Início » Negócios » Táxi aéreo autônomo da Airbus voa pela primeira vez

Táxi aéreo autônomo da Airbus voa pela primeira vez

Por
2 anos atrás

Estamos um pouco mais próximos do dia em que poderemos pegar um táxi que voa: a Airbus concluiu o primeiro teste do Vahana, aeronave elétrica não tripulada do tipo VTOL (sigla em inglês para veículo que aterrissa e decola verticalmente) que está sendo desenvolvida para fazer transporte individual de passageiros, ou seja, estamos falando de um táxi aéreo autônomo.

Vahana

O projeto está sendo conduzido pela A³, divisão de tecnologia da Airbus localizada no Vale do Silício. O teste foi realizado no último dia 31, em Oregon. A aeronave operou de maneira totalmente autônoma, conseguiu atingir a altura de 5 metros (16 pés) e voou durante 53 segundos.

Só isso?! Só isso. Mas a equipe responsável comemorou: “em pouco menos de dois anos, o Vahana deixou de ser um esboço em um guardanapo e se transformou em uma aeronave completa e autopilotada”, diz Zach Lovering, líder do projeto.

Vahana

No dia seguinte, o Vahana fez outro voo em condições similares. Mas esses são apenas os primeiros de numerosos testes. Como há muitos aspectos a serem analisados, ainda não existe prazo para a aeronave ser concluída ou previsão de voos com passageiros (nos primeiros testes a aeronave voou vazia, por razões óbvias).

Mas as metas são audaciosas: a Airbus quer que o Vahana seja uma solução viável de transporte urbano de curto alcance e tenha velocidade de aproximadamente 80 km/h. Como a aeronave não ficará presa no trânsito ou parará em semáforos, o tempo de locomoção do passageiro deverá ser de duas a quatro vezes mais rápido do que carros indo para o mesmo destino.

Além de transporte individual, o Vahana poderá ser usado para entrega de carga, operações de regaste, entre outras atividades.

Curiosamente, este não é o único do projeto do tipo dentro da Airbus: a divisão de helicópteros da companhia vem trabalhando no CityAirbus, aeronave autônoma que poderá transportar até quatro pessoas simultaneamente.

E, sim, eu escrevi “Havana” várias vezes durante a redação deste post.

Mais sobre: ,