Início » Internet » Associações acusam YouTube de coletar dados de crianças ilegalmente

Associações acusam YouTube de coletar dados de crianças ilegalmente

Emerson Alecrim Por

Uma coalisão formada por 23 organizações sociais dos Estados Unidos denunciou o YouTube à Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) sob acusação de que o serviço coleta, sem aviso ou autorização, dados de crianças com menos de 13 anos para fins publicitários, prática que é considerada ilegal no país.

O grupo é formado por entidades que lidam com direitos do consumidor, privacidade e, principalmente, proteção à criança, com destaque para a CCFC, organização que promove campanhas alertando sobre os malefícios da publicidade direcionada ao público infantil.

YouTube Kids

É uma situação complexa porque, na primeira olhada, o YouTube não está fazendo nada de errado. Para começar, a versão norte-americana do serviço informa em seus termos de uso que a plataforma não é direcionada a menores de 13 anos. Além disso, o Google oferece para esse público o YouTube Kids, plataforma que segue uma política de privacidade mais rigorosa.

Mas, para o grupo, não é bem assim. Diretor da CCFC, Josh Golin argumenta que, apesar de o YouTube informar a restrição de idade nos seus termos de uso, "o Google lucra imensamente entregando anúncios para crianças".

Para ressaltar a gravidade da situação, o grupo também alega que 80% das crianças norte-americanas com idade entre seis e 12 anos acessam o YouTube. Não por acaso, canais infantis estão entre os mais populares. É o caso do ChuChuTV Nursery Rhymes & Kids Songs (16 milhões de inscritos) e do LittleBabyBum (quase 15 milhões).

No entendimento do grupo, a maior parte desses acessos não é feita pelo YouTube Kids, mas pela versão convencional da plataforma, que pode coletar dados como geolocalização, número do celular e identificação do dispositivo.

YouTube Kids

YouTube Kids

Aqui é que a situação fica complicada: teoricamente, com os termos de uso determinando a restrição de idade, cabe então aos pais ou responsáveis controlar o acesso da criança ao YouTube. No entanto, as associações alegam que o Google sabe que uma enormidade de menores de treze anos acessa o serviço irrestritamente e tira proveito disso com anúncios.

Com 59 páginas, o documento entregue à FTC (PDF) cita declarações públicas de executivos do YouTube e materiais de divulgação entregues a provedores de conteúdo como evidências de que o Google conhece bem as faixas etárias que acessam a plataforma e deve, portanto, providenciar meios para deixar o serviço condizente com a lei Coppa, que estabelece normas rígidas para a privacidade das crianças.

"Embora não tenhamos recebido a denúncia, proteger as crianças e famílias sempre foi uma das principais prioridades para nós. Leremos a reclamação cuidadosamente e avaliaremos se há algo que podemos fazer para melhorar", disse o YouTube em comunicado.

Com informações: The Guardian.