Início » Negócios » Mais outra casa de câmbio para criptomoedas foi assaltada por hackers

Mais outra casa de câmbio para criptomoedas foi assaltada por hackers

Por
1 ano e meio atrás

As casas de câmbio para criptomoedas estão ainda mais visadas por hackers. Elas movimentam o equivalente a milhões de dólares, e ladrões conseguem fazer lavagem de dinheiro com relativa facilidade, evitando serem descobertos.

Desta vez, a casa de câmbio EtherDelta diz ter sido invadida por hackers, que tomaram controle de seu servidor DNS para oferecer uma versão falsa do site.

Ethereum

Segundo o Mashable, pelo menos 308 unidades de Ether foram roubadas, o equivalente a US$ 267 mil; assim como vários tokens que valem centenas de milhares de dólares.

A EtherDelta é conhecida por negociar quase todos os tokens baseados em Ethereum. Essas criptomoedas são emitidas em ICOs, sigla para oferta inicial de moedas — é o equivalente a uma emissão de ações na bolsa de valores.

A casa de câmbio tem volume diário de US$ 11 milhões, de acordo com o CoinMarketCap. Ela não exige verificação do usuário para iniciar uma negociação, mas só lida com criptomoedas — não as converte para dólares, por exemplo.

Atualmente, o site etherdelta.com está fora do ar. Os clientes podem acessar suas carteiras em deltabalances.github.io; aparentemente, o sistema de contratos inteligentes da EtherDelta não foi afetado. Ela alertou sobre a invasão através de sua conta no Twitter, que não foi invadida.

Esta é só mais uma entre diversas invasões recentes:

  • a NiceHash, com sede na Europa, diz ter perdido US$ 60 milhões após ser hackeada na semana passada;
  • a Tether, startup que trabalha com casas de câmbio, diz ter perdido US$ 31 milhões em novembro;
  • a casa de câmbio Youbit, da Coreia do Sul, declarou falência após sido hackeada duas vezes este ano, supostamente por norte-coreanos.

Até mesmo a Coinbase está envolvida em problemas: ela acrescentou suporte a Bitcoin Cash, mas precisou interromper as negociações; agora, ela investiga se seus funcionários usaram informações privilegiadas para lucrar de forma ilícita.

Com informações: Mashable, TechCrunch.