Os testes com carros autônomos do Uber no Arizona, Estados Unidos, estão suspensos desde março, quando uma mulher morreu após ser atropelada por um dos veículos da frota. O assunto teve repercussão tão grande que a empresa tomou uma decisão drástica: não vai mais testar a tecnologia por lá.

Uber

A companhia não desistiu de criar um carro autônomo. Mas a saída do Arizona pode atrapalhar o desenvolvimento do projeto: o estado é uma das regiões preferidas pelo Uber, Waymo e Intel para testes com esse tipo de veículo por não ter uma legislação rígida o suficiente para limitar ou mesmo impedir a circulação de carros autônomos nas vias públicas.

No caso do Uber, os testes estavam sendo conduzidos no estado desde 2016. Era uma operação grande, que envolvia cerca de 300 pessoas, principalmente motoristas que monitoravam os testes e interferiam no controle do veículo em situações imprevistas.

Porém, no dia 18 de março, por volta das 22:00, um carro autônomo do Uber atingiu uma mulher de 49 anos que cruzava uma via na cidade de Tempe fora da faixa de pedestres. Ela chegou a ser socorrida, mas faleceu no hospital.

Os testes foram interrompidos depois disso, tanto por decisão do próprio Uber quanto por determinação do governo do Arizona. O acidente vem sendo investigado desde então, mas autoridades locais disseram em uma apuração preliminar que dificilmente o sistema do veículo teria conseguido evitar o atropelamento.

Mas as contestações não demoraram. Uma das linhas de investigação sinaliza que a motorista que monitorava o veículo olhava para baixo no momento do acidente e, portanto, as autoridades tentam concluir se ela poderia ou não ter evitado o impacto.

Carro do Uber acidentado

Além disso, o site The Information relatou recentemente que o próprio Uber teria constatado que o sistema do veículo falhou: supostamente, o software foi programado para ignorar falsos positivos, como pequenos objetos que surgem à frente, mas não representam risco; os sensores detectaram a mulher, mas a sensibilidade estava em níveis excessivamente baixos, razão pela qual o carro seguiu como se estivesse diante de um falso positivo.

O Uber não comenta abertamente o assunto porque as investigações ainda estão em andamento. Mas a decisão de abandonar os testes no Arizona foi confirmada. As 300 pessoas que auxiliavam no programa deverão ser demitidas.

A partir de agora, a companhia focará os testes em localidades como Califórnia e Pensilvânia, mas com promessa de um controle bem mais rigoroso para evitar outros acidentes fatais.

Com informações: Ars Technica.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rodrigo Dias Carvalho

Uber não está focado em esperar navegação autônoma, eles que estão criando a navegação autônoma. É muito diferente

Bernardo Rosenfeld M.

Pior que vi em alguns jornais também sobre ser homem e que a ciclista tinha trocado de faixa... e não que estava passando erroneamente numa pista sem faixa de pedestre nela (já que da pra ver ela atravessando a pé sem cuidado algum), tudo errado ahaahah o vídeo mostrando foi a melhor coisa até agora

Lucas Carvalho

em notícias anteriores aqui no Tecnoblog foi informado que era um homem: "Polícia libera vídeo do carro autônomo do Uber que matou pedestre"

EDIT: pesquisei e vi que é uma pessoa trans.

Emerson Alecrim

Era uma mulher mesmo:

https://www.theguardian.com...

ʞǝʌǝɥs

em princípio, no futuro (curto prazo, acho) vai ter uma porção de fornecedores de veículos autônomos, a começar obviamente pelos automakers: ford/gm/japoneses/chineses/europeus/etc...em outras palavras, veículo autônomo vai ser commodity...

enquanto isso, no modelo atual dá pra ganhar muito dinheiro, desde que tenha uma administração financeira responsável e não fique torrando dinheiro em veículos autônomos e "táxis aéreos"

como já falei antes, um monte de gente que antes nunca usava táxi agora usa Uber rotineiramente

Lucas Carvalho

"A motorista"? não era um homem?

Trovalds

O Uber na sua concepção foi pensada pra ser uma modalidade de transporte autônoma. Só que quando ela surgiu veículo autônomo era um recém-nascido e ainda não saía de pistas de teste controladas. A saída pra empresa foi criar o aplicativo e remunerar motoristas com os seus veículos particulares pra firmar a marca e criar nome no mercado. Futuramente, quando o carro com autonomia 5 for realidade, os motoristas e veículos particulares saem da equação. E outra: se o Uber abandona o projeto do veículo autônomo, joga alguns bons milhões fora e certamente quem dominar a tecnologia primeiro vai cobrar royalties por isso. Um dos players envolvidos, a nVidia, nunca que vai entrar num futuro consórcio pra tornar as tecnologias livres de royalties.

ʞǝʌǝɥs

tem muito dinheiro no negócio de transporte sob demanda, Uber tem que parar mesmo de torrar dinheiro nessa bobagem de investir em pesquisa de navegação autômoma...é muito mais negócio pro Uber esperar pela navegação autônoma se tornar uma commodity, e agora se dedicar a consolidar seu core business de transporte sob demanda...tem muito dinheiro a ser ganho aí...tiro isso porque hoje a quantidade de gente que hoje usa Uber e antes não usava táxi é enorme

Diogo

Depois desse acidente, deve ter vindo o nome daquele filme clássico dos anos 80 na cabeça dos diretores da Uber: "Arizona Nunca Mais"...