Início » Negócios » Empresas estão mudando de nome para aproveitar mania das criptomoedas

Empresas estão mudando de nome para aproveitar mania das criptomoedas

Felipe Ventura Por

Falamos por aqui sobre uma empresa de tabaco que decidiu mudar de ramo e minerar criptomoedas. Em um dia, as ações da Intercontinental Technology (antes Rich Cigars) dispararam 2.200%.

Algumas empresas estão indo além: não trocam de atividade econômica, mas colocam "crypto" e "blockchain" no nome — e as ações valorizam mesmo assim.

A Long Island Iced Tea Corporation, fabricante de chá gelado e limonada, mudou de nome para Long Blockchain Corporation. Suas ações saltaram 500% após o anúncio, levantando dúvidas no mercado financeiro.

A empresa até diz que está mudando seu foco principal para "oportunidades de aproveitar os benefícios da tecnologia blockchain". No entanto, como nota o Financial Times, ela nunca teve lucro, e fez um acordo para distribuição de sucos há duas semanas.

A Bloomberg reuniu outros exemplos semelhantes. Uma empresa de Hong Kong, anteriormente chamada SkyPeople Fruit Juice, trocou de nome para Future FinTech Group. Suas ações inicialmente subiram mais de 200%. No entanto, ela ainda produz suco de fruta, e planeja expandir suas plantações de kiwi e laranja.

Por sua vez, a fabricantes chinesa de chás Ping Shan Tea Group trocou de nome para Blockchain Group. O próprio site oficial diz que ela não mudou de ramo: "a empresa atua principalmente na plantação, produção, processamento e venda de Tieguanyin, uma variedade premium do tradicional chá oolong".

E temos o caso da The Crypto Company. Ela atuava com criptomoedas, e estreou na bolsa de valores com uma tática questionável: adquiriu uma empresa de sutiãs esportivos chamada Croe Inc. Suas ações subiram 17.000% em menos de três meses. A SEC, comissão de valores mobiliários dos EUA, interrompeu as negociações por suspeitas de manipulação de preço.

Imagem por GoodManPL/Pixabay

Enquanto isso, há algumas empresas que mudam de nome e também de ramo. A Vapetek fazia baterias e líquido para cigarros eletrônicos; agora, ela se chama Nodechain e quer ganhar dinheiro minerando criptomoedas. Suas ações triplicaram de preço.

A empresa farmacêutica Bioptix fez algo semelhante: mudou de nome para Riot Blockchain, investiu em uma casa de câmbio para criptomoedas, e passou a minerá-las. Suas ações foram de US$ 3 para US$ 30 em questão de meses. E a Leeta Gold, que minerava ouro no Canadá, comprou uma empresa de mineração de bitcoin na Islândia e trocou de nome para Hive Blockchain Technologies.

É algo semelhante ao que ocorreu durante a bolha pontocom. Em 1999, as ações da empresa MIS International foram de US$ 0,50 para US$ 5 depois que ela mudou de nome para Cosmoz.com. Pelo menos 95 empresas negociadas em bolsa de valores colocaram ".com", ".net" ou "internet" no nome durante esse período.

Depois que a bolha estourou, veio o movimento contrário: as empresas tiraram esses termos do nome. Em 2001, a Internet.com se transformou em INTMedia Group; suas ações subiram 54% com a mudança. Na época, o CEO da empresa disse à Associated Press: "isso é uma fachada para a comunidade financeira".

Com informações: Bloomberg, New York Times, The Verge.