Sabemos há mais de um ano que o Google vem trabalhando em outro sistema operacional. Trata-se do Fuchsia: ele tem código-fonte aberto, não é baseado em Linux, e é pensado para rodar em vários tipos de dispositivo. Agora, é possível instalá-lo no Pixelbook.

O Chrome Unboxed descobriu uma nova documentação do Google para que desenvolvedores possam instalar o Fuchsia no Pixelbook, lançado há alguns meses com Chrome OS.

O Pixelbook tem processador Core i5/i7, touchscreen de 12,3 polegadas e suporte à caneta Pixelbook Pen. Ele custa a partir de US$ 999; o Google não lançava um laptop com Chrome OS há anos.

Instalar o Fuchsia não é fácil: além do Pixelbook, você precisa de outro computador, ambos conectados à mesma rede. “No seu sistema hospedeiro, você vai montar o Fuchsia, criar uma mídia de instalação, e transmitir grande parte do sistema através da rede para o sistema alvo”, explica a documentação.

O Google diz que o Fuchsia tem suporte a algumas plataformas de hardware como o Acer Switch 12 e Intel NUC; no entanto, este processo de instalação ainda não é compatível com dispositivos ARM. A ideia é que, no futuro, o sistema possa ser instalado em smartphones também.

Dave Burke, vice-presidente de engenharia para Android no Google, disse na última conferência I/O que “o Fuchsia é um projeto experimental em estágio inicial”, e que se trata de um “projeto independente do Android”, mas não revelou mais detalhes.

O Fuchsia usa um kernel criado pelo Google, chamado Zircon (antes tinha o nome Magenta). Ele é baseado no LK, em vez do Linux. Vimos há algum tempo como será sua interface, e não muito mais do que isso. Será que enfim teremos mais detalhes sobre ele?

Com informações: Chrome Unboxed, The Verge.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Jhoni Max
Coloquei no Google tradutor é lá se pronuncia "fiusha", parecido com "future" do inglês.
Molinex
Também não sei, e pra falar a verdade, nem acho que Linux tenha problemas. E a google também não acha. Visto que ela levanta uma grana violenta direta ou indiretamente com Linux... Vamos ter que esperar esse sistema ser lançado (se é que será), pra termos informações concretas sobre ele. Ver em quais dispositivos ele rodara. E se a google pretende substituir seus sistemas baseados em Linux por ele, ou se ele rodara em dispositivos exclusivos... Por enquanto só dá pra saber que ele não é baseado em Linux...
Drax

Qual o problema do Linux? Pergunta de leigo...

Gnull
Qual o problema do Linux? Pergunta de leigo...
tuneman
como não se houve falar do Chrome OS? Faz poucos dias que ele ganhou ainda mais suporte a aplicativos android.
Molinex
Ninguem sabe como fala fuchsia (eu falo fusca). Ninguem sabe o que ele faz direito, nem pra que servira, nem em que dispositivos a google pretende embarca-lo... O que sabemos com certeza (e graças a deus), é que ele NÂO É baseado em Linux... De qualquer jeito espero que lancem (algum dia)... É bom ter um novo SO, E também simpatizo com esse tom de rosa...
Auston Damazio
https://github.com/littlekernel/lk/wiki/Introduction
Lucas Santos
Se pronuncia "fuck CIA"?
ditom
O que é LK? Para que serve? Onde roda?
Tenente Figueiredo
Do android só vão pegar os apps. E quanto a "poder instalar em smartphones", na prática vai servir mais pra instalar em tablets.
André G
Lembro que o Orkut surgiu assim
André G
O Android Wear está praticamente abandonado, Chrome OS também não se ouve falar muito. As chances de virar porpurina são grandes.
ʞǝʌǝɥs

grandes chances, mas é normal...empresas de tecnologia investem milhões (e até bilhões) de dólares em seus laboratórios de P&D, sendo que apenas uma minoria dos projetos alcançam o estágio comercial

Jose X.
grandes chances
farias
Dentro do Google desenvolvedores têm liberdade para trabalhar em projetos paralelos (onde, obviamente, só uma minoria vai vingar). Claro que projetos podem receber incentivos dependendo do quanto eles se alinham com interesses do alto escalão da empresa, mas você pode ter certeza que o Google não arriscaria seu domínio absoluto no mercado de smartphones (os gadgets mais essenciais para o end user) de forma leviana.
Exibir mais comentários