Parece comida gourmet, mas Fusée Gelée é o nome de um exploit que afeta todas as unidades do Nintendo Switch e pode atingir qualquer outro dispositivo equipado com o chip Tegra X1, da Nvidia. É uma falha séria: com ela, o console pode ser hackeado para rodar código externo, desde jogos piratas até software maliciosos.

A falha foi reportada pela engenheira Katherine Temkin em conjunto com um grupo chamado ReSwitched. Ela afirma que decidiu tornar o problema público por conta da sua gravidade, mas que, antes disso, contatou a Nvidia e a Nintendo. A divulgação estava prevista para 15 de junho, mas um anônimo a vazou antes, razão pela qual a engenheira decidiu abordar o assunto agora.

Nintendo Switch

O que torna o problema grave é a impossibilidade de corrigí-lo. De acordo com Temkin, nenhum update via software vai corrigir a falha definitivamente. Pelo o que se sabe, o único jeito de evitar o Fusée Gelée é trocando os chips Tegra X1 por versões sem o defeito, mas isso é inviável: o Nintendo Switch já vendeu cerca de 15 milhões de unidades.

Não é que todas as unidades estejam sujeitas a um ataque em massa. A vulnerabilidade se manifesta no modo de recuperação do console. Nesse procedimento, é possível burlar a proteção do Boot ROM para inserir código externo e executá-lo. Só que, para iniciar o modo de recuperação, é necessário que dois pinos do Joy-Con direito se comuniquem.

É preciso fazer uma intervenção física no console, portanto. Mesmo assim, para muitos usuários a falha é bem-vinda, afinal, ela abre espaço para que jogos piratas ou emuladores de outros consoles sejam executados no Nintendo Switch, bem como funções extraoficiais — backup de games salvos, por exemplo.

No momento, o método existente para explorar a falha é uma prova de conceito feita em Python que exibe informações sobre o boot do Switch. Mas kits devem aparecer logo. O grupo hacker Fail0verflow, por exemplo, mostrou em um tweet muito sério uma pequena peça feita em impressora 3D para interconexão dos pinos do Joy-Con.

O grupo também colocou no YouTube um vídeo que exibe uma versão do Linux rodando no Nintendo Switch graças à falha. Eles haviam mostrado algo parecido em fevereiro, mas não tinham dado detalhes sobre a brecha explorada para isso.

Nvidia e Nintendo ainda não se pronunciaram sobre o problema. Mas, com o surgimento dos kits, é provável que a companhia japonesa opte simplesmente por bloquear o acesso das unidades do Switch alteradas via Fusée Gelée aos seus servidores.

De todo modo, quem quiser se aventurar precisará ter cuidado. Nada vai impedir que código malicioso (que captura dados, por exemplo) seja inserido no meio de jogos piratas ou emuladores. Além disso, o Fail0verflow alerta que, como as voltagens são controladas por software, o menor descuido pode causar danos permanentes ao console.

Com informações: TechCrunch.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Cobalto

Me diz a % de homebrew e a % de pirataria.

worldchanger

O problema é achar que isso se resume a pirataria. Homebrew não é pirataria. Adicionar novas features que a Nintendo não quer adicionar, também não. Vai ter pirataria? Provavelmente. Jailbreak é só pra pirataria? Lógico que não.

worldchanger

Ah, tá. TODO mundo vai baixar jogo pirata só porque pode. Ninguém nunca comprou um cópia original do Windows e de outros programas amplamente pirateados, tá certão mesmo.

leoleonardo85

Sim, mas vai fazer o que, pedir pra esses 15mi devolverem o console?

Fora que desses 15mi, tenho certeza que só uma parte vai realmente desbloquear, muita gente vai continuar jogando sem nem saber que essa brecha existe

Clodoaldo Santos

Nada de mais? Quase quinze milhões de gamers que não vão comprar jogos, que cá entre nós são mais que super-inflacionados.

Gesonel o Mestre dos Disfarces

Fazendo o mesmo aqui. xD

Rodrigo Gonçalves

Ui!

Emanuel Laguna

exato

Samuel Cabral

Não tem problema nenhum.. se não fizer a intervenção física o meu switch está seguro ;)

Cobalto

Espero que você esteja feliz estragando minha piada.

André Luiz

com 15 milhões de unidades vendidas vai ter q guardar o seu por uns bons 5 ou 6 anos pra valorizar....

Não vai ser como era no PS3 que os modelos destraváveis valorizavam porque quase todo mundo mantinha o seu atualizado, um ou outro que ficava em firmwares antigas

@Sckillfer

Foi usar o esquentadinho do Tegra quando todos já desistiram... Toma! Consoles curvos não era o suficiente.

Guilherme Almeida

sou gay

André Lima

Brigado por ter senso!

Programador Front-End

Jeilbreak feelings

Exibir mais comentários