No Brasil, filmes e séries precisam ter classificação etária, seja no cinema, na TV ou em serviços de streaming como a Netflix. Dessa forma, você sabe se o conteúdo é adequado para todas as idades ou apenas para maiores de 18 anos.

O Ministério da Justiça quer expandir essa regra para vídeos na internet. É uma tentativa de conter o impacto de youtubers populares em crianças de pouca idade.

YouTube Kids

Trata-se de uma série de debates que começou em março, reunindo especialistas e membros da sociedade civil. Para o ministro da Justiça, Torquato Jardim, é importante fazer essa mudança observando duas cláusulas da Constituição Federal: “a que diz que é livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato; e a que veda a censura”.

Nesta quarta-feira (25), o Ministério da Justiça e a Procuradoria Geral dos Direitos do Cidadão voltarão a realizar um debate sobre o assunto, desta vez focado em vídeos na internet e sites.

Atualmente, produtos culturais — séries, filmes e jogos — precisam ser analisados pela Secretaria Nacional de Justiça antes de serem lançados. Isso é feito por uma equipe composta por advogados, psicólogos, especialistas em mídia e professores. A ideia, segundo O Globo, é aplicar esse formato aos vídeos online.

Isso pode ser problemático devido à burocracia, mas talvez exista um meio-termo. Em 2012, o Ministério da Justiça criou uma polêmica por exigir que jogos e aplicativos distribuídos por meio digital — isto é, pela App Store ou Google Play — fossem analisados previamente para classificação etária.

Após críticas, a decisão foi revertida. As empresas distribuidoras podem autoclassificar seus jogos seguindo o padrão internacional IARC, um processo feito em minutos e que gera várias classificações oficiais ao mesmo tempo, para dezenas de países.

Ainda estamos bem no início do debate sobre classificação etária para vídeos online. Ou seja, deve demorar um pouco até que o Ministério da Justiça decida as regras de vez.

“Não se consegue organizar isso de uma hora para outra porque é algo que mexe com valores, com a relação entre adultos e crianças, com artistas que querem ter sua liberdade de expressão respeitada, e com o público infantil que também deve ter sua ingenuidade respeitada”, diz Regina de Assis, do conselho de especialistas do CGI.br (Comitê Gestor da Internet no Brasil), ao Globo.

Vale lembrar, no entanto, que a classificação indicativa “não substitui o cuidado dos pais”, como lembra o próprio Ministério da Justiça. Este é “um serviço de informação à população, cabendo aos responsáveis pelas crianças e adolescentes a decisão final”.

Com informações: O Globo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Uriel Dos Santos Souza

que besteira

Rafael Monteiro

a classificação é indicativa e auto-regulamentada, você não é proibido de ver nada e nem impedido de postar nada, regulamentação não é censura

zoiuduu .

não achei rsss.

𝕵𝖆𝖈𝕶 ⚡𝖎𝖑𝖘𝖆𝖓

Procure pelos vídeos comemorando os números do canal.

zoiuduu .

hehe vou atras desses video aí pra ver entao xD

Porto Velho

Perto do que o próprio YouTube faz isso ai não é nada. É só classificação indicativa, sem possibilidade nenhuma de censurar o vídeo.

𝕵𝖆𝖈𝕶 ⚡𝖎𝖑𝖘𝖆𝖓

O próprio criador do canal de vez em quando posta uns vídeos meio "relatório de desempenho", sabe? Neles ele fala da desmonetização que vive sofrendo, sem chegar a dizer qual vídeo foi alvo dessa agressão.

Douglas B

Vcs sempre tentam lacrar com esse "não quer, não assiste", como se fosse assim.
"Não gosta da Globo? Controle tá aí" - como se não houvessem outras pessoas ao seu redor todas assistindo Globo, até no restaurante tem lá a TV".
"Não gosta de Youtubers? Não vê" - como se a galera não te mandasse link dessas bosta, como se o YouTube não te recomendasse os vidros.
Esse argumento só seria válido se vivêssemos isolados da humanidade. Como vivemos em sociedade, temos que criticar sim o que nos incomoda.

zoiuduu .

Nunca ouvi desse canal, fui ver alguns videos e não achei nada demais, pode me indicar o video que vc faa q e non family friendly?

zoiuduu .

Mas o povo tá parecendo o senador que perguntou pro mark
"-como vc espera ganhar dinheiro com o facebook se ele é grátis?"
Ora pois, se cada vídeo tiver uma classificação etária, isso não impedirá ninguém de ver um vídeo +18 sendo que vc tem 13 anos, A maioria dos pais coitados sabem muito menos sobre computadores que as crianças, então não adianta falar pros pais fazerem um cadastro no site pro filho.

Paul

Mas ninguém é obrigado a ver vídeos desse tipo de ''criador de conteúdo'' que vc se referiu. Né aquele negócio da oferta e da procura?
Infelizmente acho que 98% do YouTube Mundial atualmente é baseado nisso.

𝕵𝖆𝖈𝕶 ⚡𝖎𝖑𝖘𝖆𝖓

oO??? Que??? 🤔

Programador Front-End

no cadastro já tem a "idade" da galera né

Anderson Antonio Santos Costa

Acho que a classificação indicativa em vídeos no YouTube poderia ajudar a Google a favorecer a monetização dos vídeos que seriam mais apropriados a anunciantes. Mas como o YouTube não faz, monetizando vídeos de Terra Plana que poderiam ser vistos por crianças, o governo faz bem em intervir.

Anderson Antonio Santos Costa

Acho boa a discussão da classificação indicativa em sites de streaming como o YouTube e a Netflix, esta última que já adota a classificação indicativa. Mas, me pergunto: Há algum outro país que há uma medida similar?
Vale notar que as empresas donas dos serviços oferecem apps voltados às crianças, como o YouTube Kids, mas lá se pode achar de tudo, inclusive teorias da conspiração e pseudociência.

Exibir mais comentários