A Apple costuma ser bem exigente para aceitar novos aplicativos em sua loja. As diretrizes para desenvolvedores são rígidas, mas isso não impede a App Store de crescer ano após ano — ou, pelo menos, não impedia.

Pela primeira vez em sua história, a App Store perdeu aplicativos. De acordo com um levantamento da Appfigures, a loja da Apple terminou 2017 com 2,1 milhões de apps.

É uma queda de 5% em relação ao ano anterior, quando a loja tinha 2,2 milhões de apps. Enquanto isso, a Google Play Store chegou a 3,6 milhões, alta de 30% no mesmo período.

No ano passado, a Apple se concentrou em remover clones de outros aplicativos, incluindo aqueles que usam táticas de spam para enganar usuários na App Store. Além disso, ela retirou diversos apps abandonados que já não funcionavam como o esperado.

A empresa também passou a exigir que toda atualização use a arquitetura de 64 bits. Apps em 32 bits não são compatíveis com o iOS 11.

Número de apps na App Store e no Google Play a cada ano

Além desses fatores, há mais este: os desenvolvedores não lançaram tantas novidades para iOS quanto em anos anteriores. Em 2017, a plataforma recebeu 755 mil novos apps, contra 1,5 milhão no Android.

O levantamento indica apenas o número de aplicativos que foram aceitos pela App Store. Portanto, não é possível indicar se realmente houve uma queda de interesse dos desenvolvedores pelos dispositivos da Apple.

Número de novos apps na App Store e no Google Play

Com informações: TechCrunch.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

zoiuduu .

Sou usuário android, então se vc é fãboyola da apple e do iOS nem leia meu comentário pq não quer mimimi...
.
.
.
.
.
.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Boa iniciativa da apple,tirou os apps ruins, e facilitou a busca de apps, se a playstore fizesse isso tb eu ficaria feliz.

Kodos Otros

Oxi, me respeite seu desgramado. Arranjei um novo lar, mas o G1z das antigas continuará no meu coração. Atualmente a área de comentarperdeu um pouco seu brilho. Mande um abraço pro Monkey e uma dedada na raposa maldita.

Gertrudes, a Lhama Morta

Sim, dependendo da aplicação vale mais a pena fazer nativo.

Acho apps híbridos uma boa pra maioria das aplicações porém, você mantém uma só codebase, e ainda pode lançar como PWA pra quem não quiser instalar

Jhon

Mas eu estava falando de apps bem feitos, que normalmente serão aplicativos escritos na linguagem nativa, feitos do zero e tal. Não que os outros serão ruins, mas a tendência é que os nativos sejam mais bem feitos.

DeadPull

Kodos, sua meleca de ET. Tu sumiu do giz de novo, rapaz. Senta aqui, vamos conversar e tu me fala o que aconteceu dessa vez.

Seraph

Boa lógica, mas n curto ela

Ed. Blake

Incentiva: ou compra ou não usa.

O android é mais adaptado a países emergentes: Ou compra ou dá um jeitinho de usar sem comprar.

Seraph

Comprar não me incentiva em nada...

Ed. Blake

Na verdade incentiva o usuário.

iOS: Quem quer compra.
Android: Quem quer, instala piratex crackeado com malware.

André Silva

Acho que o limitador maior é o custo. É muito mais barato desenvolver para Android do que para iOS. Qualquer máquina Windows e celular servem. Para Android vc só tem um pagamento inicial para desenvolver, para Apple é anual, etc... Ou seja, para quem quer começar a desenvolver é muito mais fácil.

Gertrudes, a Lhama Morta

VAI FALIR!

Pera, empresa errada.

Gertrudes, a Lhama Morta

Depende da ferramenta. Já trabalhei com apps híbridos, e fazer funcionar direito no iOS foi um inferno... a webview do Safari é uma porcaria. Depois, tive uma trabalheira pra adaptar pro iPhone X.

No Android sempre rodou de primeira, inclusive nos novos aparelhos 18:9

Seraph

Sim Sim, incentiva bem mais o desenvolvedor

Ed. Blake

É porque na App Store você tem duas opções:
- Fazer direito
- Não vender

Na Play Store a única opção é "gratuito ou pago".

Ed. Blake

Acho que o ponto aí é que iPhone não em APK crackeado.

Exibir mais comentários