muito mais Perl a Python (embora não use diariamente nenhuma das duas)…além disso, gosto de Lua, uma linguagem desenvolvida por brasileiros que é simples mas avançada

    • Daniel Teixeira

      Eu parei de ficar brigando por causa de linguagem. Na maioria das vezes a questão não é a linguagem, mas os frameworks em volta dela.

  • Na faculdade eu fiz um trabalho em Perl e até hoje eu tenho pesadelo com aquilo.

    Já Phyton, que nem cheguei a ver na faculdade, acabou sendo amor à primeira vista.

  • Programador Front-End

    E o que falar desse Internet Explorer que tanto amamos?

    • Lisa

      Torcer por uma morte rápida?

      • Paul

        Mas já está morto(e escondido no W10 por motivos de compatibilidade).

      • Ele só vai morrer lá por 2023 ou 2025.
        Tá longe, ainda.

  • Daniel Teixeira
  • Enquanto isso programadores raiz riem desses amadores
    http://secretgeek.net/image/real-programmers-code-in-binary.jpg

  • Vinícius Machado

    Sou programador Delphi, atualmente com delphi 5 haha, antiga, mas curto muito 🙂

    • Claudinei Rangel

      Também sou programador Delphi e atualmente no delphi 7. Programa em delphi desde a versão 3, comecei com Delphi em 1998 ou 1999, antes programava em Clipper e cobol (ja esqueci). Já tentei ir para as plataformas de desenvolvimento da microsoft, mas tem tanta coisa que precisa instalar na maquina que da nojo. No delphi pelo menos é o executável e o banco, tudo funciona.

      • Vinícius Machado

        Sim, nao precisa ser interpretado em máquina virtual, e isso faz dele muito rápido.Tirando o build que demora rs

        • Claudinei Rangel

          Exato.

    • Andrew Bueno Piolli

      Eu tbm sou programador Delphi, o mais velho que usei foi 6. Mas atualmente usamos o XE10 Seattle.

      Gosto dele pela objetividade, facilidade e mesmo assim muito poder nas mãos. A parte triste é que dificilmente surgem novas vagas.

  • Claudinei Rangel

    Eu programo com Delphi desde 1998 ou 1999, não troco por nenhuma plataforma de programação da microsoft. Odeio Java e é por isso que até hoje não parti para Web. Mas ainda há muitas empresas que querem sistemas locais rodando em banco de dados locais.

  • Moshe Mauricio Marques

    Em relação ao JavaScript citado acima temos a opção (maravilhosa) do TypeScript que “transpila” para o JavaScript. Abs

    • Não acho que trazer a burocracia da tipagem estática é um benefício para o JS. Sou mais o padrão ES6 atual. 🙂

      • Moshe Mauricio Marques

        Ok, não discuto.
        Ambos podemos ser felizes. Eu usando TypeScript e você JS direto 😉

  • Os softwares novos estão passando a ser feitos em ambientes web. Não gostar de PHP e Javascript pode ser um problema para alguns nichos. Mas é aquela coisa: quem tem foco em games nunca vai querer programar em PHP.

  • JN Marcos

    Eita, a Microsoft é a mais odiada pelos fãs do mundo aberto (provavelmente), mas mal sabem eles, que ela é a que mais investe nessa bagaça (no bom sentido), fazendo volumosos valores na Fundação Linux. Tendo também o sistema mais odiado.

    • Jose X.

      números ?

      • JN Marcos

        Que números tás falando?

        Se for da contribuição da empresa:
        1) Estando na categoria Platinum (a maior da Fundação Linux), é a empresa que mais investe (a Google, tomada por muitos “cools” como oposição da Microsoft, pelo visto não considera necessário isso).
        2) Uma das empresas que MAIS CONTRIBUI com código aberto (Node.js, OpenDaylight, R Consortium)
        3) Abre cada vez mais seu código (Xamarin, .NET Core 1.0) e libera cada vez mais produtos/serviços para Linux.
        4) Possui parcerias com muitas empresas open source (Ubuntu: “tá no Windows”, RedHat, SUSE). Mas como não libera o do Windows… mimimi

        Se for do “ódio”:
        https://uploads.disquscdn.com/images/c71f713709e95e2f11eebf6558fdce9834b49ab1cb37d27f32e3822d0010b98a.png

        Referências:
        https://www.linuxfoundation.org/membership/
        https://www.linuxdescomplicado.com.br/2016/11/microsoft-entra-de-vez-no-mundo-open-source-tornado-se-membro-platinum-da-linux-foundation.html

        • Jose X.

          ainda não faz nem 1 ano qua a MS contribui para a Linux Foundation,,,e quantos commits a MS tem no kernel ? ah sim, pro Linux rodar bem na Azure, ou talvez como guest do Hyper-V…WSL ? pra devops, pra evitar instalação de desktops Linux ou Mac…

          a MS só começou a ser menos exclusivista porque senão ia morrer na nuvem…

          • JN Marcos

            Parece-me desculpas e mais desculpas.
            Não faz um ano, mas parece uma das parcerias mais promissoras. Se esqueceu que disse ela possui parceria com várias empresas do mundo aberto?

            “ah sim, pro Linux rodar bem na Azure”. Nossa, muito ruim isso, prendam a Microsoft! Ela quer que “algo” rode BEM. kkk

            Não sabia que os projetos da fundação só se residiam em torno desse kernel (e não é, como se mostra o apoio da fundação Linux em outros projetos). Conta os commits dela nesses projetos. Só um spoiler da matéria que te enviei:
            “A empresa é atualmente um dos principais contribuidores de código aberto no GitHub e no início deste ano anunciou vários marcos que indicam o escopo de seu compromisso com o desenvolvimento de código aberto.

            “pra devops, pra evitar instalação de desktops Linux ou Mac”. Visão totalmente errada. Avisa para as empresas como a Canonical, pois pelo visto, viram com bons olhos isso. kkkk

            Apresentei baseado em notícias. Não adianta “haterar” ela não.

            “a MS só começou a ser menos exclusivista porque senão ia morrer na nuvem…”
            Humhum, sei. Avisa a Google disso tb, se fecha muito, impedindo até solução como Amazon Echo acessar o Youtube (caso não sabe, procure). Cara, se a Microsoft morrer, todo mundo morre. Vai dizer que acredita que ela tá próxima de ir dessa para um mundo melhor!? kkkkkk

          • Jose X.

            a contribuição da MS para o software livre é resultado de um decisão de negócios do Satya Nadella, que tá lá há quanto tempo ? uns 3 anos, simplesmente não houve tempo hábil para a MS se tornar um dos “maiores contribuintes para o software livre” …antes disso a MS sempre foi inimiga do software livre, todo mundo sabe disso…e a razão dessa decisáo do Nadella também é óbvia, a MS estava estava ficando para trás na nuvem… se a MS deixar de existir hoje o impacto para o software livre será zero.

          • JN Marcos

            Tás falando baseado em quê? Achismo!? kkk
            Nadella apenas aproximou a Microsoft ainda mais do código aberto. Mas ela já adotava essa postura, apenas tornou mais forte, mais incisiva.

            Que tal uma matéria de 2012 = antes de Satya Nadella?
            https://www.tecmundo.com.br/microsoft/24730-a-microsoft-e-mais-open-source-do-que-voce-imagina.htm

            Não adianta chorar, ela é uma das maiores contribuidoras mesmo, o resto é tentativa FRACASSADA de dizer o contrário. Já em 2012, estava no top 20, agora… não duvido nada que esteja no mínimo no top 10.
            https://jorgesalvador.wordpress.com/2012/04/07/linux-microsoft-no-top-20-dos-contribuidores-para-kernel/

            Mas é isso, sempre que a Microsoft apoia é um mimimi do caramba, “ela não faz isso pq é boazinha”, “é para pegar usuários”, e tu acha que os outros querem o quê? kkkk As outras empresas não são questionadas. MIMIMI (em maiúsculo mesmo)

            ” se a MS deixar de existir hoje o impacto para o software livre será zero.” Pelo o que apresentei, não é o que parece. Não só no software livre, como impacta em tudo no mundo. Microsoft foi importante, é importante e por muito tempo será (senão for eternamente). O resto é choro de revoltados online.

          • Jose X.

            tá certo mano, pelo jeito você bebeu do kool aid da MS 🙂

            uma opinião bastante parecida com a minha

            http://www.zdnet.com/article/why-microsoft-loves-linux/

            ps. o legal é o artigo lembrar que a MS já chamou o Linux de comunista, câncer, ter financiado o processo da SCO 🙂

          • JN Marcos

            Nenhuma novidades essa informação, de que BALLMER chamou Linux de câncer e ter comparado ao comunismo (é ruim? Só uma dúvida mesmo).

            Ele fez o mesmo com a Google, IBM ou qualquer outra empresa? Ou só fez para a Microsoft?
            É o que eu falo, só questionam a Microsoft. Acham que as EMPRESAS não querem nada, ajudam por serem “boazinhas”, somente a Microsoft é do mal, tem de ser questionada. Piada das grandes. Se o RedHat lucra com o open source, por que outros não podem? Por que a Microsoft não pode?

            Qual motivo esse grande expert acha que a Google investe no open source? kkkkkk
            Fiquei com dúvida (sério mesmo! ou não). Digo e repito: MIMIMI. Só confirmou o que disse desde o início.

            FATOS (contra fatos não há argumentos. Diferente de opinião de analistas tendeciosos):
            1) O investimento da Microsoft no open source foi antes da entrada de Satya Nadella (diferente do que você afirmou)
            2) Microsoft é um dos maiores contribuintes do código aberto, tanto em dinheiro investido, quanto na abertura de SEUS projetos como também em projetos de terceiros.
            3) Ela é importante para a tecnologia, seja aberta, fechada, côncava, convexa, copo cheio, copo vazio…

  • Simples. Java. Se tratando de design de linguagens Java é feião e ainda por cima a linguagem sequer é produtiva. Comparando todas a linguagens que rodam em cima da própria JVM qualquer uma tem é melhor que Java. Scala é um exemplo notório disso.

  • Na verdade não é assim que funciona o mercado. Cada linguagem/tecnologia tem seus prós e contras, hoje em dia ninguém mais programa para uma unica linguagem. Quando você projeta um sistema, você usa determinadas linguagens para determinadas objetivos. Por exemplo, ninguém criaria um aplicação back-end com delphi, mas poderia criar um front-end desktop com ele. então assim vai acontecendo os projetos ao redor do mundo, você usa linguagens em pontos específicos e combina elas.

    Só para ter uma ideia, no meu atual projeto usamos, Java como serviço rest combinado python, ruby e disparando alguns processos bash script, jobs e rodando rotinas BI, na nuvem.
    Esse mesmo serviço back end é consumido por aplicações front-end. desenvolvidas para desktop, mobile e web.
    Para web, usamos javascript com uma serie de frameworks, e também tem alguma coisa em php e node.js.
    Para mobile apple, usamos Swift com objective-c.
    Para mobile android, usamos sdk java do android, mas anteriormente usávamos um cordava para somente encapsular a comunicação com uma pagina web.
    Para desktop usamos electron com nodejs + uma serie de frameworks e ferramentas para integrar com PDV.

    Então como muitos desenvolvedores, devem concordar comigo, hoje em dia ninguém mais programa para uma unica linguagem, um bom desenvolvedor programa para varias linguagens.

    Claro que no inicio da carreira um dev, precisa começar por uma, é o vulgo chamada ‘linguagem de berço’, a qual você vai usar para aprender um paradigma, e assim apreender outras linguagens é quase natural após a primeira. Hoje em dia as linguagens mais escolhidas são as orientadas a objeto.

    Você ate pode ser um fanboy de uma determinada linguagem, porem o que vai acontecer é você somente usar ela em projetos pessoais, no mercado de trabalho a coisa muda.

    Eu particularmente acho C, C++ e Java obras primas da humanidade.