A Samsung está lançando mais variantes do seu smartphone top de linha, o Galaxy S9, nos EUA. Eles vêm com mais armazenamento embutido, incluindo opções de 128 GB e 256 GB. Mas qual a necessidade disso, se eles têm suporte a microSD?

Como lembra o The Next Web, a linha S9 não tem um recurso do Android chamado “armazenamento adotável” (adoptable storage). Isso significa que não é possível salvar apps no cartão de memória, apenas seus arquivos pessoais como fotos e vídeos.

Para a maioria das pessoas, isso não deve ser um problema. Você pode tirar o microSD — com até 400 GB — e colocá-lo no computador, por exemplo, para transferir seus documentos.

No entanto, se você usa apps e jogos que ocupam muito espaço, talvez valha a pena investir em um aparelho com mais armazenamento interno — como é o caso do S9.

Estes são os preços sugeridos nos EUA:

  • Galaxy S9 de 64 GB: US$ 720
  • Galaxy S9 de 128 GB: US$ 770
  • Galaxy S9 de 256 GB: US$ 820
  • Galaxy S9 Plus de 64 GB: US$ 840
  • Galaxy S9 Plus de 128 GB: US$ 890
  • Galaxy S9 Plus de 256 GB: US$ 940

Vale notar que a Samsung cobra US$ 100 para aumentar o armazenamento de 64 GB para 256 GB. Enquanto isso, a Apple cobra US$ 150 pelo mesmo incremento no iPhone X.

O armazenamento adotável foi lançado com o Android 6.0 Marshmallow, em 2015. Ele integra o cartão de memória ao armazenamento interno, e permite salvar apps no microSD de forma criptografada. Isso é opcional, e está presente em dispositivos da Asus e Motorola.

Por padrão, o Android usa o modo “armazenamento portátil” para salvar arquivos no cartão microSD. Isso inclui músicas, fotos, vídeos e documentos, mas não funciona para apps.

Afinal, com o armazenamento adotável, fica mais complicado remover o microSD para usar em outro dispositivo: você precisa ir até as configurações e migrar os dados para o espaço interno. Algumas fabricantes, como a Samsung, não incluem esse recurso em seus smartphones.

Com informações: The Next Web.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rod

Não sei, depende da classe dele.

Lucas Henrique

Não, na verdade, eu pretendo depois de 2 anos, trocar o S8 pelo S10 ou S11 com + memória. Mas vou ficar com esse cartão até estragar. Isso quer dizer que ele não é bom né? Aff

Rod

Por curiosidade, no longo prazo, você pretende comprar sempre um SD maior e ir enchendo? Vai sempre ter toda a mídia armazenada localmente?

Rod

Sim.

Rod

Usa o Google photos?

Lucas Henrique

Foto e Vídeo, apenas.

Victor Serrão

Entendido. Mas será que com um A1 vai funcionar suave?

Diogo
Rod

Moto G2 chegou no Android 6.0?

Rod

Pra 4K 30 fps, acredito que até um Classe 6 seja suficiente.

Rod

Que eu mal lhe pergunte, do que consiste teus dados armazenados?

Gertrudes, a Lhama Morta

Cara, o objetivo de qualquer empresa (nos tops de linha, ao menos) é fazer o melhor (e cobrar mais caro por isso). Não entendi porque eles vivem à sombra do iPhone o.O

Talvez porque sejam um dos únicos que não tá copiando o que a Apple lança? (notch, remoção da headphone jack, câmeras que parecem um semáforo).

Quanto a ser melhor ou não, é subjetivo. Acho o hardware da Samsung simplesmente sensacional, o melhor do mercado, na verdade. Mas não curto o software deles, então não usaria. Pra mim o software conta mais, no final. Foi o software que fez eu vender o iPhone SE em 3 meses.

Rod

https://tecnoblog.net/20415...

Pule para o subtítulo "App Performance Class"

Victor Serrão

Esse cartão é muito mais rápido que um Microsd normal. E meu problema não é velocidade, jovem.

Rod

Tá explicado. Esse cartão é fraco pra ser usado como extensão da memória interna.

Exibir mais comentários