Início » Negócios » Xiaomi faz estreia tímida na bolsa de valores de Hong Kong

Xiaomi faz estreia tímida na bolsa de valores de Hong Kong

Por
1 ano atrás

A entrada na bolsa de valores é um momento marcante para qualquer grande empresa. Todas esperam arrecadar quantias altas para fazer suas receitas crescerem ainda mais. Nesta segunda-feira (9), quem deu esse passo foi a Xiaomi, que passou a ser listada na bolsa de Hong Kong.

O desempenho, no entanto, ficou bem abaixo do esperado. Inicialmente, a companhia acreditava que a entrada na bolsa poderia elevar seu valor de mercado para US$ 100 bilhões. Ao final do pregão, ela foi avaliada em “apenas” US$ 53,3 bilhões.

Xiaomi

Isso porque a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) levantou somente US$ 4,7 bilhões. As ações começaram a ser vendidas a 16,54 dólares de Hong Kong (HK$). Pouco tempo depois, caíram para HK$ 16,02 e, em seguida, se recuperaram para HK$ 16,98.

Elas fecharam o dia em HK$ 16,80 (R$ 8,30 na conversão direta), abaixo do preço de tabela inicial de HK$ 17 (R$ 8,40).

Em uma cerimônia antes da abertura da bolsa, o CEO da Xiaomi, Lei Jun, disse que os mercados globais estão em “fluxo constante” por conta da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Porém, o executivo disse que o cenário não reduz a confiança na empresa.

“Ainda que as condições estejam longe das ideais, acreditamos que uma grande empresa ainda pode enfrentar o desafio e se diferenciar”, disse. Para isso, a empresa busca aumentar suas receitas de duas formas.

Valor das ações da Xiaomi ficou abaixo do esperado

Uma delas está baseada na oferta de serviços. Atualmente, a venda de dispositivos da Xiaomi tem uma margem de lucro de apenas 5%. Por isso, planos de internet e streaming de vídeo são apontados como alguns dos meios para aumentar os ganhos.

A Xiaomi tamém trabalha em um plano de expansão internacional. Recentemente, ela se tornou a principal marca de smartphones na Índia. A companhia passou a vender seus dispositivos na Europa há alguns meses, e tem planos de levá-los para os Estados Unidos em 2019.

Caso os planos sejam bem-sucedidos, os investidores deverão aumentar a confiança na empresa, que registrou prejuízo de quase US$ 7 bilhões em 2017.

Com informações: ReutersTechCrunch.

Mais sobre:
Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários aqui.