A última prévia do Android 8.1 Oreo antes do lançamento oficial está disponível para proprietários de smartphones Pixel e Nexus. A nova versão promete otimizações para smartphones com pouca memória, refinamentos na interface e correções de falhas de segurança, além de recursos escondidos.

A nova versão é mais interessante para quem comprou um Pixel 2: ela libera o Pixel Visual Core, o primeiro chip móvel desenvolvido pelo Google. Quando ativado, o coprocessador de imagem permite que aplicativos de terceiros utilizem o HDR+ da câmera, melhorando a qualidade das fotos.

Como de costume, o Google afirma que houve otimizações. Os smartphones com pouca RAM (1 GB ou menos) poderão receber versões de aplicativos mais simples, como os que fazem parte do Android Go. Já quem possui um hardware potente se beneficiará com um recurso que compartilha informações entre aplicativos na RAM, melhorando o tempo de resposta.

Há também alguns refinamentos pouco destacados: os aplicativos podem adaptar suas interfaces com base na cor predominante do papel de parede; a tela de configurações de bateria passa a mostrar o motivo de alguns aplicativos consumirem tanta energia; e será possível fazer operações de redes neurais com aceleração por hardware, por meio do TensorFlow Lite.

O Android 8.1 Oreo final será lançado em dezembro para Pixel 2, Pixel 2 XL, Pixel, Pixel XL, Pixel C, Nexus 5X e Nexus 6P; o download do Developer Preview 2 pode ser feito no Android Beta Program. Se você não tem um Pixel ou Nexus, resta esperar: a versão atual, a 8.0, está presente em apenas 0,3% dos dispositivos ao redor do mundo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Mateus B. Cassiano

Mas não de maneira oficial...

Cássio Amaral
"A nova versão promete otimizações para smartphones com pouca memória..." Desde o Lollipop que eu escuto essa conversa, todo anúncio de uma nova versão do Android, a Google faz a mesma promessa. E no fim das contas, só aparelhos com no mínimo 2GB de RAM conseguem rodar satisfatoriamente o sistema operacional.
Gnull
Eu não trabalho com tecnologia, mas pelo que percebo nada é fácil e rápido nesse ramo, por isso meu questionamento.
Rod
Lancem menos aparelhos, e deixem de lado as skins, que dá pra acompanhar.
Joaomanoel
Não é mais fácil as empresas de modernizarem e atualizarem os benditos sistemas? Não estamos mais em 2005 não. Internet deixa as coisas instantâneas.
Ed. Blake
A partir do segundo semestre de 2018 basicamente todo novo dispositivo sairá de fábrica com Oreo. Já é alguma coisa.
Mateus B. Cassiano
O Project Treble é obrigatório em qualquer smartphone que saia com o Oreo de fábrica. Vai resolver, mas só vamos ver o resultado mesmo daqui alguns anos...
Mateus B. Cassiano
Vai acabar com isso nos celulares novos que saírem com o Oreo de fábrica, os que já estão no mercado (tirando uma meia dúzia de aparelhos, geralmente da própria Google) continuarão dependendo da boa vontade das fabricantes...
Tenente Figueiredo
Sem contar que o iPhone só funciona bem com duas atualizações. Por exemplo: o iPhone 8 foi lançado com Ios 11. Ele vai funcionar bem com 11 e 12. No 13 já vai tá lento. No 14 já virou peso de papel.
Hélder Júnior
Android bom e desatualizado, porque muitas vezes pode dar pra colocar uma custom rom atualizada, e mesmo se não der ele ainda vai rodar uns 90-95% dos aplicativos da Play Store, diferentemente do iOS, que os apps novos quando são lançados geralmente só funcionam na versão do sistema mais atualizada em relação ao seu lançamento. Ou seja: Um smartphone com Android 5-6 deve rodar muito mais apps do que um iPhone 5 por exemplo, que parou no iOS 10. Além de que quando é lançado um novo iOS muitos apps que já existiam e são atualizados passam a exigir a nova versão do iOS para que o usuário utilize suas versões mais novas, fazendo com que aqueles que tem dispositivos Apple incapazes de mudar de sistema fiquem utilizando versões desatualizadas dos apps. A intenção da Apple é boa, de querer que apenas softwares mais novos e atualizados sejam utilizados, mas ao mesmo tempo é excludente. Se você pegar um smartphone antigo com Android 4.4 ou menos ele consegue instalar a versão mais nova do WhatsApp, por exemplo, mas se você pegar o iPhone 4 que tem iOS 7 ele provavelmente vai ter uma versão tão desatualizada que nem chamada de áudio vai ter.
Vsoco
Por quê?
pedrowillyam
Resposta sincera: é.
Vsoco
Pergunta sincera: será que é realmente necessário uma versão totalmente nova por ano? Edição: ok, minha postagem original foi bem incompleta. O que quis dizer é: há tantas mudanças de interface em cada atualização que elas parecem ser o principal motivo para que haja novas versões. Estou muito longe de ser um especialista em tecnologia, mas se é possível trazer novas funções já às "atualizações decimais", o que (além do interesse mercadológico) impede de que haja pequenos ajustes estéticos através das mesmas? Porque o que me parece é que esse sistema de atualizações anuais têm menos utilidade para os usuários que para a Google, e olhe lá.
Wesley Goes
Acredito que esse tal de androidone tinha que virar regra só assim não haveria mais desculpas das fabricantes para entregar as atualizações o mais rápido possível.
Ed. Blake
As fabricantes não terão muita escolha na verdade. Daqui pra frente para garantir que o cógido do fabricante esteja devidamente separado do framework do sistema do jeito que o Project Treble requer, o Google implementou a VTS (Vendor test Suite) em que os dispositivos devem passar para serem certificados pelo Google ou não poderão vir com os Google Apps pré instalados (incluindo Play Store e Play Services). Um dos requisitos principais do PT é que o dispositivo seja habilitado a bootar uma versão genérica do AOSP. Todo o dispositivo daqui pra frente será capaz de bootar o AOSP sem qualquer modificação (isto facilita a vida dos fabricantes para atualizar o dispositivo assim como para os desenvolvedores de custom ROMs). O que significa que uma mesma build do genérica do AOSP poderá bootar em quase qualquer dispositivo novo. Isso também significa que os drivers e códigos proprietários dos fabricantes poderão rodar em qualquer kernel Linux 4.4 que tenha a camada de compatibilidade com o PT (o Kernel Linux 4.4 terá atualizações de segurança até 2021, o que nos dá alguns anos de vantagem). Desta forma os drivers de fabricantes, drivers de hardwares específicos (como módulos da Qualcoomm, por exemplo), módulos proprietários, atualizações de segurança e atualizações de versão podem ser atualizados até mesmo pela Play Store independentemente do modelo ou fabricante do telefone. Isso é a teoria. Ainda teremos de verificar como vai funcionar na prática. Ainda assim o pessoal do XDA conseguiu bootar uma ROM genérica do AOSP num Huawei Mate 9 sem alterar qualquer linha de código (o que não significa que não houve gambiarra envolvida hahaha). fontes: https://www.xda-developers.com/how-project-treble-revolutionizes-custom-roms-android-oreo/ https://www.xda-developers.com/stock-android-oreo-huawei-mate-9-project-treble/
Exibir mais comentários