Início » Aplicativos e Software » WhatsApp limita encaminhamento de mensagens para evitar fake news

WhatsApp limita encaminhamento de mensagens para evitar fake news

Atualização do WhatsApp que restringe recurso de encaminhar vídeos, áudios e outras mensagens chega após linchamentos na Índia

Paulo Higa Por

O WhatsApp continua lançando funcionalidades para combater fake news depois que 27 pessoas morreram na Índia devido a boatos espalhados pela plataforma. Na noite desta quinta-feira (19), o aplicativo de mensagens começou a limitar o recurso de encaminhar mensagens, em uma tentativa de impedir que conteúdos falsos viralizem.

WhatsApp / Pixabay

A mudança já entrou em vigor no mundo inteiro, embora o WhatsApp esteja tratando-a como um “teste”. Com a atualização, os usuários poderão encaminhar uma mensagem para no máximo 20 pessoas ou grupos por vez. É uma redução bem drástica: até então, todos podiam espalhar um conteúdo para até 250 chats por vez.

A ideia é que as fortes restrições dificultem que as mensagens se disseminem rapidamente dentro do WhatsApp, especialmente boatos e spam — embora não acabe com o problema. Como o aplicativo de mensagens tem criptografia de ponta a ponta, é difícil saber a origem de um boato ou mesmo filtrar informações enganosas.

Na Índia, “onde as pessoas encaminham mais mensagens, fotos e vídeos que qualquer outro país no mundo”, segundo o WhatsApp, o limite será de apenas 5 chats por vez. Além disso, o recurso que permite encaminhar um conteúdo rapidamente não estará mais disponível no país.

Em nota, a empresa diz que as mudanças "vão ajudar a manter o WhatsApp do jeito que ele foi projetado para ser: um aplicativo de mensagem privadas". Outras atualizações para combater desinformação "continuarão sendo avaliadas", segundo o WhatsApp.

Mais sobre:

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Maristela Lanna
O meu whWhats atualizou e já estou enviando mensagem só pra 5 pessoas.
Mendonza
Ué, o que mais tem nos meus 200 contatos são os zé da padaria, maria do salão de beleza, etc auehauehaueh. E essa tia a que me refiro, é bem classe c mesmo, dona de pizzaria, ex pedagoga e etc.
Luca
Brother, vc tá baseando uma afirmação sobre pelo menos 100 milhões de pessoas em 200 contatos do seu círculo? Bem perigoso isso, aí, beirando uma fake news.Pense no Seu Zé da padaria, o João da oficina, a Maria do salão de beleza. Pessoas comuns, classe C, D e E, que têm pouca instrução. Pessoas que acreditam em promessa política, que compartilham foto do cara com camisa da Brazzers acreditando que é um jovem cientista brasileiro que ganhou prêmio internacional. Eles não são a exceção, eles são a maioria.Existe casos assim nas classes A e B também, claro. Só que, nessas, é mais fácil encontrar gente com discernimento, mas desconfio que esses também não são maioria nessas classes.
Mendonza
Estamos em 2018. Qualquer cérebro saudável já consegue 'farejar' fake news em boa parte dos casos. Eu devo ter pouco mais de 200 contatos no whatsapp, e só uma tia do interior que espalha anticristo, terraplanismo, nibiru, etc pra cima e pra baixo.
wjld
Hmm. Mas da mesma forma, se alguém encaminhar uma mensagem minha sem que eu saiba, meu número vai rodar o mundo. Não acho legal. Seria melhor reduzir o encaminhamento ate onde der mesmo.
Daniel Ribeiro
No Whatsapp é pior que o Telegram neste sentido... No Whatsapp o seu NÚMERO DE TELEFONE fica relacionado a sua mensagem. O telegram pelo menos esconde seu telefone.Pela nossa proposta, o Whatsapp tem que revelar o autor original de cada mensagem, assim vai aparecer lá nos meta-dados a origem da mensagem: +551198765432 em 20/07/2018.Ou seja, se você resolver mandar uma mensagem com alguma notícia falsa, ou caluniando alguém, ou com algum conteúdo criminoso... A mensagem vai com seu número de telefone junto.
wjld
Sim, é o mínimo e faço isso com frequência. Mas tem muitas (muitas) pessoas que simplesmente não entendem, ou às vezes são só crédulas mesmo. A grande maioria dos usuários do WhatsApp são pessoas comuns, que têm na sua maioria pessoas com pouca ou mínima instrução. Elas não sabem, não tem paciência ou não lembram de checar a veracidade.
wjld
Não uso Telegram, por isso não entendo. Como ficaria o nome da pessoa que enviou? No WhatsApp perfis não são públicos, ficaria so aquele nomezinho mesmo?
Jonathan Zanella
Envie essa mensagem para 50 amigos pro WhatsApp não bloquear o seu envio de mensagens, haha
avinicius
Criptografia não impede isso.
avinicius
Pra melhorar só basta virar o Telegram.
Ed. Blake
Não existe medida de segurança que não implique diretamente no conforto do usuário.
Matheus Gonçalves
É o MÍNIMO que eu espero também.
Matheus Gonçalves
Criptografia, cara. Não vai rolar isso que você descreveu, pra manter a segurança. Isso teria que ser opcional, senão a empresa poderia tomar um processo enorme.
kadu
Se for nesse sentido, o mínimo a se fazer é não criar nem compartilhar fake news. Mas...
John Smith
"E você acha que as pessoas vão se dar o trabalho de ficar pesquisando pra ver se tudo o que recebem é boato ou não?"E não é esse o mínimo a se fazer? Se a pessoa não sabe se algo é verdadeiro, pode espalhar uma potencial desinformação por mera preguiça?
Livia Lins
Isso também vale para o Business?
Daniel Ribeiro
Isso ☝️Bota o autor da mensagem original... Não importa criptografia, isso faz parte dos meta-dados da mensagem e não fica criptografado. É o jeito mais fácil de encontrar a origem da informação.
Vitor Mikaelson
Finalmente uma boa noticia. Para melhorar, poderiam colocar de quem é a mensagem original, como o Telegram faz.
Vitor Mikaelson
Há realmente necessidade legitima de compartilhar mais para mais de 20 pessoas/ou/grupo ao mesmo tempo a mensagem?
Rookie naz
Aí a fake news diz: "o governo tá obrigando o WhatsApp a limitar o compartilhamento....."
Jonas S. Marques
Você está ignorando totalmente o fator criptografia. Isso nunca daria certo e, se é pra escolher entre ter criptografia e opção de encaminhar mensagem, por mim que removam a função de encaminhar mensagem.
grande_dino_2
E você acha que as pessoas vão se dar o trabalho de ficar pesquisando pra ver se tudo o que recebem é boato ou não?Além de existir o viés da confirmação, que pode muito bem anular qualquer pesquisa que a pessoa faça.
DeadPull
Seria mais interessante se o WhatsApp informasse a origem do encaminhamento em vez de simplesmente restringi-lo.Imagina que o WhatsApp informa quem criou originalmente aquele conteúdo que está sendo espalhado pela rede. Então você recebe um encaminhamento de uma informação produzida originalmente pelo louro José. Você já sabe que o louro José tem um histórico de criar fake news. Então você não vai espalhar ainda mais esse novo boato. Mas se você recebe um encaminhamento de uma informação produzida originalmente pelo William Bonner, e você sabe que ele só produz conteúdo legítimo, você não verá problema em encaminhar aquela informação. Isso seria bom até pra evitar que os justos paguem pelos pecadores.
Robert Rey
Isso prejudica quem quer compartilhar conteúdos legítimos. Como sempre os justos pagando pelos pecadores.
John Smith
Só jogar um trecho da notícia ou manchete na internet + farsa ou boato e pronto. Existem alguns sites que são dedicados a esclarecer isso. Mesmo assim tem gente que sai clicando e acreditando em tudo...A maior parte dessas fake news circulam há anos.
VolksW4GNER
Um problema que nunca será solucionado.
Ramon
Calma que o brasileiro já arruma um jeito de espalhar mais fake news ainda. E dentro do próprio app.
DeadPull
Tiro no pé do Facebook. Isso não vai adiantar de nada. Seria mais interessante se o WhatsApp informasse a origem do encaminhamento em vez de simplesmente restringi-lo.Seria assim: imagina que o WhatsApp informa quem criou originalmente aquele conteúdo que está sendo espalhado pela rede. Então a pessoa recebe um encaminhamento de uma informação produzida originalmente pelo louro José. A pessoa já sabe que o louro José tem um histórico de criar fake news. Então ela não vai espalhar ainda mais esse novo boato. Mas se a pessoa recebe um encaminhamento de uma informação produzida originalmente pelo William Bonner, e sabe que ele só produz conteúdo legítimo, então não verá problema em encaminhar aquela informação. Isso seria bom até pra evitar que os justos paguem pelos pecadores.Mas do jeito que estão as coisas, as pessoas só sabem que a informação foi encaminhada, mas não sabem sua origem. Logo, não tem como saber se a informação é verdadeira ou falsa, de modo que vão continuar encaminhando até o infinito.
Seraph
É uma ótima iniciativa. Finalmente algo relevante em atualizações