Início » Internet » Facebook desiste de feed de notícias secundário

Facebook desiste de feed de notícias secundário

Por
1 ano atrás

Às vezes é necessário dar um passo para trás. Em outubro de 2017, o Facebook começou a testar um feed secundário que exibe posts não patrocinados de páginas enquanto o principal permanece com conteúdo de contatos do usuário e publicações promovidas (pagas). Pois bem, o Facebook desistiu da ideia: os testes mostraram que os usuários não assimilaram bem essa divisão.

Os testes foram realizados em seis países: Bolívia, Camboja, Eslováquia, Guatemala, Sérvia e Sri Lanka. O que o Facebook fez, basicamente, foi jogar o conteúdo não impulsionado de páginas no Feed de Exploração (Explore Feed), o tal do feed secundário.

Se você nunca ouviu falar desse recurso, não fique espantado. Ele foi lançado globalmente também em outubro de 2017, mas fica meio escondido. No aplicativo do Facebook para iOS ou Android, por exemplo, você precisa tocar no botão ≡ e então encontrá-lo na lista; na versão web para desktop, você tem que localizá-lo no meio das várias opções no menu à esquerda.

Facebook - fim do teste do feed secundário

Não deu certo. Embora a separação com feed principal e secundário corresponda ao plano do Facebook de priorizar conteúdo de amigos e familiares, a companhia constatou que a abordagem não ajudou os usuários a interagirem mais com seus contatos.

Na verdade, o levantamento feito pelo Facebook mostrou que os usuários estavam menos satisfeitos com as postagens que visualizavam. Muitos chegaram a comentar que o acesso a informações locais que eles consideram importantes acabou ficando mais difícil. O fato de o teste não ter sido comunicado com clareza também foi alvo de crítica.

Como consequência, o Facebook decidiu descontinuar o feed secundário nos próximos dias, para alívio dos administradores que viram os acessos às suas páginas despencarem. Mas isso não quer dizer que tudo vai voltar a ser como era antes do teste: o plano de dar mais visibilidade para conteúdo de usuários continua.

Mais sobre: