Sabemos que o Telegram está se preparando para lançar sua própria criptomoeda, chamada Gram. Agora, o TechCrunch tem mais detalhes sobre o projeto — que pretende arrecadar US$ 1,2 bilhão no total.

Isso será feito através de um ICO (oferta inicial de moedas), algo semelhante ao lançamento de ações na bolsa de valores. Normalmente, isso é feito através de tokens operando no Ethereum, mas não é esse o caminho que o Telegram quer seguir.

Em vez disso, eles querem criar uma plataforma própria de blockchain para rivalizar com o Ethereum e hospedar uma nova onda de serviços descentralizados. O ICO é o primeiro passo desse projeto, chamado Telegram Open Network (TON).

O Telegram planeja arrecadar um total de US$ 1,2 bilhão, começando com uma pré-venda de US$ 600 milhões para pessoas próximas aos executivos da empresa e para investidores de capital de risco. Essa primeira etapa ocorre entre janeiro e fevereiro, e será exclusiva para convidados.

Após a pré-venda, o Telegram planeja realizar uma venda pública em março, abrindo as portas para mais investidores. Nesta etapa, eles preveem arrecadar mais US$ 600 milhões.

Curiosamente, os investidores só terão acesso às moedas em dezembro, com o lançamento da Telegram Wallet. O Gram será listado em casas de câmbio no primeiro trimestre de 2019 — então será possível vendê-la.

Até 2021, o Telegram planeja renomear a TON para ON, retirando seu nome do projeto. “O Telegram servirá como plataforma de lançamento para a TON, garantindo sua superioridade tecnológica e ampla adoção nas etapas iniciais, mas seu futuro está nas mãos da comunidade global de código aberto”, diz a empresa.

Foto por Microsiervos Geek Crew/Flickr

Serão emitidas cinco bilhões de unidades da criptomoeda Gram, a serem distribuídas da seguinte forma:

  • 10% serão usados como incentivos para desenvolvedores na plataforma;
  • 4% vão remunerar a equipe de desenvolvedores;
  • 42% ficarão retidos com a TON Reserve durante os estágios iniciais, a fim de “proteger a criptomoeda nascente do comércio especulativo e manter a flexibilidade”;
  • 44% poderão ser negociados livremente.

O Telegram prevê quatro usos para sua blockchain: armazenamento distribuído de arquivos, semelhante a serviços como Dropcoin; um serviço de proxy para criar serviços de VPN descentralizados; serviços para apps descentralizados; e pagamentos por microtransações.

Em outubro de 2017, o Telegram atingiu 170 milhões de usuários mensais, enviando 70 bilhões de mensagens por dia. O app deve atingir 200 milhões de usuários no primeiro trimestre de 2018.

Com informações: TechCrunch.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

forposts
Queriam. Com a quebradeira das moedas já por dois dias em função das notícias da regulação mundial e por causa do banimento das exchanges na China e na Coreia do Sul, quem está fora vai esperar para ver onde isso vai dar. Enquanto as coisas não se definirem, os ICOs "corajosos" no meio dessa tormenta poderão ficar bem aquém do resultado esperado.
Programador Front-End
Não sei se entendi bem, mas cada transação registrada no blockchain necessita de mineração.
Krosna Terrestre
Aff não vai poder minerar?
🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Sem ler o paper só posso dizer que vou esperar cair para comprar porque parece ser um projeto interessante que já tem serviços por trás e adicionar microtransações é uma forma relativamente fácil de monetização para esse tipo de app.

Portanto, podem esperar um ICO do Whatsapp em breve™.

Mago Erudito®
Sem ler o paper só posso dizer que vou esperar cair para comprar porque parece ser um projeto interessante que já tem serviços por trás e adicionar microtransações é uma forma relativamente fácil de monetização para esse tipo de app. Portanto, podem esperar um ICO do Whatsapp em breve™.