Anunciado no início do mês, o Razer Phone é um baita smartphone: tela de 5,7 polegadas com frequência de 120 Hz, processador Snapdragon 835, 8 GB de RAM e bateria de 4.000 mAh fazem parte do conjunto. Mas muita gente tem reclamado da falta de entrada para fones de ouvido. Diante de tantas queixas, o CEO da companhia resolveu dar explicações.

Razer Phone

Os últimos iPhones e o Pixel 2 XL estão entre os aparelhos que só aceitam fones de ouvido Bluetooth ou com adaptador. Apesar de ser uma (indesejável) tendência, a ausência da entrada de fones no Razer Phone gerou queixas não só porque todo mundo espera que smartphones com pegada gamer sejam completos, digamos assim, mas também pelo fato de o aparelho ter como base o Nextbit Robin, que conta com o componente.

Voltemos um pouquinho no tempo para entender: o Robin é um smartphone anunciado pela Nextbit há mais de dois anos em uma campanha de crowdfunding. No início do ano, a Razer comprou a Nextbit e aproveitou o projeto do Robin para lançar um smartphone gamer com hardware mais potente e atual. Só que, nesse processo, a conexão de 3,5 mm foi deixada de lado.

Nextbit Robin

Nextbit Robin

Via Facebook, Min-Liang Tan, CEO da Razer, dá a entender que a exclusão do recurso não foi motivada por nenhuma tendência, mas por razões técnicas. A principal vantagem apontada por ele está no aumento da capacidade da bateria: houve um ganho de 500 mAh. Além disso, a Razer também teria conseguido melhorar a dissipação de calor do dispositivo. Como? Isso não foi explicado.

Mas, como que para compensar a decisão, Tan destaca que fez questão de incluir junto às unidades do Razer Phone adaptadores DAC de 24 bits certificados pela THX que, como tal, entregam mais qualidade de áudio.

Apesar das explicações, os comentários no post de Tan são cheios de questionamentos e provocações. Um deles, o mais curtido, diz que a empresa poderia simplesmente ter aumentado o tamanho do dispositivo para comportar as novas características. O executivo respondeu rapidamente: “e então teríamos muitas pessoas reclamando de quão grande é o aparelho”.

O Razer Phone está à venda nos Estados Unidos e países da Europa por US$ 700.

Com informações: SlashGear

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Thiago Lopes
O primeiro headset bluetooh foi apresentado e entregue à mídia no final de 1998. Mas fui ver aqui, ele só começou a ser vendido (oficialmente) no início de 2000, por causa de um problema no protocolo.
Keaton
Fones bluetooth já existiam em 98?
Caio César
Eu quero muito esse smartphone.
Jambeiro
Desculpe a ignorância, qual seria a tradução nesse contexto?
Mario Junior ?????????
Leia de novo que você entenderá o que eu quis dizer.
Eric Viana
Explicação real: compramos a nextbit, as formas de injeção plástica, o projeto interno de hardware e não queriamos gastar mais alterando coisas, queríamos lançar logo.Tiramos o jack porque o telefone consome loucamente e precisamos desses 500MaH a mais para entregar um autonomia aceitável. Estamos colocando um dongle, aceitem o #donglelife ou vão comprar celular xing-ling. Obviamente ele não cometeria sincericidio...
Mickão

Eu achei um baita smartphone massa. Ok, é um saco não ter a entrada P2, mas mesmo assim continuo achando um aparelho foda, inclusive o design (que sempre é subjetivo). O fato de vir com um bom adaptador já ajuda um pouco, pelo menos.

Mickey Sigrist
Eu achei um baita smartphone massa. Ok, é um saco não ter a entrada P2, mas mesmo assim continuo achando um aparelho foda, inclusive o design (que sempre é subjetivo). O fato de vir com um bom adaptador já ajuda um pouco, pelo menos.
Thiago Lopes
O fone bluetooth? Não durava 1 hora.
Samael Vinícius
Pior desculpa de todas
Keaton
Os Motorola de 1998 precisavam ser recarregados uma ou duas vezes por mes. haha
 david

Então, tudo que Apple faz o mercado segue

? david
Então, tudo que Apple faz o mercado segue
Yago G. Oliveira
A questão é imposição sobre uma situação que não tem nenhum fator de defasagem ou coisa do tipo. Fora qualidade sonora de um cabo que é bem melhor.
Yago G. Oliveira
Nem foi a Apple.
Exibir mais comentários