A Magic Leap está preparando um headset de realidade aumentada que promete ser revolucionário. Empresas como Google e Alibaba investiram milhões nessa startup, que vem fazendo bastante mistério sobre seu produto desde pelo menos 2014.

Agora, ela está finalmente revelando alguns detalhes oficiais sobre seu headset, o Magic Leap One “Creator’s Edition”. Ele será lançado em 2018 para desenvolvedores.

Como explica o TechCrunch, ele consiste em três peças de hardware:

  • Lightwear: um headset com a tecnologia de exibição “Digital Lightfield” e múltiplos sensores integrados para obter informações do espaço ao redor;
  • Lightpack: um dispositivo circular para prender na cintura, com os processadores e a bateria, conectando-se ao headset via cabo;
  • Control: um controle de navegação tridimensional, para selecionar opções do menu e interagir com o mundo que a Magic Leap está criando.

O headset também vai detectar comandos de voz, gestos, movimentos de cabeça e rastreamento ocular. Quanto ao software, a Magic Leap diz que terá a documentação, ferramentas e recursos para desenvolvedores no Creator Portal, a ser lançado no início de 2018.

Para ter uma ideia de como isso funciona, dê uma olhada no vídeo abaixo, que foi “gravado diretamente através da tecnologia da Magic Leap em 8 de abril de 2016, sem o uso de efeitos especiais ou composição”:

O fundador da empresa, Rony Abovitz, diz à Rolling Stone que o dispositivo tem o poder computacional de um MacBook Pro ou um PC para jogos da Alienware, com chip gráfico dedicado. Há pelo menos seis câmeras externas, quatro microfones e também alto-falantes embutidos.

São poucos detalhes — ainda não sabemos o preço, por exemplo — mas é alguma coisa. A Magic Leap já recebeu US$ 1,9 bilhão em investimentos de empresas como Google, Qualcomm Ventures, Warner Bros. e até o Grupo Globo (!).

Com informações: Magic Leap, TechCrunch, Rolling Stone.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Vinícius G
Não é não. Pode até não ser o principal, até porque você não tá se vendo enquanto usa, mas dizer que é irrelevante é simplificar demais coisas que realmente fazem diferença na popularidade de um produto.
Carlin
Lembra muito a proposta da Microsoft, o HoloLens mais parece que esse ai entrega mais qualidade.
tuneman
já ouviu falar sobre a 'curva de adoção'? É o que vai acontecer com o VR e similares.... já eu... bem, recém tenho 30 e já me sinto velho demais pra essas coisas....
Guilherme Oliveira
O que é irrelevante.
Igor
Já vi isso antes... https://uploads.disquscdn.com/images/accadbf6ea5d563d5f82712decc38916efd27bb5da1fd37663cf9082e0cc690a.jpg
Baio-kun

Pra usar no dia a dia aparentemente é horrível, apenas comandos de voz e gestos. Acho que uma maneira boa de contornar isso seriam pequenas superfícies wireless que com o uso de gestos executam certas tarefas. Como se fosse um touchpad de notebook pra colocar no bolso.

Muriel
Pra usar no dia a dia aparentemente é horrível, apenas comandos de voz e gestos. Acho que uma maneira boa de contornar isso seriam pequenas superfícies wireless que com o uso de gestos executam certas tarefas. Como se fosse um touchpad de notebook pra colocar no bolso.
Baio-kun

Esse é literalmente um dos eletrônicos mais feios que já vi. Por mais que seja uma versão de desenvolvimento, a primeira impressão é a que conta e os caras fazem algo assim?!?!

Muriel
Esse é literalmente um dos eletrônicos mais feios que já vi. Por mais que seja uma versão de desenvolvimento, a primeira impressão é a que conta e os caras fazem algo assim?!?!
🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Vejo mais utilidade no falecido google glass do que pra esses óculos aí.

Tem que entregar uma experiência fenomenal para valer o investimento.

Mago Erudito®
Vejo mais utilidade no falecido google glass do que pra esses óculos aí. Tem que entregar uma experiência fenomenal para valer o investimento.
Felipe Xavier
Todos estes dispositivos de realidade (insira aqui o termo que quiser), é lindo na teoria, mas ainda não consigo vê-los interagindo no dia-a-dia de forma significativa. Claro, tem aplicações específicas (como ocorreu com o Google Glass) que podem se beneficiar deles, mas só.
Maico Andrade
Prefiro aquele de papelão.
Matheus Mohr
Só pelo poder de processamento desse negócio já da pra ver que a adoção vai ser lenta pra caralho, porque vai chegar por um preço ridiculamente alto... Só falta ser outro google glass da vida
Gertrudes, a Lhama Morta

Massa, conseguiram fazer um mais feio do que os já existentes.

Exibir mais comentários