Início » Internet » Por que o catálogo da Netflix é diferente de um país para outro

Por que o catálogo da Netflix é diferente de um país para outro

A questão gera uma demanda por VPN e uma polêmica em torno de um recurso que a Netflix ainda tenta bloquear

Melissa Cruz Cossetti Por
TB Responde

Já explicamos o que leva a Netflix tirar filmes e séries do seu catálogo todos os meses — e você pode acompanhar tudo que entra e sai do acervo aqui no Tecnoblog. Uma outra dúvida pertinente sobre o conteúdo do serviço de streaming é: por que o catálogo da Netflix é diferente de um país para outro? A questão gera uma demanda pelo uso de VPN e uma polêmica em torno de um recurso que a empresa tenta (ainda) bloquear. A Netflix faz parcerias para licenciar direitos de transmissão, nem sempre globais.

Netflix não está disponível na China (mas trabalha para isso) e na Crimeia, na Coreia do Norte e na Síria devido às restrições impostas pelo governo dos Estados Unidos a empresas norte-americanas.

A Netflix ainda não está disponível na China (mas, trabalha para isso) e na Crimeia, na Coreia do Norte e na Síria devido às restrições impostas pelo governo dos Estados Unidos a empresas norte-americanas.

Por que o catálogo da Netflix é diferente por país?

A própria Netflix afirma que “há muitas razões pelas quais uma série de TV ou filme pode estar disponível em um país ou região e não em outro”. Entre elas estão questões como a popularidade do conteúdo na região, a posse dos direitos de transmissão na área, tradução e etc. Resumimos os principais desses motivos abaixo.

  • Preferências regionais
    A Netflix afirma que se esforça para adaptar o serviço a cada região. O conteúdo disponível varia conforme o local e pode ser alterado de tempos em tempos. Algumas séries de TV e filmes são populares entre os assinantes dos Estados Unidos, mas não no Reino Unido, embora ambos sejam países de língua inglesa. Esses dados de popularidade influenciam na hora do conteúdo ser licenciado.
  • Vários detentores de direitos
    Mais de um estúdio ou distribuidor de conteúdo podem possuir os direitos regionais. É possível que a empresa assine um contrato com um distribuidor para oferecer determinado filme americano na América Latina antes de assinar um contrato com o estúdio que fez o filme para oferecê-lo nos Estados Unidos. Sendo assim, o contrário regional que sair primeiro acaba favorecendo a região com isso.
  • Direitos não disponíveis em uma região
    A companhia também defende que um filme ou série pode não estar disponível em uma região porque não é possível adquirir um título se ele não estiver à venda. Ou seja, não há milagre para comprar os direitos de quem não quer vendê-lo.

Isso acontece com Produções Originais da Netflix

Pasme, isso também acontece com Produções Originais da Netflix. Aquelas que a companhia produz internamente e, em teoria, teria direito de exibi-las em qualquer um dos mais de 190 países em que opera. A Netflix, certamente, tem os direitos exclusivos para transmitir Orange Is the New Black, Stranger Things, BoJack Horseman, Unbreakable Kimmy Schmidt e outras das “produções de originais”. Porém, é possível que elas não estejam disponíveis em todos os catálogos e em todos os mesmos países.

“Isso acontece porque, quando eles foram criados, a Netflix estava disponível apenas em alguns países (pré-expansão). Por esse motivo, não obtivemos os direitos de licenciamento para todas as regiões do mundo”, explicam. Sendo assim, não se espante.

Netflix / Charles Deluvio / Unsplash

Mesmo que as séries ou filmes tenham o selo “originais Netflix”, outras empresas podem ter o direito de transmissão por causa de acordos de licenciamento feitos antes que a Netflix estivesse disponível em determinada região. E, dependendo da região, pode levar anos para que a Netflix obtenha os direitos de licenciamento de novo.

A empresa cita ainda alguns “originais Netflix” para os quais ainda não há licenciamento global. A lista inclui Orange is the New Black, Arrested Development e Lilyhammer.

A polêmica da VPN

Em função disso, muita gente recorre ao uso de VPN para acessar a Netflix com um IP estrangeiro e ter acesso a conteúdo do catálogo de outros países, principalmente dos Estados Unidos. O problema é que isso fere os contratos locais — um conteúdo pode não ter sido licenciado para o Brasil e, por isso, também não pode ser assistido aqui.

Para inibir esse uso irregular, a Netflix proibiu o uso de VPN —  impedindo que os clientes desses serviços, moradores de outros países, acessassem seus catálogos de exibição de Estados Unidos,  Reino Unido e Canadá (todos com conteúdo em inglês). Desde então, fornecedores e usuários de VPN tentam resolver o erro m7111-1331-5059.

VPN / Pixabay

O código aparece quando a Netflix identifica que o usuário está se conectando via VPN, proxy ou serviço “desbloqueador” e exibe uma mensagem “Parece que você está usando um desbloqueador ou proxy (You seem to be using an unblocker or proxy)”.

A Netflix se defende, e diz que não existe maneira confiável de determinar se uma VPN ou um proxy está sendo usado por um de seus assinantes com propósitos legítimos, e passou a impedir todas as conexões desse tipo. Muita gente usa VPNs para aumentar sua própria segurança e a proibição não deu fim a batalha. Serviços famosos como Hola, Opera VPN e Tunnelbear estão hoje bloqueados, mas não faltam alternativas pagas que ainda funcionam. Eles cobram, justamente, para “financiar essa pesquisa”.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

thejorsias

Fiz outro teste aqui e tá rodando de boa se eu escolher um servidor nas Américas.

thejorsias

Precisa ter uma internet boa pra fazer funcionar. Tenho 100mbps e o Netflix carrega o fullhd de cara quando abro alguma coisa disponivel no Brasil, agora quando uso o VPN ele demora um pouco pra pegar uma qualidade boa, mas nada de atrapalhe muito o uso.

Sério? Isso é interessante..

Foda isso. Eu só me vejo saindo da pirataria de filme se existir algo como um spotify para filmes..

Je Suis Harambe

Questão de direito autoral é uma roleta Russa, de um lado as emissoras de TV ou produtoras que produzem bons programas mas tratam seu conteúdo como agua no deserto, as agências reguladoras que ganham dinheiro com burocracia, as emissoras que numa situação entre burocracia e vontade de botar os projetos nos trilhos se beneficiam ou beneficiam eles $$$ pra que outras empresas não possam atuar, um time de advogados processando quem pirateia...
no fim só sobra os restos pro público, ainda bem que eu tenho vários um pc antigão que tem 6.2TB ligado na rede

Ramon Santos

Já consegui acessar a americana com o Flash VPN.

JulioTenorio

Sim, eu sei, foram neles que testei, mas deu erro mesmo assim. Pelo que olhei agora no Reddit tem gente com o mesmo problema.

MJuliani

Foi o que eu disse antes, alguns servidores fornecem isso, está no link que eu mandei

JulioTenorio

Oche, quando testei mostrava, mas quando colocava para reproduzir dava erro. Talvez mudaram algo.

MJuliani

Não, dá pra assistir todo o catálogo.
Assisti ‘Cheers’ agora, que não tem no catálogo brasileiro por exemplo.

Jacques

Resumir o post em poucas palavras: Porque os detentores dos direitos autorais são pessoas bem ruins de negócio e que se dependessem deles, tava tudo na TV por assinatura ou em método semelhante a isso (e é o que tá caminhando os serviços de streaming: começou com netflix, agora temos amazon, tem a disney querendo entrar, tem a HBO)

JulioTenorio

O_o

Sim, foi o que disse, mas não assiste o que não está disponível aqui. A função dela é só mesmo poder continuar assistindo enquanto tá conectado na VPN, mas não vai liberar nada do catálogo americano.

MJuliani

No ProtonVPN pago dá pra assistir sim, mas só alguns servidores fornecem isso.
https://protonvpn.com/suppo...

Eu tenho e testei, mas não uso pra isso

JulioTenorio

No Proton os servidores pagos dos EUA dá para conectar, mostra o catálogo, mas se não tiver disponível aqui da erro na reprodução, só da para assistir o que tem onde sua conta foi feita.

thejorsias

O VPN nativo do Opera conseguir exibir conteúdos de outros países.

Exibir mais comentários