Início » Negócios » Samsung diz que vendas do Galaxy S9 não estão boas

Samsung diz que vendas do Galaxy S9 não estão boas

Lucro da divisão de dispositivos móveis caiu 34%; negócio de semicondutores continua dando bastante dinheiro aos coreanos

Por
1 ano atrás

A Samsung divulgou nesta segunda-feira (30) o relatório financeiro do segundo trimestre de 2018, mostrando que o lucro operacional da divisão de dispositivos móveis caiu 34% em relação ao mesmo período do ano passado, para US$ 2,7 bilhões. O principal culpado é o Galaxy S9, que está vendendo menos que o esperado, como a Samsung já havia adiantado.

A empresa vem sofrendo forte competição na China, onde as fabricantes estão lançando smartphones por preços menores e obrigando a Samsung a diminuir suas margens. A Samsung enviou ao mercado 80,1 milhões de celulares no primeiro trimestre de 2017, contra 78,2 milhões um ano depois. Enquanto isso, a Huawei subiu de 34,5 para 39,3 milhões; e a Xiaomi quase dobrou, de 14,8 para 27,8 milhões.

Não há números exatos de vendas do Galaxy S9, mas a Samsung diz que os gastos com marketing cresceram e a meta de unidades comercializadas não foi atingida. Os analistas estimam que a empresa deve fechar 2018 com 31 milhões de Galaxy S9 vendidos, bem menos que os 50 milhões do Galaxy S7. Além disso, este deve ser o pior Galaxy S em vendas desde o Galaxy S III, lançado em 2012.

A divisão de telas da Samsung também sofreu com a redução no volume e no preço das telas LCD, bem como a baixa demanda por painéis OLED flexíveis, como os do iPhone X. No entanto, os resultados devem melhorar no segundo semestre de 2018, com o lançamento dos novos iPhones.

Se os smartphones e as telas da Samsung não estão muito bem, a divisão de TVs e eletrodomésticos teve lucro de US$ 456 milhões, graças ao aumento das vendas na Copa do Mundo; e a galinha dos ovos de ouro continua sendo o negócio de semicondutores, que representa quase 80% da receita da companhia, impulsionado pelos mercados de computação em nuvem e mineração de criptomoedas.

Com informações: Reuters, Bloomberg.

Mais sobre: ,