Início » Antivírus e Segurança » Apple vai mesmo restringir acesso USB no iOS 12 para proteger o iPhone

Apple vai mesmo restringir acesso USB no iOS 12 para proteger o iPhone

Por
1 ano atrás

Entre os recursos do iOS 12 que a Apple não destacou durante a última WWDC está a desativação da porta USB caso o iPhone fique uma hora ou mais sem ter sido desbloqueado. Recentemente, a companhia confirmou que o recurso vai ser nativo da plataforma. Tem uma turma que não gostou nem um pouco disso: as polícias dos Estados Unidos.

iOS 12 beta: veja como baixar e instalar no seu iPhone

iPhone X e iOS

Quem acompanha de perto o ecossistema do iOS já sabia que o recurso estava a caminho. Ele apareceu pela primeira vez no beta do iOS 11.3 e, posteriormente, no beta do iOS 12. No Modo Restrito do USB (em tradução livre), como é chamado, a porta Lighting do iPhone ou iPad é “travada” após o dispositivo ficar pelo menos uma hora sem ser desbloqueado. Só a função de recarga da bateria permanece funcionando.

Com isso, o acesso aos dados por meio da conexão de dispositivos externos é dificultado. A Apple diz que o objetivo é ajudar o usuário a se defender de invasões e roubos de dados pessoais. A companhia não fez nenhuma menção à GrayKey, mas é visível que a ideia também é dificultar o uso desse equipamento.

FBI, DEA e as polícias de pelo menos cinco estados norte-americanos usam a GrayKey. Criado pela Grayshift, o dispositivo é um caixinha com dois cabos Lightning acoplados que consegue descobrir a senha do iPhone em questão de horas ou, dependendo do tamanho da combinação, minutos.

Não é uma solução barata: a GrayKey “de entrada” custa US$ 15 mil, está limitada a 300 desbloqueios e exige conexão à internet. Existe uma versão sem limite de uso e que funciona offline, mas ela custa o dobro do preço.

GrayKey (Foto: MalwareBytes)

GrayKey

Hillar Moore, procurador público de Luisiana, é uma das várias autoridades que manifestaram descontentamento com a medida: “eles [a Apple] estão protegendo descaradamente a atividade criminosa e dando como desculpa o reforço da privacidade de seus clientes”, disse ao New York Times.

Na verdade, o que as autoridades norte-americanas queriam mesmo é uma espécie de “chave mestra” para acessar os iPhones de suspeitos ou investigados facilmente. Mas a Apple se nega a disponibilizar um recurso do tipo temendo excessos que podem levar à quebra de privacidade do usuário.

A Grayshift promete reagir. Sem entrar em detalhes, a empresa informou à Motherboard que já conseguiu burlar o bloqueio do USB nas versões beta do iOS. Além disso, a companhia dá a entender que a GrayKey terá novas funcionalidades que tornarão o seu trabalho mais eficaz.

Com informações: TechCrunch.

Mais sobre: , , , ,