Construir o maior sistema de baterias de lítio do mundo na Austrália não é suficiente. Agora, a Tesla quer montar uma central virtual de geração e fornecimento de energia instalando painéis solares e baterias em nada menos que 50 mil casas no estado da Austrália do Sul, tudo com apoio do governo local.

Tesla Powerwall

O objetivo principal é amenizar ao máximo o problema dos apagões que não são raros na região. Em setembro de 2016, uma tempestade danificou parte da infraestrutura local. Os efeitos disso são sentidos até hoje. Para piorar a situação, o consumo de energia aumenta consideravelmente no verão por conta do uso exacerbado de aparelhos de ar condicionado, climatizadores e afins.

As casas participantes da rede receberão energia graças aos painéis e, nos momentos críticos, usarão a carga armazenada nas baterias. O excedente será fornecido ao sistema para aproveitamento por outras casas ou empresas. A venda de energia oriunda da rede ajudará a financiar parte do projeto. Outra parte vem do governo local, que assumirá custos de instalação, por exemplo.

Os donos das casas participantes não terão que pagar nada pelos equipamentos, mas não se tornarão proprietários deles. É uma troca de favores, digamos assim: a residência cede espaço físico e energia excedente; por sua vez, a casa não fica sem energia em momentos críticos e, de quebra, o consumidor gasta menos com o consumo da rede tradicional — detalhe importante, afinal, a energia elétrica é muito cara na Austrália.

Para tanto, a Tesla fornecerá painéis fotovoltaicos de 5 kW (quilowatt) e baterias Powerwall 2 de 13,5 kWh (quilowatt-hora). Não está claro se casas que já possuem algum sistema de energia solar poderão participar do projeto. De todo modo, uma residência só fará parte da rede se atender a determinados critérios técnicos. A decisão ficará a cargo da Tesla.

Na primeira fase, 1,1 mil casas de um programa de habitação serão contempladas. Depois do período de testes e ajustes, esse número aumentará para 24 mil e incluirá domicílios particulares. A meta é fazer 50 mil lares serem atendidos até 2022.

Se o plano for seguido à risca, a central virtual alcançará a capacidade de 250 MW (megawatt) / 650 MWh (megawatt-hora) na fase final do projeto.

Com informações: The Next Web, Phys.org.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Yago G. Oliveira
É, infelizmente.
🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

O Brasil tem um dos maiores potenciais para geração de energia solar do mundo, pq tem sol em 90% do território durante o ano inteiro.

Aí não existe um CORNO pra levantar essa bola e investir mais nesse tipo de geração, preferem encher o RABO com dinheiro das empreiteiras e a população é que tem que BANCAR bandeira vermelha todo ano, pq não choveu o esperado.

Me façam um favor esse ano:

NÃO VOTEM EM NENHUM DESSES PILANTRAS QUE ESTÃO AÍ HOJE.

Mago Erudito®
O Brasil tem um dos maiores potenciais para geração de energia solar do mundo, pq tem sol em 90% do território durante o ano inteiro. Aí não existe um CORNO pra levantar essa bola e investir mais nesse tipo de geração, preferem encher o RABO com dinheiro das empreiteiras e a população é que tem que BANCAR bandeira vermelha todo ano, pq não choveu o esperado. Me façam um favor esse ano: NÃO VOTEM EM NENHUM DESSES PILANTRAS QUE ESTÃO AÍ HOJE.
Léo Oliveira
Um mito ora esse Oscar
Andre Kittler
Nos últimos anos ficou evidente para min que não temos conhecimento para gerar de forma satisfatória essa tal de "eletricidade", e infelizmente a sociedade humana está passando a utilizar cada vez mais essa invenção moderna. Como resultado temos o que? Se não for A é uma das mais caras contas elétricas do mundo (tiro isso de minha bun... mente e, francamente, se alguém souber confirmar ou discordar disso com números reais eu adoraria saber!) e, claro, a tendencia está em ficar muito mais caro. A soma disso me leva ao inevitável: vejo já em vilas (ou 'comunidades', mas como vivo em uma acho que falar eu posso falar vila) inicio de uso de painel solar em algumas casas, e acredito que em 10 anos esteremos na maioria gerando nossa própria energia, devido ao custo-beneficio que será bem forte. Claro, até lá possível que o governo se meta para impedir o uso ou dificultar/encarecer pois... é o governo. Mas mantenho a esperança.
Cobalto
Mas com grid ou "larga escala" no sentido de sistemas individuais para uma grande quantidade de casas? Porque o diferencial da Tesla é o grid, e é onde o governo pode botar a mão em suculentas quantias de dinheiro só na base da canetada.
Wellington Gabriel de Borba
Se vier para o Brasil um deputado vai criar royalties sobre o Sol, aí as distribuidoras vão criar a CCPUESRD (Contribuição Compulsória pelo Uso da Energia Sola na Rede da Distribuidora), equivalente 30% da tarifa sofrendo reajustes anuais em um indicador de preços criado pela FGV sob encomenda e por fim a ANEEL vai estabelecer que não será possível usar a energia solar sem a intermediação de uma concessionário para fazer a integração (mesmo que ninguém saiba o que é essa tal de integração).
Yago G. Oliveira
Bem, já tem empresa instalando painéis em larga escala no Piauí.
Yago G. Oliveira
Isso é bom para lugares onde as estatais são mais fortes.
Cobalto
Não se preocupem que isso não corre o menor risco de funcionar no Brasil.
Lucas Santos
Take me from Brazil kkkkkkkk
Ricardo - Vaz Lobo
Imagino a alegria das empresas de geração de energia assistindo Musk testar suas pilhas e painéis solares.
Lucas Oliveira
Please Tesla come to Brazil! Nunca te pedi nada.