Início » Negócios » Neon fecha parceria com Banco Votorantim para voltar a operar

Neon fecha parceria com Banco Votorantim para voltar a operar

Paulo Higa Por

A Neon Pagamentos teve suas operações afetadas depois que um banco parceiro, o Banco Neon S/A, foi liquidado extrajudicialmente por irregularidades. A decisão não envolve o serviço de conta digital e os cartões pré-pagos, mas a fintech precisa de uma instituição financeira autorizada pelo Banco Central para voltar a operar. Nesta segunda-feira (7), ela anunciou que fechou um acordo com o Banco Votorantim.

Desde sexta-feira (4), com o fim do Banco Neon S/A, os clientes da Neon Pagamentos S/A estão impedidos de realizadas determinadas operações. Esta página mostra que serviços como transferências, depósitos por boleto bancário, pagamentos de contas, recargas de celular e compras com cartão virtual estão inoperantes. Ainda é possível fazer compras no cartão de débito físico e sacar no Banco24Horas.

O recurso Objetivos também está indisponível. Ele consistia em uma aplicação (CDB) com liquidez diária que prometia render mais que a poupança (100% do CDI). Como esses investimentos eram realizados por meio do Banco Neon S/A, que foi liquidado, é necessário esperar que o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) libere a garantia, até o limite de R$ 250 mil por CPF.

A parceria com o Banco Votorantim permite que a Neon Pagamentos volte a oferecer os serviços atualmente indisponíveis. Não há prazo para a normalização; em comunicado à Folha, o Banco Votorantim diz que trabalha “para o restabelecimento integral de todas as suas atividades o mais rápido possível”.

O Banco Neon S/A, anteriormente conhecido como Pottencial, era uma instituição de pequeno porte, com cerca de R$ 200 milhões em ativos, o equivalente a 0,0038% do sistema bancário. Enquanto isso, o Banco Votorantim registrou R$ 93,5 bilhões em ativos em 2017, com um lucro líquido de R$ 582 milhões; em 2009, parte da instituição foi adquirida pelo Banco do Brasil.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

ProMaiden

De fato. Isso fez perder um pouco da confiança neles.

Ricardo - Vaz Lobo

Novos tempos, novos golpes. Se os bancões quiserem mesmo brincar no play, vão ter dormir e acordar entoando o mantra: Sem segurança eu não ganho dinheiro... Sem segurança eu não ganho dinheiro...
E comprar umas fintechs, óbvio.

Wellington Gabriel de Borba

O BB comprou 50% do BV em 2009, quando não existiam fintechs e o que é diferente dele ter o controle do BV.

Ecliptor

E o banco Itaú o dia todo hoje fora do ar. Sobra a suposta invasão ao Banco Inter... Será que os grandes bancos estão preparados para ser digitais?

Robert Rey

Agora eu já saquei tudo que tinha lá (uns 40 reais) e não pretendo colocar mais nada tão cedo. Não vou encerrar a conta (ainda) mas até o cartão eu já tirei da carteira.

Zé das Covi

~~encanto~~

Fogg Nelson

Kkkkkkkkkkkk

Ricardo - Vaz Lobo

Ou o BB enxergou uma maneira de entrar nesse novo mercado via uma fintech que ficou disponível, meio que por encanto.

Ricardo - Vaz Lobo

BB comprou 49,99% do BV em 2009. Hummm.....

Luander Falqueto Beltrame

Será que o pessoal da Neon Pagamentos foi pego de surpresa pra não ter feito nada antes? Por mais que já estejam resolvendo o assunto, deu uma bela arranhada na imagem.

Alisson Santos

Que bom que resolveram esta questão, eu ficaria muito triste se o Neon desaparecesse, foi a minha melhor experiência como cliente de um banco. O que me preocupa um pouco é o fato de o Banco do Brasil possuir 50% do Votorantim. Espero que o modus operandi da estatal não contamine a fintech.

Leon

Agora sim... Que ótima notícia, pelo menos para o pessoal da Neon Pagamentos.