Logan Paul é um YouTuber com mais de 15 milhões de inscritos que começou sua fama no Vine. Ele tem 22 anos e publica vídeos constantemente envolvendo sua vida luxuosa, seu cachorro Kong e seu irmão Jake Paul, também famoso no YouTube.

No último dia de 2017, Paul publicou um vídeo de um cadáver em Aokigahara, local mais conhecido como a "floresta dos suicídios" do Japão — onde mais de 247 pessoas tentaram tirar suas próprias vidas só em 2010.

Imagem do polêmico vídeo de Logan Paul, removido do YouTube

"Será que nós achamos uma pessoa morta na floresta suicida? Essa era para ser uma experiência divertida de vlog", disse Paul no vídeo, antes de soltar várias piadas sobre a vítima pendurada em uma árvore.

Dentro de um dia, o vídeo "Encontramos um defunto na Floresta dos Suicídios no Japão" atingiu mais de 6,5 milhões de visualizações. Ele claramente violava as Diretrizes da Comunidade do YouTube, mas foi Paul quem o retirou do ar, após sofrer duras críticas.

Ele se desculpou inicialmente por escrito, dizendo: "eu faço isso todo dia. Eu fiz um programa de televisão de 15 minutos TODO SANTO DIA pelos últimos 460+ dias. Pode-se entender que é fácil ficar empolgado no momento e não pesar completamente as possíveis ramificações".

Depois veio um vídeo de desculpas, em que Paul diz: "eu nunca deveria ter postado o vídeo, eu deveria ter baixado as câmeras. Cometi um grande erro, e não espero ser perdoado".

Suicídio por contágio

Segundo a Wired, o vídeo original começava com um alerta de conteúdo explícito (sem mencionar suicídio); tinha o telefone de contato para serviços de prevenção a suicídio (incluindo um no Japão); borrava o rosto da vítima; e foi desmonetizado por Paul, ou seja, ele não ganharia dinheiro de anúncios.

Nada disso foi o suficiente. O perigo é que pessoas se inspirem a tirar a própria vida após acompanharem uma cobertura detalhada e sensacionalista de suicídio — algo chamado "suicídio por contágio".

Como explica o The Verge, as pessoas não se matam por apenas um motivo, como assistir a um vídeo. No entanto, a exposição ao suicídio pode aumentar o risco desse comportamento entre pessoas vulneráveis. Jovens adultos são especialmente suscetíveis, segundo a CDC — e o público de Paul é principalmente jovem.

Ser exposto ao suicídio, seja diretamente (por exemplo, a morte de uma pessoa próxima) ou indiretamente (através da cobertura da mídia), pode influenciar uma pessoa a fazer o mesmo.

O risco aumenta quando a mídia glamouriza uma morte, descreve o método e a vítima em detalhes, e usa manchetes dramáticas contendo a palavra "suicídio". O título do vídeo de Paul, como dissemos, era "Encontramos um defunto na Floresta dos Suicídios no Japão".

E o YouTube?

O problema, é claro, não está apenas em Paul — está no YouTube. A plataforma prometeu reforçar a equipe em 2018 para evitar abusos, como vídeos "infantis" que exibem conteúdo violento, ofensivo e até mesmo erótico.

O pedido de desculpas do YouTube foi ambíguo, deixando em aberto se o vídeo da floresta suicida realmente violava suas diretrizes ou não.

Nossas condolências vão para a família da pessoa que aparece no vídeo. O YouTube proíbe conteúdo violento ou sangrento publicado de forma chocante, sensacionalista ou desrespeitosa. Se um vídeo for gráfico, ele só pode permanecer no site caso forneça informações educacionais ou documentais apropriadas e, em alguns casos, será restrito a maiores de 18 anos.

O ator e apresentador Ed Petrie trabalhou doze anos com televisão para crianças, incluindo Nickelodeon e o canal britânico CBBC, e levanta uma crítica pertinente no Twitter. "Você consegue imaginar os protestos se a CBBC desse aos apresentadores uma plataforma para mostrar imagens de vítimas de suicídio para crianças? Mas o YouTube permite que essas coisas aconteçam, e parece achar que tudo pode continuar como de costume. Por que eles não estão sujeitos às mesmas regras que o resto de nós?"

A consultoria SocialBlade estima que Paul ganha até US$ 14 milhões por ano. O YouTube fica com 45% do dinheiro de publicidade gerado através dos criadores (exceto quando o vídeo é desmonetizado).

Ou seja, existe um incentivo — ainda que implícito — dos canais e do próprio YouTube para conseguir o máximo de visualizações possível. O vídeo de Paul, que filmou uma vítima de suicídio para fazer piadas, leva isso às últimas consequências.

Se você ou algum conhecido está tendo pensamentos suicidas, procure ajuda. Ligue 141 para contatar o CVV (Centro de Valorização da Vida), converse por chat através deste link, ou visite o posto de atendimento mais próximo.

Com informações: Wired, The Verge, Mashable.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

tuneman
Não não, eu até entendo inglês. Só não conheço esse tipo de personalidade por que acho eles tremendamente fúteis.
Fabio Montarroios

Eu tb

binho_0
Eu tb
Fabio Montarroios

vc viu o documentário 'homem urso', do werner herzog? tem um parte, mais para o final, que só ele, o herzog, ouve o áudio em que o homem urso encontra finalmente o seu destino e diz: 'este áudio deveria ser destruído'. acho q isso se coaduna um pouco com essa questão toda: há um abismo entre o q esses youtubers fazem e o q se esperaria deles q não partem de uma certa escola de documentaristas, por exemplo. entretenimento assim não parece ser novidade, afinal uma busca simples no google nos levam a sites especializados em divulgar imagens de mortos. falar q isso não é feito no youtube tb não confere, pq eu mesmo me deparo com cenas e mais cenas de linchamento real (faço as devidas denúncias). por se tratar de uma plataforma de negócios (pro youtube e para os q produzem vídeo) a coisa aperta, mas me parece dentro da lógica da sociedade do espetáculo levada cada vez mais ao extremo. glauber rocha filmou o funeral do di cavalcanti (e está no youtube, claro) e esse vídeo ficou interditado por anos (décadas eu acho...). e vc deve se lembrar do 'a casa dos autistas', do celebrado adnet. pegou mal pra mtv, mas o jogo continuou. adnet hj é mega celebrado e está na globo (o melhor canal do país em termos de recursos para um profissional trabalhar). esse cara tb será depois q a poeira baixar, provavelmente...

binho_0
vc viu o documentário 'homem urso', do werner herzog? tem um parte, mais para o final, que só ele, o herzog, ouve o áudio em que o homem urso encontra finalmente o seu destino e diz: 'este áudio deveria ser destruído'. acho q isso se coaduna um pouco com essa questão toda: há um abismo entre o q esses youtubers fazem e o q se esperaria deles q não partem de uma certa escola de documentaristas, por exemplo. entretenimento assim não parece ser novidade, afinal uma busca simples no google nos levam a sites especializados em divulgar imagens de mortos. falar q isso não é feito no youtube tb não confere, pq eu mesmo me deparo com cenas e mais cenas de linchamento real (faço as devidas denúncias). por se tratar de uma plataforma de negócios (pro youtube e para os q produzem vídeo) a coisa aperta, mas me parece dentro da lógica da sociedade do espetáculo levada cada vez mais ao extremo. glauber rocha filmou o funeral do di cavalcanti (e está no youtube, claro) e esse vídeo ficou interditado por anos (décadas eu acho...). e vc deve se lembrar do 'a casa dos autistas', do celebrado adnet. pegou mal pra mtv, mas o jogo continuou. adnet hj é mega celebrado e está na globo (o melhor canal do país em termos de recursos para um profissional trabalhar). esse cara tb será depois q a poeira baixar, provavelmente...
Fabio Montarroios

Fica a dica de leitura para os jornalistas de plantão e interessados na temática: 'Morreu na contramão: o suicídio como notícia', de Arthur Dapieve.

binho_0
Fica a dica de leitura para os jornalistas de plantão e interessados na temática: 'Morreu na contramão: o suicídio como notícia', de Arthur Dapieve.
Paul
O que as pessoas não fazem para aparecer e/ou polemizar hje em dia não é msm(likes,likes e mais likes)? E ainda mais se tratando desses Youtubers, sejam eles nacionais(Oi Felipe Neto e cia) ou da gringa(Oi Logan Paul e cia). Claro que ele sabia que esse vídeo iria dar m*****, e ainda mais por ser sobre suicídio nesse lugar ''famoso''. Qual é o próximo ''point'' ? Ele vai para as Cliffs of Moher agora ver se acha outro corpo? E esse sorrisinho da garota no vídeo... são podres de espírito msm. Daqui uns dias o povo esquece e o canal dele segue bombando...
Ed. Blake
Mas tá aí porque o Netflix quer que ela esteja aí. O vídeo do sangue bão da matéria saiu do ar porque ele tirou do ar. Escolhas.
Marcos Soares Santos
tu é idiota cara? eu nao duvido nada que voce ache que suicidio é frescura que se cura com chinelada
Marcos Soares Santos
eu conheço esses dois putos através do h3h3productions, e é só merda do inicio ao fim
Denise Nunes
"é porque eu me senti empolgado" sorry...
Guilherme
Você precisa entender que Youtubers americanos só não são tão conhecidos em países atrasados onde a maioria das pessoas não falam inglês, como o nosso. Eu já conhecia esse merda, por polêmicas passadas.
Paulo Carinhena
Sei la, é muito raro eu ver algo recomendado por eles. Ja vou direto no que eu gosto (documentários, aulas, história, etc...). Mas, quando dou uma olhada na aba "Em alta".... que desespero...
Gustavo Sarmento
É.
Exibir mais comentários