Início » Brasil » MinC terá R$ 100 milhões para fomentar a indústria brasileira de games

MinC terá R$ 100 milhões para fomentar a indústria brasileira de games

Na Game XP, o ministro da Cultura afirmou que o governo também deseja promover a diversidade no segmento

Por
1 ano atrás

O Ministério da Cultura (MinC) pretende lançar em breve uma política nacional de fomento à indústria de games. O anúncio foi feito neste domingo (9) durante a Game XP pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.

Segundo ele, serão investidos R$ 100 milhões para fortalecer a produção de jogos e de conteúdo em realidade virtual e aumentada. O valor também será usado para a aceleração de empresas, a formação de profissionais e a expansão da infraestrutura, bem como a realização de eventos ligados a games.

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão (Foto: Ronaldo Caldas/MinC)

Para isso, o MinC criou um grupo de trabalho no Conselho Superior de Cinema. O assunto foi levado para esta área porque o governo trata os jogos como produtos audiovisuais. No anúncio, Leitão defendeu o projeto por considerar o mercado de games uma “alternativa criativa e atraente” aos jovens com idade entre 18 e 24 anos.

Ele afirmou que o governo deseja não apenas fomentar a criação de games, mas promover a diversidade no setor. Financiado pelo MinC, o 2º Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais indicou que as mulheres representam apenas 20,7% do total de trabalhadores da indústria digital.

De acordo com o ministro, algumas medidas já têm sido tomadas para alcançar maior equidade de gênero. Alguns editais já incluem, por exemplo, a exigência de que 50% dos projetos premiados sejam criados por mulheres. Além disso, há recortes étnicos e regionais.

A mesma pesquisa também apontou que as empresas do setor de games estão presentes em todo o país. No entanto, elas estão concentradas em São Paulo e no Rio de Janeiro, estados que somam 41,6% do total.

O objetivo do programa, segundo Leitão, é que o incentivo ao setor digital se torne “uma política de Estado, não de governo” e que se consolide nas próximas gestões.

Com informações: Folha de S. Paulo, The Enemy.