Início » Gadgets » Qual Kindle comprar? Veja o que muda entre as diferentes versões

Qual Kindle comprar? Veja o que muda entre as diferentes versões

Kindle, Paperwhite, Voyage e Oasis... São 4 modelos vendidos aqui no Brasil. Confira qual é o que vale mais a pena

Por
14 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Quando eu comprei meu primeiro Kindle, só existia a versão básica e o Paperwhite, que foi o que eu comprei — e o Kindle básico nem tinha touch! Hoje, quatro anos depois, a Amazon vende quatro modelos do seu e-reader no Brasil, todos em faixas de preço diferentes (e todos com touchscreen).

Os preços podem ir de R$ 299 a R$ 1.149, com os modelos Kindle, Paperwhite, Voyage e Oasis, listados em ordem crescente de preço. Mas será que vale a pena pagar tanto dinheiro em um Kindle? Confira as diferenças.

Kindle (R$ 299)

É o modelo mais básico, mas que não é tão incompleto. Hoje, com tela touch de 6 polegadas, o Kindle mais básico é uma boa compra para quem não quer gastar muito em um e-reader.

Assim como quase todos os outros e-readers da Amazon, ele tem tela antirreflexo, memória interna de 4 GB e uma bateria que dura um bom tempo (a Amazon promete quase até quatro semanas). No software, a experiência é praticamente idêntica a dos outros, com suporte a dicionário, diferentes fontes de leitura, sincronização na nuvem e outros recursos.

Review: Kindle (7ª geração): o bom e-reader acessível da Amazon

Já na 8ª geração, o Kindle tem mais RAM, é mais leve e mais fino que o antecessor (do review indicado acima). Pelo preço (que frequentemente é reduzido para R$ 219), ele não tem exatamente pontos negativos — considerando que você não precisa de luz embutida, é a melhor escolha.

Kindle Paperwhite (R$ 479)

Outra boa compra é o Kindle Paperwhite, que custa R$ 180 a mais que a versão mais básica do Kindle. O que muda? Basicamente, o Paperwhite tem uma tela retroiluminada que é bem útil em ambientes mais escuros — e a luz não incomoda os olhos.

Além disso, ainda com tela de 6 polegadas, o Paperwhite mais novo tem uma resolução de 1440×1080 pixels, tão alta quanto à do Kindle Voyage. É uma definição de 300 ppi, presente até no Oasis, o Kindle mais caro. É bastante pixel para um e-reader.

Review: Kindle Paperwhite (3ª geração): igual, só que melhor

Segundo a Amazon, o Paperwhite é o Kindle mais vendido. Tem um motivo: ele agrada a todos os públicos, com recursos que já são suficientes para a maior parte dos consumidores. Se você encontrá-lo em promoção, por R$ 399, será uma ótima compra.

Kindle Voyage (R$ 899)

Ainda assim, a Amazon tem dois modelos mais caros: o Voyage e o Oasis. Estas são as vantagens do Voyage em relação ao Paperwhite:

A traseira diferente do Kindle Voyage (Foto: The Next Web)

  • a iluminação da tela é feita por 6 LEDs em vez de 4 LEDs;
  • a tela é coberta por vidro;
  • o brilho é regulado automaticamente graças a um sensor de iluminação;
  • ele tem um “botão” (dois sensores de pressão, precisamente) nos dois lados para virar a página sem tocar na tela (assim você não precisa tirar o dedo do Kindle);
  • ele é mais leve e mais fino.

Ou seja, você ganha um design diferente, melhor iluminação e “botões” para trocar de página. É mais cômodo, mas será que vale pagar R$ 899 (ou R$ 819, em diversas promoções) em um e-reader por esses recursos adicionais? Se você tiver dinheiro sobrando, talvez.

Kindle Oasis (R$ 1.149)

Por fim, temos o Kindle de mais de mil reais, que dificilmente entra em promoção. Ele tem diversos recursos adicionais em relação ao Voyage:

  • tela de 7 polegadas;
  • resistência à água IPX8 (profundidade de 2 metros por 60 minutos em água doce);
  • memória interna de 8 GB;
  • iluminação embutida de 12 LEDs e brilho automático;
  • um design de alumínio mais ergonômico.

Review: Kindle Oasis (2017): o melhor e-reader cobra seu preço

Claro, o Kindle Oasis é o melhor Kindle que a Amazon já fez, mas custa 700 reais mais caro que o Paperwhite (ou três Kindles básicos na promocão). O dilema é o mesmo do Voyage: será que vale pagar tão caro em um e-reader? A decisão é sua, mas é difícil vencer o custo-benefício do Paperwhite.