Início » Negócios » A maior fabricante de chips de operadora tem um novo dono

A maior fabricante de chips de operadora tem um novo dono

Por
2 anos atrás

Algumas empresas são conhecidas pelos componentes que fabricam para smartphones. Temos as telas AMOLED da Samsung, os displays IPS da LG, os processadores da Qualcomm e Apple, entre outros. E quando aos chips da operadora?

A maior fabricante global de SIM cards é a holandesa Gemalto. Ela também é conhecida por seus chips de cartões bancários. A empresa agora tem um novo dono: foi adquirida por US$ 5,43 bilhões pelo grupo francês Thales.

Chip Gemalto

Esta é uma aquisição curiosa. A Thales é mais conhecida por atuar nos setores de defesa e aeroespacial. Inclusive, foi ela que montou o SGDC (Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas), satélite brasileiro que levará banda larga a áreas remotas.

No entanto, as duas empresas têm um ponto em comum: segurança digital. Como lembra o TechCrunch, a Gemalto é uma das principais fabricantes de SIM cards e chips NFC para celulares, mas também fornece chips EMV para cartões de débito e crédito, sistemas de token para autorizar transações de online banking, e até mesmo biometria para passaportes. Além disso, ela atua com segurança e criptografia em serviços de nuvem.

A Thales e a Gemalto têm, combinadas, mais de 28 mil engenheiros e 3 mil pesquisadores. Elas não esperam demitir ninguém por causa da aquisição — uma das maiores do ano entre empresas de tecnologia.

A Gemalto esteve brevemente nas manchetes em 2015, quando documentos vazados por Edward Snowden revelaram que a NSA e o GCHQ roubaram milhões de chaves de criptografia de SIM cards. Isso permitiria espionar usuários usando uma torre celular falsa.

A empresa minimizou o incidente na época, dizendo que poucas chaves foram interceptadas, e que isso afetaria apenas quem usa chips 2G; chips 3G e 4G são protegidos contra esse tipo de ataque. Ela tem como clientes mais de 450 operadoras ao redor do mundo, incluindo as quatro grandes do Brasil.

Com informações: TechCrunch.

Mais sobre: