Início » Negócios » Linux Foundation comemora aquisição do GitHub pela Microsoft

Linux Foundation comemora aquisição do GitHub pela Microsoft

Por
19 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Microsoft confirmou na segunda-feira (4) que adquiriu o GitHub por US$ 7,5 bilhões. Alguns desenvolvedores foram pegos de surpresa: por muitos anos, a empresa não via projetos open-source com bons olhos — Steve Ballmer já chamou o Linux de “câncer”.

No entanto, desde que Satya Nadella assumiu o cargo de CEO, a Microsoft mudou de rumo. Em 2016, ela passou a fazer parte da Linux Foundation. E Jim Zemlin, diretor-executivo da fundação, quer deixar isso bem claro.

Foto por Microsoft

Scott Guthrie, da Microsoft, e Jim Zemlin em 2016

Por muito tempo, Zemlin criticou a Microsoft por travar uma guerra silenciosa contra o Linux, usando patentes que a empresa alegava serem relacionadas ao kernel. Mas ele reconhece que a empresa evoluiu desde então.

“Esta é uma boa notícia para o mundo do código aberto, e devemos celebrar a iniciativa inteligente da Microsoft”, diz ele sobre a aquisição. A empresa “tem os recursos e a experiência para melhorar o GitHub. Ela vai colocar Nat Friedman como CEO, alguém que eu conheço há anos e que é respeitado há décadas na comunidade de código aberto”.

O diretor-executivo lembra que a Microsoft se tornou um dos principais contribuintes para o Linux e Kubernetes; desenvolve e distribui produtos baseados em Linux; abriu o código do .NET; e apoia a Apache Software Foundation e a Open Source Initiative.

Além disso, Zemlin aponta que “dois dos projetos da Linux Foundation que estão crescendo mais rápido, Kubernetes e Node.js, são desenvolvidos no GitHub”. Nenhum desses projetos irá para as mãos da Microsoft após a aquisição; “eu conferi isso três vezes com nossos advogados”.

Basicamente, comprar o GitHub não significa comprar seus 70 milhões de projetos open-source. “Os tempos mudaram e é hora de reconhecer que todos crescemos — a indústria, a comunidade de código aberto, até mesmo eu”, diz Zemlin.

Chris Wanstrath (cofundador do GitHub), Satya Nadella e Nat Friedman

Para reforçar a mensagem, Nat Friedman — futuro CEO do GitHub — participou de uma sessão de perguntas e respostas no Reddit.

No geral, ele promete que nada vai mudar. Usuários perguntaram se haveria alguma integração com o Bing, Skype ou Office. Friedman nega: “não estamos comprando o GitHub para transformá-lo na Microsoft”. O máximo que vai acontecer é uma “integração total” com o Visual Studio Team Services.

Inclusive, ele promete que o Atom continuará a ser desenvolvido. Trata-se de um editor de texto voltado para programadores, assim como o Visual Studio Code. Friedman sabe que os usuários não ficariam felizes em serem forçados a mudar de ferramenta.

E quanto à migração de alguns projetos para o concorrente GitLab? O executivo diz: “admito que fiquei triste ao ver que alguns se sentiram compelidos a exportar seu código. Eu levo a sério a responsabilidade de ganhar sua confiança”.

Ele continua: “dito isso, a equipe do GitHub relata que o conjunto de usuários que migraram ou fecharam suas contas é extremamente pequeno, e isso é mais do que compensado pelo aumento de novos inscritos”.

Friedman é ex-CEO da Xamarin, que implementou o framework .NET entre diferentes plataformas, boa parte em código aberto. Ela foi adquirida pela Microsoft em 2016. Sua empresa anterior, Ximian, desenvolvia programas para Linux na plataforma GNOME.

Com informações: The Verge, Ars Technica.