Início » Brasil » Justiça do Rio de Janeiro faz primeira mediação pelo WhatsApp

Justiça do Rio de Janeiro faz primeira mediação pelo WhatsApp

O WhatsApp foi usado realizar uma audiência com um brasileiro que vive em Angola

Victor Hugo Silva Por

O WhatsApp tem um papel tão importante no Brasil que há muito tempo deixou de ser somente uma ferramenta de comunicação entre amigos. Ele também é muito usado por uma série de empresas e, agora, está sendo adotado pelo setor público.

Na última terça-feira (17), o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) do Fórum Regional da Leopoldina, na Zona Norte do Rio de Janeiro, promoveu a primeira mediação no estado com a ajuda do WhatsApp.

Justiça do Rio de Janeiro usa WhatsApp em mediação

O Judiciário fluminense usou o aplicativo para realizar uma audiência que discutiu uma partilha de bens entre um brasileiro que está em Angola e sua ex-esposa que mora no Brasil. Por meio da videochamada, a pessoa que está distante pode aparecer em uma televisão do tribunal e manter o andamento do processo.

“Eu acho que o principal benefício é escapar de um cenário desagradável da Justiça que, às vezes, por impedimento de viagem ou questão de saúde a pessoa não pode estar presente, e assim pedir o adiamento da audiência”, avalia o coordenador do Cejusc, juiz André Tredinnick. Segundo ele, até mesmo o uso do papel pode ser dispensado, já que todo o procedimento é digital.

A ação faz parte do projeto Justiça Digital, criado pelo Núcleo Permanente de Solução de Conflitos (Nupemec) do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Apesar de ter permitido a audiência com alguém fora do Brasil, o programa foi criado especialmente para atender as necessidades da população do Rio.

A coordenadora do projeto, Evelyn Isabel Castillo Arevalo, diz que muitos moradores de áreas de risco deixam de cumprir decisões judiciais por não receberem as intimações e as citações. Para contornar esse problema, a saída foi encontrar um projeto acessível para essas pessoas.

“Na videoconferência, são precisos dois computadores, o daqui e o de lá. Só que a maioria delas nem tem computador em casa, então eu consegui identificar que elas tinham um áudio com telefone no WhatsApp”, explica. Com isso, são grandes as chances de que a pessoa tenham um celular que possa ser usado em uma videochamada.

Evelyn diz que, ao usar o WhatsApp, o tribunal pode reduzir as despesas como envio de cartas e acelerar o ritmo do processo com poucos equipamentos. “Mesmo que o acordo não tenha acontecido no primeiro contato, abrevia o tempo, custos e facilita a aproximação para o diálogo e sanar impasse”.

Com informações: TJ-RJ.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Reinaldo

Gostei foi daquela estruturazinha alí no canto para espelhar o celular. Deve ser bom até para fazer reunião com clientes.

Caleb Enyawbruce

tudo q for pra desburocratizar é bem-vindo

Marcos Guilherme

Queria ver um dia em que esses processos judiciais cheios de papeis tornassem digitais, diminuindo a burocracia. Parabéns pela iniciativa.