Início » Negócios » Nano: o que é, pra que serve, cotação e como comprar

Nano: o que é, pra que serve, cotação e como comprar

Como surgiu a Nano (antiga RaiBlocks)? Veja o diferencial dessa criptomoeda em relação às outras

Por
15/01/2018 às 14h46
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Nos últimos meses, falou-se tanto de várias criptomoedas que fica difícil saber qual a diferença entre as principais e para que serve cada uma. Recentemente, tem-se falado muito de Nano, mas o que é exatamente essa criptomoeda? E qual a diferença dela em relação às outras? Vamos conferir.

Atualização: No dia 31 de janeiro, a RaiBlocks sofreu um rebrand — agora a moeda se chama Nano. Veja mais informações no final do post.

Como surgiu a Nano?

Basicamente, a Nano surgiu para resolver os problemas das criptomoedas atuais. Principalmente, a baixa escalabilidade (poucas transações são processadas por segundo), alta latência (por conta da baixa escalabilidade, as transações demoram para ser confirmadas) e ineficiência energética (a mineração de bitcoin consome mais energia do que 159 países usam em um ano).

Para resolver esses problemas, o blockchain da Nano (XRB) funciona de forma diferente em relação às outras criptomoedas. Em XRB, é usada uma estrutura chamada de block-lattice, onde cada conta tem seu próprio blockchain para armazenar o saldo e as transações. Naturalmente, apenas o dono da conta pode realizar as operações.

 

Com um blockchain para cada conta, a atualização quando uma transação é realizada é feita em tempo real e de forma assíncrona. Para transferir dinheiro de uma conta para outra, são necessárias duas transações internas: uma para retirar o valor da conta remetente e outra para adicionar o valor à conta do destinatário.

As transações são verificadas por uma ferramenta anti-spam que consome muito menos poder de processamento que o modelo de prova de trabalho (PoW) do bitcoin. Ela checa apenas alguns requisitos básicos, como se a transação única já foi feita antes, se o bloco é assinado pelo proprietário da conta, se há um bloco de abertura da conta e se a transação é válida, seguindo alguns critérios específicos.

Usando menos poder de processamento e com algumas otimizações na verificação de transações, elas são confirmadas instantaneamente e sem custo algum. Além disso, a escalabilidade é ilimitada, já que o custo de validar cada transação é muito baixo. Hoje, a rede da Nano já processou 4,2 milhões de transações com um registro de somente 1,7 GB.

Pra que serve a Nano?

O maior objetivo da Nano é ser uma criptomoeda com alto desempenho. “O protocolo da Nano pode rodar em hardwares de baixa potência, permitindo-a ser uma prática e decentralizada criptomoeda para o uso cotidiano”, diz o fundador, Colin LeMahieu, no documento que funda a moeda virtual.

Como minerar Nano?

Como a rede da Nano é eficiente e não precisa de um hardware potente para rodar, não é possível (nem necessário) minerá-la.

Qual a cotação da Nano?

A cotação da Nano (XRB) pode ser vista abaixo, em dólares americanos (USD), com o valor em bitcoin (BTC) logo embaixo.

Como comprar Nano

Como é uma criptomoeda que ganhou visibilidade recentemente, a Nano só pode ser comprada se você já tiver bitcoin ou ethereum. As exchanges mais populares são: Kucoin, BitGrail, RightBTC, Mercatox e Bit-Z. Procure pelo símbolo $XRB, relativo a Nano.

Atualização: de RaiBlocks para Nano

Em 31 de janeiro de 2018, a antiga RaiBlocks anunciou que o novo nome da criptomoeda é Nano. Os criadores explicam que o nome antigo era confuso e pouco apelativo para as grandes massas.

“Todos os saldos, carteiras e transações ainda vão operar como antes. Por enquanto, os endereços vão continuar começando com xrb_. No futuro, vamos introduzir endereços começando com nano_ e migrar os endereços atuais”, diz o anúncio. Logo logo, o símbolo $XRB também virará $NANO. Mais informações podem ser encontradas em nano.org.

Atualizado em 31 de janeiro às 17h20