Início » Mobile » iPhone X: o melhor custa caro

iPhone X: o melhor custa caro

A Apple finalmente conseguiu redefinir o iPhone que conhecíamos, mas cobra um preço bem alto por isso

Por
43 semanas atrás
9.6

Prós

  • Finalmente um novo design
  • Tela OLED com ótimo brilho, definição e cores
  • Câmera entrega excelentes resultados

Contras

  • O preço é pra lá de salgado
  • O iOS 11 ainda precisa amadurecer um pouco
  • Ausência do carregador rápido na caixa do aparelho

Para comemorar dez anos de iPhone, a Apple precisava de um lançamento condizente com o espírito de inovação da marca. Depois de quatro modelos com praticamente o mesmo design, o iPhone X chegou com uma tela que ocupa quase toda a frente do aparelho, reconhecimento facial como principal método de desbloqueio e acabamento em vidro.

Com preço elevado e especificações similares ao do iPhone 8 Plus, o iPhone X parece um smartphone completamente diferente. O que mudou? Acompanhe nos próximos parágrafos.

Em vídeo

Design

É a primeira vez desde 2014 que o iPhone não se parece tanto com a geração anterior. O formato continua sendo retangular com cantos arredondados. A tela não é curva, mas o vidro possui bordas suaves que se integram com as laterais do telefone, o que dá a sensação de continuidade na superfície. A traseira é de vidro, trazendo de volta a elegância que encontrávamos no iPhone 4 e 4s – até então era o meu design favorito de iPhone.

O aparelho tem borrachas de vedação praticamente imperceptíveis, tornando o dispositivo resistente à água (certificação IP67). E nada de conector de fone de ouvido, uma tendência lançada pela empresa no iPhone 7 e que infelizmente tem sido seguida por outras fabricantes.

Escolhi meu iPhone X na cor prata, que mais se parece branca. Diferente de várias gerações anteriores, o telefone com traseira branca possui frente preta, o que faz sentido considerando a tela de OLED. A traseira é limpa, sem selo da Anatel, número de série visível ou coisa do tipo. Todas essas informações estão disponíveis nos ajustes do aparelho — a menos que você compre um iPhone X na Europa, onde os selos continuam presentes.

Reclamo da ergonomia do iPhone desde o iPhone 5s, que piorou ainda mais no iPhone 6 e 6s. O iPhone 7 preto brilhante já trazia uma pegada melhor, mas o iPhone X acertou muito nesse ponto. A lateral tem acabamento em metal espelhado (similar ao do iPhone 7 preto brilhante), o que, somado ao peso de 174 gramas e a traseira em vidro, traz maior segurança ao segurar o smartphone.

Lado a lado com iPhone 7 Plus

iPhone 7 Plus (embaixo) e iPhone X

O que pode incomodar algumas pessoas é a protuberância na região da câmera. No iPhone X, as câmeras são ainda mais saltadas que nas gerações anteriores, embora isso não seja problema caso você utilize uma capa para proteger o dispositivo – provavelmente você vai querer usar uma em vez de desembolsar R$ 1.499 pela troca da tela ou R$ 2.999 pelo reparo do aparelho. Ouch.

Tela

É certo dizer que a principal novidade do iPhone X é tela, e nada melhor do que um painel de OLED que preencha quase toda a frente do aparelho para comemorar o aniversário de dez anos. É importante frisar o quase: a borda lateral poderia ter sido um pouco menor, e a tela tem um entalhe que abriga câmeras e sensores do Face ID no topo do aparelho, criando duas pequenas orelhas nas laterais superiores. Talvez essa tenha sido a principal crítica do produto, mas é algo que você deixa de reparar depois de algumas horas de uso.

A mágica de não ter botões, junto com as bordas reduzidas, permite que o display tenha 5,8 polegadas (2436×1125 pixels), maior que a dos iPhones Plus, mas num corpo similar ao do iPhone de 4,7 polegadas. O iPhone X é menos largo que um iPhone Plus, e quem veio de um desses smartphones pode sentir falta de alguns recursos ao usar o telefone em paisagem, principalmente no Safari — não é possível visualizar as abas como em um navegador desktop.

É a primeira vez que a Apple inclui um painel de OLED em seu smartphone, e a empresa aproveitou sua experiência com displays da mesma tecnologia no Apple Watch e na Touch Bar do MacBook Pro para entregar a melhor tela de smartphone que já usei até hoje. A tal da Super Retina Display é nítida, tem ótima definição e níveis excelentes de ângulo de visão, brilho e saturação.

As cores são mais precisas que nos smartphones da concorrência – a diferença é significativa comparando o iPhone X lado a lado com um Galaxy S7, que também tem uma excelente tela. Isso se dá porque o painel do iPhone X tem um sistema de gerenciamento de cores que identifica se o conteúdo está no modo RGB ou DCI-P3 e o exibe automaticamente nesse formato.

Um diferencial da Apple frente à concorrência é que as telas presentes desde o iPhone 6s possuem um sensor de pressão, o 3D Touch. Diversos aplicativos e recursos do sistema fazem uso da tecnologia, que traz novas funções ou mesmo ajustes refinados dependendo do nível de força.

Para mim, a principal vantagem é ao utilizar o teclado: ao pressionar com mais força, as letras somem e surge uma espécie de “mouse” para navegar durante a escrita. Pressione mais forte e selecione uma palavra, sendo possível arrastar e selecionar mais palavras, frases ou até mesmo o parágrafo. É pouco intuitivo (muita gente sequer conhece a função que está presente no próprio smartphone), mas sinto falta disso toda vez que uso um celular com Android.

O que senti falta foi de um recurso de always on display, no qual a tela fica ligada exibindo relógio, notificações e outras informações. É algo que já está presente na maioria dos smartphones da Samsung e Motorola, e que poderia ser explorada agora que há uma tela OLED. Quem sabe em alguma atualização futura?

Software

O iOS 11 já está presente nos iPhones desde setembro e é muito parecido com as versões anteriores, mas no iPhone X existem algumas mudanças devido à ausência do botão Home. Tudo é comandado por gestos na tela principal. É confuso, mas só nas primeiras horas de uso.

É possível ligar a tela dando apenas um toque, dispensando o uso do botão Power. O Face ID imediatamente fará o reconhecimento biométrico e o usuário pode desbloquear o telefone puxando da borda inferior para cima. O que é um pouco confuso no início é que, para desbloquear, é necessário puxar da borda mesmo, e com isso ocorre um conflito mental — já que as notificações podem ser abertas puxando a tela do meio para cima na mesma tela.

Como desbloquear o smartphone exige puxar a borda inferior para cima, dê adeus ao gesto antigo ao abrir a Central de Controle. É necessário puxar a orelhinha direita de cima para baixo. Não gostei muito dessa disposição e demorei para me acostumar; o gesto antigo podia ser feito facilmente com uma mão.

O botão Power da lateral direita também mudou. Agora abriga também a Siri, bastando apertar e segurar por um tempo para que a assistente comece a conversar. Sendo assim, não é possível desligar o telefone dessa forma (!). É necessário apertar e segurar o botão Power juntamente com um dos botões de volume. Ao abrir a tela, o Face ID é desativado temporariamente até que você digite sua senha.

Uma coisa bem chata é que a tela com o entalhe superior quase extinguiu a barra de status. Agora só é exibido relógio, sinal de operadora, Wi-Fi e o ícone da bateria. Não é possível ver de prontidão a porcentagem de bateria e nem verificar se o Bluetooth, Não Perturbe, rotação de tela ou despertador estão ativos. Ao mesmo tempo que prefiro a tela mais limpa, já perdi notificações importantes por esquecer o Não Perturbe ligado.

Mesmo sendo meu sistema operacional móvel favorito, a versão 11 do iOS é decepcionante. Não pela falta de recursos ou usabilidade, mas porque a Apple está fazendo um péssimo trabalho no quesito estabilidade e correção de bugs. Vários já foram corrigidos por atualizações, como os do corretor do teclado (foram dois), calculadora e até mesmo aquele que reiniciava subitamente ao receber notificações locais. Alguns travamentos e reinícios ainda acontecem. São problemas facilmente corrigíveis em atualizações, e espero que elas cheguem logo.

E não podemos esquecer que o iPhone X tem Animojis. Ele utiliza recursos do Face ID para… animar emojis. Funciona muito bem, a tecnologia por trás disso é incrível, mas você usa no primeiro dia e depois esquece que existe.

Hardware

Por dentro, o iPhone X não é muito diferente do iPhone 8: o chip é o mesmo A11 Bionic hexa-core. São dois núcleos de alto desempenho e outros quatro de economia de energia, o que permite economizar bateria em tarefas mais leves.

Na prática, dificilmente você terá travamentos ou problemas de performance por conta dos processadores. Ao mesmo tempo, não é muito possível encontrar um notável ganho de performance quando comparado com um iPhone 7 Plus, porque o chip A10 continua sendo excelente e aguenta qualquer jogo para iOS.

Para quem se importa com benchmarks sintéticos, o Geekbench 4 no iPhone X reporta 4.233 pontos em single-core e 10.413 em multi-core. O Galaxy S8 vendido no Brasil apresenta 2.022 pontos em single-core e 6.731 pontos em multi-core.

Bateria

Falando de bateria, o iPhone X não decepciona, mas não se destaca. Quem tem um iPhone Plus não vai sentir muita diferença, mas quem tinha o modelo menor pode se surpreender. Analisei a bateria em um sábado, dia que normalmente faço mais uso de um smartphone.

Tirei o aparelho da tomada por volta de 10h da manhã, assisti 30 minutos no YouTube via Wi-Fi, ouvi cerca de uma hora de streaming de música no 4G, fiz 20 minutos de ligações e naveguei na internet por cerca de 2h. Foram mais de 7h de tela ligada. Às 23h, o smartphone marcava 17% de bateria.

No meu dia a dia típico, tiro o smartphone da tomada às 7h30 e uso ligações, redes sociais e músicas moderadamente. Vou dormir com cerca de 30% da bateria de 2.716 mAh.

Para a maioria das pessoas, a bateria do iPhone X será mais do que suficiente, mas se você passa 3h do seu dia assistindo stories no Instagram e usa bastante GPS, certifique-se de levar o carregador ao sair de casa.

E quanto ao carregador, o iPhone X suporta recarga rápida de bateria. A Apple recomenda o carregador de 29 watts que acompanha alguns MacBooks, possibilitando 50% de carga em meia hora. O carregador que vem com o aparelho é o tradicional de 5 watts que está em todas as caixas desde o iPhone de primeira geração, que leva mais de três horas para dar uma carga de zero a 100% no iPhone X.

A solução é comprar um carregador melhor, mas isso envolve dinheiro. O carregador de 29 watts que a Apple tanto recomenda custa R$ 329. Você também precisa desembolsar mais R$ 149 por um novo cabo Lightning, uma vez que o carregador de 29 watts usa o padrão USB-C, e o cabo que vem na caixa é USB-A. É triste que um celular de R$ 7 mil sequer inclua isso no kit.

Câmera

A câmera é um dos maiores diferenciais do iPhone X. A Apple evoluiu a câmera dupla do iPhone 7 Plus, trazendo-a para um smartphone menor. A resolução é de 12 megapixels, sendo que a câmera principal (grande angular) tem abertura f/1,8 e a secundária (teleobjetiva) conta com f/2,4. Diferente do iPhone 8 Plus e do iPhone 7 Plus, há estabilização ótica nas duas câmeras, o que ajuda bastante na hora de filmar ou fazer fotos noturnas.

Entre as câmeras está um flash com quatro LEDs que ajuda muito ao tirar fotos em ambientes escuros. O desempenho do flash melhorou consideravelmente quando comparado com os iPhones de gerações anteriores. O software da câmera é bem simples e traz modo de câmera lenta, vídeo, foto, retrato (agora também na câmera frontal), quadrado e panorama. Também está presente o recurso Live Photo, que grava um pequeno vídeo com momentos antes e depois do clique.

Em boas condições de iluminação, o iPhone X tira excelentes fotos, com um alcance dinâmico que nunca vi em outro smartphone, além de cores bem equilibradas, com ótimo contraste e saturação. Todas as fotos foram feitas no modo automático e não passaram por nenhum processo de edição:

Em ambientes internos com baixa iluminação é possível ter bons resultados, com pouco ruído, mas as luzes artificiais estouram pouco. O flash é bem forte e ajuda em ambientes com quase nenhuma luz.

Foto com flash em ambiente com nenhuma luz (100% escuro)

O modo retrato está bem mais rápido e preciso que no iPhone 7 Plus. Por se tratar de um efeito que combina as duas câmeras e desfoca via software, o resultado não fica sempre perfeito, mas entrega boas fotos na maioria das vezes.

Quem lembra do Harry?

A novidade é que existem cinco modos de luz: Luz Natural, Luz de Estúdio, Luz de Contorno, Luz de Palco e Luz de Palco Mono. É possível editar o modo de iluminação depois que a foto foi feita. Tirando o modo de Luz Natural, todos os outros são considerados como Beta. Luz de Estúdio e Luz de Contorno costumam funcionar muito bem, mas raramente são bons os resultados com os modos de Luz de Palco. Veja:

Modo de Estúdio, Contorno, Palco e Palco Mono

A câmera frontal também recebeu boas melhorias. A resolução continua com 7 megapixels e agora traz o modo retrato, graças aos sensores utilizados pelo Face ID. O problema é que na câmera frontal o modo retrato falha mais do que na traseira. No entanto, selfies sem o modo retrato ficam ótimas.

Selfie comum

Selfie com modo retrato

Modo de Estúdio, Contorno, Palco e Palco Mono

O tal do Face ID

Meu maior medo do iPhone X era justamente o desbloqueio biométrico. O Touch ID presente desde o iPhone 5s era excelente e funcionava muito bem. Ao mesmo tempo, tecnologias de reconhecimento facial disponíveis em gadgets de outras fabricantes eram ruins, inseguras e lentas. Muita gente esperava que a Apple incluísse o Touch ID embaixo da tela, algo que não aconteceu. Com o lançamento tardio do iPhone X, ninguém sabia ao certo se as promessas do desbloqueio facial da Apple seriam cumpridas.

Depois de quase um mês usando o iPhone X diariamente, posso dizer que sim, a tecnologia funciona. Ela é composta por câmera infravermelho, emissor de luz e um projetor de 30 mil pontos, mas nada disso importa muito: o Face ID é muito transparente para o usuário.

Para colocar o Face ID à prova, testei-o no escuro, com óculos de sol, boné, gorro de inverno, com cabelo bagunçado e cara de sono. Bastou ligar a tela e rapidamente o cadeado era destravado. Quem mora em lugares frios não vai precisar se preocupar em retirar as luvas para desbloquear o smartphone, já que o reconhecimento biométrico acontecerá sem esforço algum. Só quem tem um irmão gêmeo bisbilhoteiro pode não gostar muito da novidade.

O Face ID faz uso de machine learning. Isso significa que você pode deixar sua barba crescer, colocar maquiagem ou raspar o cabelo que o celular vai “aprendendo” seu rosto com o tempo. No meu segundo dia de uso, o Face ID falhou logo de manhã. Fiquei irritado que o reconhecimento não funcionou logo ao acordar, e tive que digitar a senha para desativar o despertador. Para minha surpresa, nos dias seguintes o desbloqueio funcionou normalmente.

Abrir um aplicativo com bloqueio biométrico, como o 1Password, se torna algo muito mais rápido, já que nem exige posicionar o dedo no leitor. Todos os aplicativos que autenticam pelo Touch ID funcionam automaticamente com a nova tecnologia, sem que o desenvolvedor precise atualizar o código.

Uma das vantagens do Face ID é que as notificações ficam ocultas por padrão na tela de bloqueio. Assim que o celular reconhece o usuário, o conteúdo é automaticamente liberado. É útil para que bisbilhoteiros de plantão não fiquem fuçando nas suas conversas.

Conclusão

O iPhone X é, sem sombra de dúvidas, o melhor smartphone que a Apple já fez até hoje. O tamanho é ótimo, a tela é espetacular, a câmera faz excelentes fotos e vídeos, e a bateria dura o dia inteiro. O Face ID, que me deixou com muito receio ao ser anunciado, provou-se funcional e melhora muito a usabilidade de um smartphone. O problema é que tudo isso tem um preço, que no caso é de R$ 6.999 na versão de 64 GB ou R$ 7.799 na versão de 256 GB.

Já era difícil falar de custo-benefício em topos de linha, mas no caso do iPhone X é impossível falar positivamente dessa questão, principalmente se levarmos em conta que o iPhone 8 Plus tem especificações muito similares e custa bem menos. Mesmo comprando o aparelho no exterior, ele custa o preço de lançamento de um high-end no Brasil.

Se você vem de uma geração anterior do iPhone, não necessariamente vale a pena fazer o upgrade: caso tenha um iPhone 7 ou mesmo um 6s, dá para segurar mais um tempo.

Caso queira um celular novo e faça questão da plataforma da Apple, o desempenho do iPhone 8 é muito similar e entrega quase o mesmo que o iPhone X, custando a partir de R$ 3.999, embora sem a telona de OLED. E a concorrência é financeiramente atraente: o Galaxy S8 ou o Galaxy Note 8 também surpreendem e custam bem menos.

Como comprar com desconto?

testador-cupons-checando

Você pode utilizar a nova extensão do Tecnoblog para economizar alguns caraminguás na hora de trocar de aparelho. Ela tem um módulo Testador de Cupons que busca e aplica o maior desconto disponível na internet no seu carrinho de compras. É tudo automático, então qualquer um consegue utilizar, e é completamente grátis!

ta-caro

Outro recurso muito legal é histórico de preços. Quando você acessar a página de um smartphone, por ex, a gente já consegue te dizer se ele está com um preço legal. Esse recurso te ajuda a não cair em nenhuma "promoção", dessas que oferecem tudo pela "metade do dobro". Tenho certeza que vai ser muito útil em datas especiais, como na Black Friday.

Curtiu? Então clique aqui para instalar. ;)

Especificações técnicas

  • Bateria: 2.716 mAh;
  • Câmera: 12 megapixels (traseiras) e 7 megapixels (frontal);
  • Conectividade: 2G, 3G, 4G, Wi-Fi 802.11ac, GPS, Bluetooth 5.0, Lightning, NFC;
  • Dimensões: 143,6 x 70,9 x 7,7 mm;
  • Cores: cinza espacial ou prata;
  • Memória interna: 64 GB ou 256 GB;
  • Memória RAM: 3 GB;
  • Peso: 174 gramas;
  • Plataforma: iOS 11;
  • Processador: hexa-core Apple A11 Bionic;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, câmera infravermelho (Face ID), bússola, giroscópio e barômetro;
  • Tela: OLED de 5,7 polegadas com resolução de 2436×1125 pixels;

Notas Individuais

Design
10
Tela
10
Software
9
Câmera
10
Desempenho
10
Bateria
9
Conectividade
9