Dessa vez não é Go: a inteligência artificial do Google aprendeu sozinha a jogar xadrez e sua versão japonesa, batizada de shogi. Isso sem intervenção humana ou aprender com outras partidas, apenas com conhecimento básico das regras dos jogos de tabuleiro.

O AlphaGo Zero, evolução do AlphaGo já tinha alcançado essa proeza da mesma forma com Go, o joguinho chinês. O primeiro algoritmo, AlphaGo, precisou usar um conjunto de dados de mais de 100 mil partidas para aprender as melhores jogadas.

Dessa vez, a IA é chamada apenas de AlphaZero — é uma versão mais genérica ainda do AlphaGo Zero, porém alimentada com as regras de xadrez. Ela atingiu um nível super-humano de habilidade nos três jogos de tabuleiro em menos de 24 horas.

Vale notar que, entre Go, xadrez e shogi, o joguinho chinês continua sendo o mais complicado: ele tem 10171 posições possíveis, contra 1050 no xadrez. Ainda assim, o resultado mostra a capacidade de “aprendizado por reforço” do AlphaZero, no qual o algoritmo aprende sem ser ensinado como uma tarefa deve ser realizada.

Em apenas quatro horas, o AlphaZero foi capaz de derrotar o campeão mundial de xadrez, que é outro algoritmo batizado de Stockfish. Assim como no Go, a IA que criou suas próprias técnicas para vencer.

Foto por Jaro Larnos/Flickr

Quando o AlphaGo Zero foi colocado em prática, as estratégias montadas para o Go nunca foram vistas antes. Já que o algoritmo aprendeu consigo mesmo, ele superou “as limitações do conhecimento humano”, como disse David Silver, programador principal do AlphaGo Zero, em uma coletiva de imprensa.

Porém, como lembra o Engadget, o AlphaZero ainda não é um algoritmo que têm propósito geral, que é o grande desafio da IA atualmente. Não dá para colocá-lo para zerar StarCraft II, por exemplo, já que as habilidades super-humanas se restringem a tarefas específicas.

De qualquer forma, espera-se que a DeepMind, criadora desses algoritmos, continue aplicando os resultados em outros setores. No ano passado, o CEO da empresa, Demis Hassabis, disse que um dia o AlphaGo Zero conseguiria ser aplicado inclusive na criação novos medicamentos. Muita coisa boa vem por aí.

Com informações: The Verge.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Programador Front-End
Está se referindo ao CERN?
Ricardo - Vaz Lobo
Um conhecido tem um caso sob judice por causa disso. E, é claro, paciente veio a óbito. Burrice ou Homicídio culposo por causa de µg.
Alexandre Roberto

ai na hora de diluir e aplicar, cai na mao de um tecnico de enfermagem que não sabe o que é fração.
Vc nao tem ideia de como tenho encrenca, inclusive jurídica, com esses profissionais

Alexandre Marchetti
ai na hora de diluir e aplicar, cai na mao de um tecnico de enfermagem que não sabe o que é fração. Vc nao tem ideia de como tenho encrenca, inclusive jurídica, com esses profissionais
Heitor Magnani
Para vc saber jogar xadrez, você não tem que aprender as regras? Ou você move tudo na base do eu acho e vai por aí? Aceite o fato: inseriram as regras e a IA venceu aprendendo jogadas com ela mesma. Tem sim a parte que ela enxerga todas as jogadas e as pontua de acordo com a efetividade de cada e assim opta pela mais vantajosa. Mas pelo que me parece, é um modelo adaptativo também, capaz de revalorar os nós pré-calculados.
Marcelo Pietro
Então,ela foi programada com as regras do jogo e a partir daí,fez as jogadas com base nas jogadas do adversário.Com base nessas regras do jogo,o processador faz todos os cálculos de jogadas possíveis e faz o melhor movimento para chegar a vitória.Minha pergunta é: Ela aprendeu ou fez as jogadas com base nas regras programadas nela e nos movimentos do adversário? O fato do jogo ser de extrema dificuldade,não mostra inteligência.Apenas uma programação mais avançada.
Tales Cembraneli Dantas
Pronto agora é só passar as regras de programação para esse algorítimo e mandar ele fazer um algorítimo de inteligência artificial melhor que ele = Skynet
Thiago dos Santos Nunes
Cara, no caso estamos falando de o se designou chamar de "IA Fraca". Uma IA específica, para uma finalidade, como jogar xadrez, aprender medicina e operar um paciente, diagnosticar doenças, dirigir carros sozinha. A "IA Forte" é aquela que hoje engatinha, que é a substituição completa da capacidade intelectual humana para pensar, criar e refletir sobre si mesma e o que há ao redor.
Thiago dos Santos Nunes
Bem, mas não foi. Logo começou militar. É história, fatos... apenas fatos. E pensando bem, sei não, tem alguns documentários que mostram como era o ambiente de criação da Internet e de diversas outras tecs, sinceramente, nada se compara ao que eles tinham. Era coisa de outro mundo.
ʞǝʌǝɥs

se não fossem os militares seriam as grandes corporações que criariam a internet...a ideia de uma rede universal já tinha aparecido muitas vezes na ficção científica (embora não exatamente como a internet de hoje), era só questão de tempo que fosse criada...na verdade antes mesmo da internet ser massificada houve uma tentativa das empresas de telecom, o videotexto, que não vingou, embora tenha sido bastante usado na França

Jose X.
se não fossem os militares seriam as grandes corporações que criariam a internet...a ideia de uma rede universal já tinha aparecido muitas vezes na ficção científica (embora não exatamente como a internet de hoje), era só questão de tempo que fosse criada...na verdade antes mesmo da internet ser massificada houve uma tentativa das empresas de telecom, o videotexto, que não vingou, embora tenha sido bastante usado na França
ʞǝʌǝɥs

as IAs do TB são especiais, não precisam ser ensinadas

Jose X.
as IAs do TB são especiais, não precisam ser ensinadas
Robson
Depois de entregue às universidades pelos militares
Thiago Mobilon
Nesse caso ela aprendeu sozinha, mesmo. Nenhum humano ensinou truques ou movimentos à ela. Ela apenas foi programada com as regras e a partir daí treinou jogando consigo mesma.
Exibir mais comentários