Na noite desta segunda-feira (6) a SpaceX, empresa de Elon Musk que foca na exploração espacial, conseguiu a proeza de colocar em órbita um satélite utilizando pela segunda vez a versão final do Falcon 9, com nome de Block 5.

O Falcon 9 já fez história ao ser utilizado em várias missões para colocar satélites em órbita e voltar para Terra. O que chama atenção desta vez é que esta é a primeira vez que o Block 5 é utilizado em uma missão depois de ter voltado de outra – ou seja, ele foi reutilizado com sucesso. Entre o fim de ontem e o começo da manhã de hoje, um satélite chamado Merah Putih, criado na Indonésia para a operadora PT Telekom, foi lançado em órbita a partir do Cabo Canaveral, nos Estados Unidos.

Em maio deste ano esta versão do Falcon 9 foi utilizada pela primeira vez, então a SpaceX desmontou o foguete após o retorno e montou novamente, sem a necessidade de qualquer manutenção entre o primeiro e o segundo lançamento. O objetivo com esta variante é de conseguir funcionar (indo e voltando) por mais 10 vezes antes que manutenção ou reparo sejam necessários.

Foguetes reutilizáveis podem diminuir drasticamente o custo de envio de qualquer coisa para o espaço, já que não é necessário construir outro veículo do zero para cada missão – imagine o custo de uma viagem de avião, onde cada trecho precisa de um avião novinho saindo da fábrica. Entendeu agora?

Esta não foi a primeira reutilização de um foguete pela SpaceX, que já acumula 28 retornos para a Terra de foguetes enviados ao espaço. Para o ano que vem, Elon Musk espera poder lançar o Falcon 9, pousar e lançar novamente em 24 horas.

Todos os passos, incluindo decolagem e retorno, foram e continuam sendo compartilhados pela conta oficial da SpaceX no Twitter e ao vivo em transmissão feita pelo YouTube (no vídeo acima).

Com informações: Engadget, Mashable e SpaceX.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

DumbSloth87

Pra isso implementaram até um sistema pra fechar as "pernas" de volta, nos "antigos" block I-IV as pernas tinham que ser removidas.

3-6-9

É importante esclarecer aos leitores do Tecnoblog que a SpaceX desmontou este exemplar por ser o primeiro do tipo a voar e apenas para verificar se os componentes estavam íntegros e funcionais como deveriam.

Nesta versão final do Falcon 9 (Block 5) não é necessária nenhuma manutenção entre um lançamento e outro, apenas inspeções, até o décimo lançamento. E a cada 10 lançamentos são necessárias pequenas manutenções, mas o foguete não precisará ser totalmente desmontado como foi o caso deste.