Início » Internet » Google Chrome aprende a silenciar sites com base no seu histórico de navegação

Google Chrome aprende a silenciar sites com base no seu histórico de navegação

Por
1 ano atrás

Em abril, o Google lançou o Chrome 66, cuja principal novidade é o bloqueio de vídeos que tocam automaticamente com áudio. O navegador descobre quando uma página tem autoplay com som e impede a reprodução. Mas como?

O Google explica, em um post no seu blog oficial, que o Chrome faz isso aprendendo suas preferências. Se você começar sem um histórico de navegação, o navegador libera o autoplay em mais de 1.000 sites, “onde vemos que a maior porcentagem de visitantes reproduz mídia com som”.

Foto por othree/Flickr

No entanto, à medida que você navega pela web, essa lista é alterada. O Chrome desativa o autoplay nos sites em que você silencia o áudio na maioria das visitas; e o mantém ativo nos outros sites.

No geral, segundo o Google, isso bloqueia cerca de metade das reproduções automáticas indesejadas. Mas será preciso clicar em “reproduzir” de vez em quando, para ensinar o navegador.

Enquanto alguns sites funcionam melhor com áudio — como o YouTube — outros usam isso de forma incômoda. “No Chrome, um número significativo de reproduções automáticas é pausado, desativado ou sua guia é fechada em seis segundos por pessoas que não querem isso”, diz o Google.

Por isso, o Chrome libera o autoplay se você tiver demonstrado interesse nos vídeos de um site. Isso é calculado através do índice de engajamento de mídia (MEI). Você pode visitar chrome://media-engagement/ para consultar os números.

Isso leva em consideração quatro fatores: se você consumiu áudio ou vídeo por mais de 7 segundos; se a aba com o vídeo está em primeiro plano; se o vídeo tem mais de 200×140 pixels; e se o vídeo tem som.

Desde o Chrome 64, também é possível silenciar sites específicos. Clique com o botão direito na aba e escolha a opção “Desativar som do site”. Também é possível ir em Configurações > Configurações de conteúdo > Som.

Com informações: Google, TechCrunch.

Mais sobre: , ,