Início » Carros » GM vai lançar carro autônomo sem volante em 2019

GM vai lançar carro autônomo sem volante em 2019

Por
15 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Reparou que boa parte dos projetos de carros autônomos atuais preserva o posto de motorista? Mas, quando esse tipo de veículo for comum nas ruas, não deverá ser assim. A General Motors já se prepara para esse futuro: a companhia foi à CES 2018 para apresentar uma versão do Chevrolet Bolt (ou Chevy Bolt) que não tem volante, tampouco pedais, só assentos para passageiros.

Chevy Bolt autônomo

Não pense que o modelo é meramente um conceito que só servirá para exposições. A GM pretende colocar uma frota do novo Bolt — a quarta geração do modelo — para operar em serviços de táxis dos Estados Unidos já em 2019. O plano é produzir 2.500 unidades até o final do mesmo ano. A companhia já está cuidando dos processos para obter autorização dos órgãos competentes para fabricação e circulação dos veículos.

O projeto tem participação direta da Cruise Automation, startup especializada em tecnologia para veículos autônomos que a GM adquiriu em 2016. Obviamente, o veículo é baseado na plataforma elétrica do Chevrolet Bolt, mas possui as devidas adaptações para funcionar como um carro completamente autônomo.

Além da tecnologia que permite que o veículo se locomova sozinho, o novo Chevrolet Bolt foi equipado com um sistema inteligente de fechamento de portas, telas posicionadas no painel e na parte de trás dos bancos frontais que mostram mapa ou outras informações, além de várias camadas de segurança.

Uma das proteções é um botão de emergência que os passageiros podem acionar em caso de acidente ou falha, ainda que o sistema esteja programado para parar ou reduzir a velocidade do veículo ao detectar problemas.

Caso a GM obtenha as autorizações, os carros irão rodar em sete estados norte-americanos que permitem a circulação de veículos sem pedais e volantes. Mas, por óbvias questões de segurança, eles só trafegarão em vias predefinidas e serão monitorados o tempo todo.

Com informações: Wired, CNBC.