De acordo com uma pesquisa realizada pelo Banco Central, 4% dos brasileiros não utilizam mais dinheiro vivo para compras. A pesquisa foi realizada em abril deste ano e divulgada nesta quinta-feira (19), mostrando ainda que o uso do cartão de débito aumentou e já passa o da modalidade crédito.

Em outro questionamento feito em 2013, bastante semelhante ao que foi publicado nesta semana, 35% dos entrevistados afirmaram utilizar o cartão de débito como principal forma de pagamento, agora este número saltou para 52%. Em crescimento bem menor, o cartão de crédito passou de 39% para 46% e fez uma curva para não ser a forma de pagamento em cartão mais utilizada.

Quando a pesquisa perguntou a frequência de uso do cartão, os entrevistados responderam que o valor tende a decidir se é cartão ou se o dinheiro vivo será utilizado. Ou seja, quando o valor da compra é pequeno, como alguns pães na padaria, as pessoas tendem a escolher o dinheiro, deixando o cartão para quantias maiores.

Para deixar a vida do dinheiro vivo ainda mais difícil (e do comércio ainda pior para encontrar troco), a pesquisa também incluiu uma pergunta sobre moedas. Somente 54% responderam que carregam moedas para ajudar no troco, ou para pagamento de valores bem pequenos - coisa rara hoje em dia. Do total, 26% guardam moedas em casa ou no trabalho.

Na minha carteira vivem uns R$ 10 ou R$ 15, mas em esquema de férias - vivem poucas vezes por ano. Moedas foram abolidas e ficam lá no cofrinho para comprar pão, sem precisar levar a carteira inteira. Por aqui, aplicativos de delivery de comida e os recentes que também contam com delivery de mercado tornaram a vida do dinheiro de verdade ainda mais rara. E com vocês? Estão na mesma situação?

Com informações: Folha de São Paulo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

gabriel

Ótimo, você já começou indicando o caminho: reforma urbana. Passou da hora de expropriar a maior parte das propriedades e distribuir para o povo. O mesmo vale para reforma agrária e para a tributária.

Felipe Costa Gualberto

O trabalhador "explorado" não monta uma empresa porque basicamente é basicamente é proibido montar uma empresa no Brasil.
Vamos pegar de exemplo um trabalhador pobre, morador de favela. Se ele quiser investir em meios de produção (máquinas de costura) para começar a empreender, irá precisar de crédito. Para arrumar crédito, precisa de dar algumas garantias a um banco, como no mínimo um endereço fixo. Como morador de favela, o município não reconhece a propriedade dele. Embora ele more no mesmo local há 20 anos, não possui um endereço fixo legal, então não consegue crédito. Ele não pode tomar crédito através de contratos com alguém da comunidade ou um amigo, porque o governo brasileiro trata como criminoso quem empresta dinheiro que não esteja na listinha de bancos dele (enquanto isso, o mesmo governo empresta bilhões aos colegas do BNDES a juros mais baixos que esse trabalhador sequer um dia conseguirá pegar).
Mesmo que ele arrume dinheiro e endereço físico, que são gigantescas barreiras de entrada no mercado, o investimento dele em meios de produção será limitado, porque máquinas de costura melhores que as nacionais, quem vem do exterior, são taxadas pesadamente por um governo protecionista que temos (Cuba tem o mercado internacional mais aberto que o Brasil).
Se ele conseguir superar todas essas dificuldades e quiser operar legalmente, terá que esperar mais de 90 dias para abrir a empresa, terá que pagar alvarás para a prefeitura, e todo serviço obviamente terá que pagar imposto e tentar sobreviver com o que sobra.
Entendeu agora que o problema é o governo e não o empresário, seu idiota?
E antes que use o seu casco pra continuar defendendo esse sistema de exploração de indivíduos, saiba que apenas 1,5% - isso mesmo, um e meio porcento - de todos os empresários do Brasil ganham mais de 9 mil reais por mês. 60% deles não ganham sequer 3 salários mínimos.
Na sua visão limitada e ideológica, todo empresário é o homem branco grisalho de terno que acorda pensando em como escravizar seus trabalhadores, mas a realidade mostra que a esmagadora maioria são donos de boteco, salão de beleza, lojinhas e autônomos que merecem ser chamados de heróis por conseguirem se manter nesse sistema de exploração.

gabriel

Provavelmente porque… ele não tem o monopólio dos meios de produção que o patrão tem. O mundo do trabalho não é essa terra de fantasia com unicórnios que os liberaloides pintam.

Felipe Costa Gualberto

Por que o trabalhador não monta a própria empresa dele então ao invés de ser explorado?

gabriel

O nome desse contrato em que um sujeito (o patrão) rouba a maior parte da riqueza produzida por outro sujeito (o trabalhador) chama "trabalho assalariado".

Por isso que lugar de capitalista é na ponta do fuzil. #pas

kadu

Eu não teria motivo nenhum para mentir aqui, concorda? Afinal, não sou acionista do Itaú. Moro em Vitória/ES há dois anos e minha agência do Itaú fica em Itaboraí/RJ, e NUNCA, durante todo esse período, precisei ir a um guichê de caixa.

Não é que nenhuma situação exija ir ao guichê, mas estou dizendo que na minha experiência pessoal, isso nunca foi necessário desde que me mudei, sacou?

A propósito: você está enganado. Para liberar o iToken no aplicativo, basta ir ao caixa eletrônico de qualquer agência. E se tiver trocado de celular, é só cadastrar o iToken no novo aparelho (e habilitar no caixa eletrônico) que o antigo é cancelado. Aliás, se você tem iToken por SMS, nem precisa desbloquear o aplicativo se não quiser, só precisa informar o código SMS sempre que fizer uma transação.

Corvo

Já tem uns 3 anos que praticamente não uso dinheiro, de 2 anos pra cá até pão pago no cartão, se gasto uns 20 reais em espécie por mês é muito, agora estou passando a usar dinheiro novamente pois a maioria dos postos de combustível estão cobrando menos para pagamento em espécie.

Will

Muito melhor! Guia Bolso é muito capado

Tiago Tedesco

Também não é pra tanto, se é pra mentir, seja razoável, ainda mais Itaú, APP dificilmente da problema, mas da, reset ou troca de celular só desbloqueia o APP indo no caixa, tmbm sou itau e tambem nao tenho eles na minha cidade.

Sergio Monteiro

Melhor que o GuiaBolso, Otto, etc?

xmL2512

Não, não está realmente. E o povo também não cobra e não fiscaliza. Aí da nisso!

Felipe Costa Gualberto

Hhahahaha tá funcionando muito bem, né? Nossos administradores públicos são ótimos, inclusive os de carreira.

Felipe Costa Gualberto

Errado. Imposto é roubo porque é apropriação de propriedade à força sob ameaça de multa, prisão ou morte.

Felipe Costa Gualberto

Eu não sonego porque se eu não pagar, uma organização criminosa irá me perseguir até eu pagar, mediante ameaça de multa, prisão e até morte.

Felipe Costa Gualberto

Não existe Contrato Social, marxista. Eu nunca assinei nenhum contrato com o governo quando nasci, dando-lhe autorização para escravizar 40% de toda minha produção. Mesmo que assinasse, seria um contrato inválido. Imagine só um contrato em que você pode escravizar 40% da propriedade de outro indivíduo. Use a cabeça.

Exibir mais comentários