Você toparia minerar criptomoeda no seu computador em troca de uma atualização gratuita para a versão premium de um aplicativo? Era exatamente essa a estratégia do Calendar 2, um software de calendário para macOS cujos recursos pagos normalmente custariam US$ 17,99. Era, porque, depois de uma série de erros, o desenvolvedor decidiu remover o recurso.

Chama a atenção o fato de o Calendar 2 ter sido liberado para download na Mac App Store mesmo com o recurso de mineração de Monero. Em regra, essa prática é adotada por malwares, não aplicativos legítimos, gerando inclusive alertas por parte de determinados softwares antivírus.

E o aplicativo era bem claro. Na tela de upgrade para a versão premium, o usuário tinha quatro opções: desabilitar todas as funções avançadas; ativá-las por uma mensalidade de US$ 0,99; ativá-las permanentemente com um pagamento único de US$ 17,99; ou ativá-las para que o “aplicativo gere criptomoeda de forma discreta em plano de fundo”.

Não está claro se o aplicativo viola as regras da Mac App Store, mas o desenvolvedor Gregory Magarshak, da Qbix, diz ao Ars Technica que vai retirar o recurso porque “dois bugs causaram problemas para muitos dos usuários”.

Primeiro porque o minerador estava sendo executado mesmo quando o usuário optava por desativar os recursos avançados, fazendo “parecer que a empresa quisesse minerar criptomoeda sem permissão dos usuários, o que vai contra o caráter e a visão da Qbix”. Segundo porque a ideia era utilizar entre 10 e 20% da capacidade de processamento do usuário, mas o minerador estava consumindo mais CPU. Como o código do minerador não é aberto, a correção poderia demorar muito tempo.

Mesmo com a remoção do minerador nas futuras versões, fica a dúvida: você aceitaria pagar por um aplicativo por meio da sua conta de energia elétrica?

Tecnocast 079 – Mineradores zumbis

O que você prefere: ver banners e anúncios enquanto navega em seus sites favoritos, ou doar uma parte do seu processador e não ver anúncio nenhum? Muitos sites já estão utilizando scripts que mineram criptomoeda com o seu processador. E, na maioria dos casos, nenhum aviso é exibido para o usuário.

Aproveitando essa novidade, alguns sites já arrumaram até uma forma de continuar utilizando o seu processador, mesmo quando você já fechou a aba. Então, qual seria o limite ético dos scripts de mineração? Dá o play e vem com a gente!

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Alexandre Copi

Por isso acredito que o modelo não seja "sustentável". Talvez outros usos da tecnologia futuramente tornem o uso desse modelo mais viável.

Khrys

Isso virou uma praga, enche o saco vc entrar num site que minera. Ainda bem que tem extensão pra bloquear e os antivirus estão detectando como malware. Deviam usar o fiofó pra minerar, isso sim...
٩(๑`^´๑)۶

Lord Cheetos

Levaria muito tempo pra minerar US$ 17 em monero usando CPU, com "muito" quero dizer meses.

Alexandre Copi

Acho que seria interessante uma categoria em que você "minerasse" até fechar uma cota estabelecida (equivalente ao valor do app), até por que esse modelo atual que estão usando não é sustentável. Se você usar muitos apps que mineram ou eles vão parar de render o suficiente, ou seu pc vai virar uma frigideira.

Alexandre Copi

o próprio macOS tem um calendário :P

John Smith

Queria saber o que tem de especial nesse aplicativo... A propósito, avisem o desenvolvedor que os anos 90 ligaram e pediram a interface deles de volta.

Baidu feat MC Brinquedo

Quotes

Esse pessoal do mac é estranho...
Cobalto

Pagar ASSINATURA pra usar um app de calendário já não me entra na cabeça, com mineração então... vamos deixar essa função pra serviços em que assinatura faça sentido, que tal?

Fábio Silva De Souza Filho

Ignorância minha, mas, quando você minera, não precisa de acesso à internet? Se você tem acesso a internet, porque não usar o que webmails já oferecem? Esse pessoal do mac é estranho...