Dentro de dois anos, as operadoras devem ganhar uma nova frequência para serviço de celular no Brasil: 2.300 MHz. No início de novembro, a Anatel publicou uma resolução que determina a limpeza de 100 MHz de espectro na faixa que anteriormente era utilizada por emissoras de TV para transmissão de reportagens externas.

Pela decisão, a faixa entre 2.300 e 2.400 MHz poderá ser utilizada pelo Serviço Móvel Pessoal (SMP) em caráter primário, ou seja, com prioridade sobre qualquer outro serviço de telecomunicações. Ela se junta às outras frequências que já temos no país, como 700, 1.800 e 2.500 MHz (4G) e 800, 900, 1.900 e 2.100 MHz (2G e 3G).

No total, o Brasil já destina 997 MHz de espectro para o serviço de celular. Ainda não é suficiente para o 5G, cuja recomendação da UIT (União Internacional de Telecomunicações) é reservar pelo menos 1.960 MHz, mas a Anatel afirma ao TeleSíntese que outras frequências estão em estudo para a próxima geração de redes móveis, como a de 3.500 MHz.

E quais aparelhos suportarão a nova frequência? A banda de LTE que mais se encaixa nos 2.300 MHz é a banda 40, que é utilizada por algumas operadoras da Austrália, China, Índia, Indonésia, Lituânia e Sri Lanka. A agência diz que mais de 2,7 mil modelos de celular já suportam a faixa.

O Tecnoblog apurou que, nos iPhones, todos os modelos vendidos no Brasil suportam a banda 40 desde o iPhone SE. Entre os aparelhos lançados em 2017 na Samsung, encontramos suporte em todos os Galaxy J Pro, A, S e Note. Na Motorola, a mais confusa de todas, Moto Z, Z Play e Z2 Force eram listados no site da empresa como compatíveis, mas G5S, X4 ou até mesmo Z2 Play não.

Colaborou: Lucas Braga.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Jwcom Marca
Quando sera que começarao a usar esse spectro ???
Lucas Fuzzer Sodre
As emissoras de TV, que usavam esse pedaço de espectro para os as transmissões fora dos estúdios ( como a comunicação para a transmissão de programas e reportagens externas) terão que se deslocar para outras frequências, mas ganharam também mais banda. A Anatel destinou a faixa de de 2025?2110 MHz e 2200?2300 MHz – ou 185 MHz – para os serviços externos de TV. Ou seja, perderam 100 MHz na frequência de 2,3 GHz, mas ganharam 180 MHz em duas outras faixas. Em municípios abaixo de 500.000 (quinhentos mil) habitantes as faixas de 2025?2110 MHz e 2200?2300 MHz permanecerão utilizáveis por sistemas digitais de radiocomunicação do serviço fixo, em aplicações ponto a ponto. Fonte: TELESÍNTESE.
Diogo Nusa
A tendencia é usarem tecnologias tipo Live U.
Wellington Gabriel de Borba
O 450 MHz era a chance de existir 4G rural. Mas dizem que a ausência de empresas dispostas a fabricar o conjunto tem atrapalhado.
Fábio Moser
Nossa!
Fábio Moser
Verdade, faz todo sentido, não tinha pensado nisso....
Junior
Se tem suporte pela China, está tudo certo. Vamos continuar podendo importar sem muita preocupação.
@Sckillfer

Em que isso muda o problema?

Sckillfer
Em que isso muda o problema?
@Sckillfer

Algumas não são todas, só tem 3 e já tem problema de compatibilidade, com quatro então... De nada adianta o aparelho ser compatível com X e Y se a operadora só tem cobertura Z na região (como vai ser o caso em muitos lugares com a banda 28)

Sckillfer
Algumas não são todas, só tem 3 e já tem problema de compatibilidade, com quatro então... De nada adianta o aparelho ser compatível com X e Y se a operadora só tem cobertura Z na região (como vai ser o caso em muitos lugares com a banda 28)
Luciano#SDV#TIMBETA
faltou explicar como que ficaram as externas das emissoras... rsrsr
Yago G. Oliveira
Eles estão no controle da empresa. Porém, prometeram comprar 60% é ate agora só firmaram os 30%.
Yago G. Oliveira
Foram eles sim. Já estão na administração.
Luiz Claudio Eudes Corrêa
450 MHz tirando Rússia e uns países nórdicos, ninguém utiliza realmente essa freqüência pra LTE. Creio que na Colômbia ou Venezuela utilizem essa frequência para oferecer telefonia fixa rural via CDMA.
Exibir mais comentários