Início » Negócios » Por que a autoproteção é tão importante em um banco de dados autônomo

Por que a autoproteção é tão importante em um banco de dados autônomo

Proteger com automação é essencial para prevenir erro humano e roubo de dados

Por
20 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Bancos de dados autônomos já são realidade. Com uma tecnologia do tipo, procedimentos de otimização, reparação, escalabilidade e tarefas relacionadas são realizados pelo próprio banco de dados. E não pense que a segurança fica de lado: ela é permanentemente mantida graças à autoproteção.

Data center

Mas o que vem a ser isso? Por que o conceito é tão importante em um banco de dados autônomo? Como a autoproteção pode prevenir ataques ou invasões? As respostas para essas e outras questões estão nas próximas linhas.

Quando o fator humano pesa

Empresas e organizações de todas as áreas investem grandes somas de dinheiro para proteger sistemas e seus dados. As soluções vão desde políticas que evitam que funcionários usem senhas fracas até sofisticadas ferramentas que detectam intrusos ou mitigam ataques. Mas você já reparou que, apesar de tantos esforços, notícias sobre invasões e vazamentos de dados continuam surgindo?

Há situações em que a invasão é consequência de alguma vulnerabilidade que desenvolvedores ou analistas de segurança não conheciam. Porém, não são raros os casos em que o ataque poderia ter sido prevenido, mas não o foi porque uma falha humana colocou tudo a perder.

Reunião - computadores

Acredite, isso acontece com muita frequência, e por diversos motivos. Muitas vezes, o profissional responsável esquece ou adia a instalação de uma correção importante de software devido a outras prioridades. Também há situações em que a pessoa comete um erro durante o procedimento e não percebe que o sistema continua vulnerável. E, sim, há até casos em que o erro é proposital — gente mal-intencionada existe em todo lugar.

Também é importante levar em conta que a falha humana pode ser consequência das circunstâncias, como atualizações que demoram para ser aplicadas porque precisam passar por homologação, funcionários que não receberam treinamento adequado para lidar com determinados cenários ou equipes sobrecarregadas com um aumento repentino de alertas de segurança… só para dar alguns exemplos.

O papel da autoproteção em um banco de dados autônomo

Explicamos aqui o que é um banco de dados autônomo, mas eis um breve resumo: em soluções do tipo, várias tarefas até então realizadas manualmente para manter o funcionamento do banco de dados passam a ser feitas de modo automatizado, com auxílio de inteligência artificial e machine learning.

Por dar conta sozinho de várias tarefas, o banco de dados autônomo consegue ter um melhor desempenho e tornar toda a operação mais segura, diminuindo expressivamente os riscos de indisponibilidade.

Isso é possível porque uma das partes fundamentais de um banco de dados autônomo é autoproteção. Por meio dela, todas as atualizações de segurança são instaladas pelo próprio sistema em tempo hábil e sem intervenção humana.

Computação - IA

Além de evitar que um update importante seja negligenciado ou instalado incorretamente, a autoproteção analisa todos os aspectos funcionais e, assim, permite que o procedimento seja realizado em tempo de execução — profissionais de TI frequentemente precisam paralisar o banco de dados para evitar complicações.

Tem mais: a autoproteção também tem mecanismos que previnem ataques externos e internos (de usuários mal-intencionados, por exemplo), e é capaz de criptografar os dados automaticamente.

Todas as atribuições da autoproteção acabam não só protegendo permanentemente os dados e a aplicação, como também diminuem ou mesmo eliminam a necessidade de acessos desnecessários de administradores ao banco de dados.

Se há menos acessos de pessoas, há menos riscos de incidentes causados por falha humana. Outra vantagem é que os profissionais podem ser direcionados a atividades tão ou mais importantes do que aquelas relacionadas à manutenção do banco de dados. Ou seja, um banco de dados autônomo aumenta a eficiência da equipe da TI na medida em que a deixa livre para ser mais estratégica e menos operacional.

*****

Bancos de dados estão por todos os lados, afinal, esse é o tipo de tecnologia mais usado para armazenamento e gerenciamento de informações. É por isso que sistemas do tipo precisam ser monitorados e otimizados frequentemente. A boa notícia é que a automação pode prevenir incidentes, tornar as operações mais ágeis e, quando for o caso, até aplicar autorreparação.

Saiba mais sobre as vantagens de um banco de dados autônomo.