Início » Brasil » Placas de carros no Brasil terão padrão Mercosul, QR Code e chip

Placas de carros no Brasil terão padrão Mercosul, QR Code e chip

Decisão também vale para motos, caminhões e outros veículos

Emerson Alecrim Por

Depois de uma série de adiamentos, parece que agora vai. Parece. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou no Diário Oficial desta quinta-feira (8) a resolução que determina que os veículos brasileiros tenham placas no padrão Mercosul a partir de 1º de setembro. Isso significa que as placas terão novo visual, outro esquema de identificação, QR Code e até chip.

Placa brasileira no padrão Mercosul

Padrão Mercosul

O tal padrão Mercosul significa que o mesmo tipo de placa será adotado por outros países que fazem parte do bloco. Argentina e Uruguai, por exemplo, já emplacam carros seguindo o novo modelo que, pelo menos em parte, lembra o estilo das placas de países da União Europeia.

Atualmente, o Brasil segue um padrão de identificação composto por três letras, quatro números, sigla do estado e nome da cidade. No novo padrão não será assim: as placas terão quatro letras e três números que não seguirão uma ordem fixa. A exceção é o último caractere, que deverá ser um número para não atrapalhar esquemas de rodízio municipal.

Na parte superior da placa, em um fundo azul, aparecerá o nome Brasil e a bandeira do país. O estado será identificado com uma bandeira posicionada à direita das letras e números, com o brasão do município aparecendo logo abaixo.

O fundo da placa será predominantemente branco. O que deve variar é a cor da moldura e dos caracteres: preto para carros particulares, vermelho para veículos comerciais e assim por diante. As dimensões das placas não deverão mudar, ou seja, continuarão tendo 40×13 cm. As placas das motos, que também seguirão o novo padrão, terão 20×17 cm.

 Placa brasileira no padrão Mercosul

(Foto: Ministério das Cidades)

Chip e QR Code

Entre os itens de segurança estarão marcas d’água com os nomes Brasil e Mercosul, além de uma tira holográfica no lado esquerdo parecida com aquela existente nas notas de R$ 50 e R$ 100. A intenção aqui é dificultar fraudes, obviamente.

Hoje, quase tudo tem chip. Com as novas placas não será diferente. Não está claro exatamente qual conjunto de informações o componente armazenará, mas, como o principal objetivo da ideia é facilitar a identificação de veículos roubados ou clonados em todo o Mercosul, detalhes como nome do proprietário, modelo do veículo, ano de fabricação e número de chassi deverão ser incluídos.

A resolução prevê ainda o uso de um QR Code. Novamente, o objetivo é combater roubos ou clonagens, além de facilitar a fiscalização do veículo. Eventualmente, o cidadão terá mais facilidade para identificar carros com irregularidades na hora da compra, afinal, o código pode ser lido rapidamente via smartphone.

Provavelmente, será algo similar ao QR Code que já é usado no Distrito Federal, por exemplo. Estima-se que, atualmente, cerca de 200 mil veículos da região tenham placas com o código fixado.

Quando?

Pode ser que um ou outro detalhe referente à nova placa seja alterado. Isso vale inclusive para o cronograma de implementação. Mas, se nada for modificado (de novo), veículos zero quilômetro receberão a placa no padrão Mercosul a partir de setembro. O mesmo vale para veículos que passarem por transferência de município, mudança de categoria ou que, por alguma razão, tiverem que trocar de placa.

Placa brasileira no padrão Mercosul - cores

Para veículos já emplacados, a troca pelo novo modelo deverá ser feita até o final de 2023. O governo dá a entender que os custos ficarão nos mesmos patamares atuais, que variam entre R$ 120 e R$ 200, de acordo com o estado.

Adiamentos

A ideia das placas veiculares para o Mercosul foi oficialmente apresentada em 2014 e deveria começar a valer a partir de 2016 no Brasil. Porém, a data de implementação foi adiada para 1º de janeiro de 2017. O governo percebeu que não conseguiria respeitar a segunda data e fez outro adiamento, só que sem prazo definido. Agora é que as novas datas foram fixadas.

Os motivos para as mudanças nunca foram totalmente esclarecidos, mas, no último adiamento, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) apontou que o novo padrão exige “um sistema que integre de forma efetiva os países do Mercosul”.

Bom, o sistema, cuja criação cabe principalmente ao Brasil, não estava pronto na época. Ainda segundo o Denatran, “como se trata de um complexo sistema em desenvolvimento e que depende da cooperação de outros países, o Brasil não pode fixar uma data sem que haja concordância dos demais integrantes do Mercosul”.

Não está claro qual o atual estágio desse sistema, mas pelo menos o clima é de “agora vai”.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rapha Ferreira

o Brasil é criador e sozinho corresponde a 60% do poder econômico do mercosul, além de ser o maior fornecedor (exportador) para todos os outros membros. uma eventual "saída" seria economicamente desastrosa para todos os países participantes (inclusive para o Brasil!), então, chance quase nula de isso acontecer.

Maiger Vervloet

Já está na hora de se ter um valor igual unico para a troca em todos os estado...

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Ahh isso é verdade, fazem barbaridades no trânsito e nem multa recebem.

Ramon Santos

Porém deve ser analisado quantos turistas de fora do pais vem e não pagam suas autuações sofridas em nossas estradas, com esse sistema de placas no mercosul fará com que todos sejam punidos pelos seus atos, um grande exemplo são os hermanos argentinos, os quais só pagam as autuações se forem parados na alfândega.

Laercio Civali

O QR code vai servir para bandidos e curiosos lerem os seus dados particulares e planejarem táticas de assalto e roubo. Não pensaram que estão no Brasil?!

Marcos Guilherme

Já deveria ter chip que pudesse localizar carros roubados vindos de fábrica (esse colocado no chassi de dificílimo acesso) , um bem caro muitas pagando ainda e é subtraído.

Matheus Signori

Nos EUA o motorista que é o dono da placa. Ou seja vc vende o carro por outro mas não perde a placa.

Theo Queiroz

Os países que fazem parte da União Européia seguem padrões (inclusive o de placas de carro) e mesmo assim tem identidade nacional latente. Seu comentário não faz sentido algum.

Isaias Freitas

E se o pais sair do Mercosul, tem que desfazer o sistema todo?

Matheus Signori

E o brasão dos municípios tbm.

Matheus Signori

Isso mesmo concordo com vc Anderson, um grande avanço. Desde 2010 que tinham essa ideia. Confesso que não via chegar a hora do Bloco ter placas únicas nos veículos. Estive no litoral de SC em janeiro e já vi um monte de veículos argentinos e uruguaios com placas novas.

Matheus Signori

Tbm concordo em unificar as moedas e já tenho o nome: Merco o símbolo seria esse: M$. Mas vai levar tempo para acontecer no mínimo uns vinte anos.

Matheus Signori

E se o seu carro for roubado e levado para o Paraguai? Em seguida localizam graças ao chip.

Giovane S Paula

Fico agora imaginando o real custo da troca e se e que vamos ter que pagar a alteração da numeração no documento. Se essa troca e obrigatória ao menos poderia ser gratuita para carros já emplacados. Brasil senso Brasil.

Wellington Gabriel de Borba

E agora, como vou saber onde o carro foi originalmente emplacado?

Exibir mais comentários