Com retorno prometido para este ano e com a conta de apenas cinco meses restando para o fim de 2018, o único smartphone da Palm que apareceu em alguma agência reguladora no planeta parece não ser tão empolgante assim.

Foto por anthony_goto/Flickr

De acordo com informações do site Android Police, temos apenas o nome do modelo que será lançado, PVG100, e alguns dados sobre a forma como ele funciona em redes Wi-Fi. O que chama atenção é a falta de suporte para redes de 5 GHz, o que pode deixar claro que ao menos este modelo não é tão incrível como poderia ser.

Ao menos a versão do Android que rodará no dispositivo é a Oreo (8.1), mas a ausência de antena para redes mais velozes do que 2.4 GHz coloca o dispositivo em uma categoria de intermediário mais simples.

Além destes dois dados, não há nada em lugar algum – até o momento. Principalmente o quanto do legado da Palm será inserido neste gadget, seja por um teclado físico deslizável como aconteceu no Pre, ou então se ele será apenas um Android qualquer que tem nome de marca conhecida – como acontece hoje com a Nokia.

 

Palm Pre, lançado em 2009 (imagem: divulgação)

O Pre foi lançado há quase 10 anos e foi um dos primeiros aparelhos com o também extinto webOS, que foi comprado pela HP quando levou a Palm inteira e depois pela LG, que utiliza o sistema operacional até hoje em seus aparelhos de TV inteligentes.

Vale lembrar que a Palm faz parte da TCL, grupo chinês que recentemente lançou alguns produtos no Brasil, incluindo smartphones mais simples. Outras marcas que são controladas pelo mesmo grupo incluem a Alcatel e a BlackBerry.

Com informações: Android Police.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Je Suis Harambe

Eu tive um HP Veer, pior coisa que eu poderia ter feito é ter pago 300 dólares naquela bomba
na época eu achei que o WebOS evoluiria, por que realmente era muito avançado o sistema assim como o Playbook que eu também tive
eu usei ele com Android até o fim quando fui roubado em 2015, a loja App Catalog fechou, foi impossível não migrar pro Android

JOSE HAROLDO SENA DE O. FILHO

É triste ver esta empresa que ajudou e muito a escrever a história do mobile estar nesta situação. Ainda no fim do Século XX era a líder absoluta. Seu fim foi sentenciado quando a velha e arcaica HP comprou e pôs fim a sua trajetória. Preferiram apostar em seu modelo de smartphone que rodava o mais arcaico ainda Windows CE(RDA) que por sua vez poderia ter revolucionado o mercado de mobile se não fosse as velhas amarras dos executivos de sua empresa. A Palm tá aí tentando se reerguer sem o seu principal cartão de visita: o WebOS ( acho que era esse nome). Rudimentar mas funcional tanto é que muitos devem lembrar da estúpida tentativa da HP lançar um tablet com este SO que nan durou nem 3 meses em alguma prateleira ou loja virtual.
A TI é dinâmica é isso se deve muito a necessidade de dar respostas imediatas ao problemas do cotidiano e em parte de umum consu bem elevado que é provocado por esta necessidade. A Palma não percebeu isto a tempo e a HP também não quis fazer uma recolocação na marca, quis matá-la.
Sinceramente, acho que a Palm deveria "descansar em paz" enquanto ainda lhe reste alguma glória a ser lembrada para quem curte a história da TI, como eu.

leoleonardo85

Palm tá na lista de empresas que nem vale mais considerar que existe, dificilmente fará algo de relevante.

Fábio Moser

(...) "então se ele será apenas um Android qualquer que tem nome de marca conhecida – como acontece hoje com a Nokia.".

A Nokia pode ser "apenas mais um Android qualquer que tem nome de marca conhecida", mas oferece uma experiência muito mais coesa do Android que a maioria dos fabricantes. Tem identidade própria (não se baseia no design da Apple), entrega versões puras do Android, sem bloatwares e o Nokia 7 Plus já recebeu o Android 9 Pie. Quando é que as marcas que não são apenas um Android qualquer que tem uma marca conhecida, vão oferecer isso?

Caleb Enyawbruce

Meu Deus, esse Palm Pre é uma das coisas mais horríveis que já vi na vida

Ed. Blake

Nokia e Xiaomi são as marcas que mais crescem em apelo dos entusiastas pelas suas estratégias.

Ed. Blake

"ou então se ele será apenas um Android qualquer que tem nome de marca conhecida – como acontece hoje com a Nokia."

Pode ser que a Nokia não tenha o apelo da mídia especializada no Brasil, mas certamente conquistou o coração da maioria dos entusiastas e geeks, principalmente na EU, com suas estratégias.

Entregar aparelhos a um bom custo, com hardware decente, usar o Android do Google com atualizações rápidas, frequentes e funcionais, colocar um aparelho no beta do Android PIE e ter uma linha concisa com poucos modelos sendo um para cada gama, certamente é tudo o que se idealizava para o futuro da Motorola lá no ano de 2013.

O único contra para mim é a política da marca de não permitir o desbloqueio do bootloader dos aparelhos até então.

Capitão Caverna

Não. a Nokia é a 5ª colocada com 3.5%. https://uploads.disquscdn.c...

VilmarKDE

Vale lembrar que a Nokia é a empresa que mais vende telefone na Europa.

Robert Rey

Exato, a Nokia mesmo até que tem uns aparelhos interessantes, mas está extremamente longe de ser quem um dia foi.

Capitão Caverna

Retorno da Palm só serve pra saudosista.
É que nem o retorno da Nokia que ficou só na memória.
Na prática mostrou-se uma empresa bem abaixo do que estávamos acostumados.