Início » Gadgets » Apple Watch Series 4: focando mais em saúde

Apple Watch Series 4: focando mais em saúde

Nova geração do smartwatch da Apple possui tela maior e mudanças no design, mas as maiores novidades são ligadas à saúde

Paulo Higa Por

Direto de Cupertino — Além de apresentar os novos iPhones XS, XS Max e XR, a Apple atualizou seu relógio inteligente. O Apple Watch Series 4 tem uma tela maior, um hardware mais potente e otimizações na bateria, mas o foco mesmo é em saúde: ele chama a emergência quando você cai, te ajuda a respirar melhor e faz até eletrocardiogramas.

E o que mais tem de novo? Eu fui conhecer o smartwatch de perto e conto todos os detalhes nos próximos parágrafos.

Em vídeo

Novidades do Apple Watch Series 4

Diferente dos iPhones, que ganharam apenas mudanças pequenas em relação à geração anterior, o Apple Watch Series 4 recebeu boas novidades. Só de olhar, dá para encontrar a primeira: o tamanho físico do relógio não mudou tanto, indo de 38 mm para 40 mm e de 42 mm para 44 mm, mas a tela está notavelmente maior, o que permite exibir informações mais detalhadas nos mostradores.

Apesar do aumento no tamanho, todas as pulseiras continuam compatíveis com todas as gerações de Apple Watch, o que é ótimo principalmente para quem gastou dinheiro com as mais sofisticadas, como as metálicas com estilo milanês (as mais bonitas, na minha opinião) ou as de couro, que custam mais de mil reais no Brasil.

A coroa digital, que não tem mais aquela verruguinha vermelha na versão com 4G, agora traz um feedback háptico: ela dá uns “cliques” à medida que você gira o botão. E também serve para outro recurso muito destacado pela Apple: o eletrocardiograma.

O funcionamento é simples: basta abrir o aplicativo de eletrocardiograma, colocar o dedo indicador na coroa digital e esperar cerca de 30 segundos. O Apple Watch mede os impulsos elétricos do seu coração, gera o eletrocardiograma e pode identificar uma possível fibrilação atrial, uma arritmia que está associada a um risco maior de acidente vascular cerebral.

A Apple diz que este é o primeiro dispositivo com eletrocardiograma vendido ao consumidor com autorização da FDA, o equivalente à nossa Anvisa. Por enquanto, isso é só uma promessa: o recurso não estava disponível nas unidades que eu testei e deve chegar só aos Estados Unidos até o final do ano. Mas mostra que a Apple ensaia planos mais ambiciosos na área médica, com funções que podem causar impacto até no mercado de planos de saúde, por exemplo.

Também existem outras tecnologias relacionadas à saúde. Quando o Apple Watch detecta uma queda, por exemplo, ele te manda um alerta, meio que perguntando se está tudo bem. Caso você não interaja com a notificação e fique imóvel por 60 segundos, o relógio se encarrega de avisar os contatos mais próximos e ligar para o serviço de emergência, o que pode ser útil especialmente com pessoas de idade mais avançada.

Para quem corre, o Apple Watch se tornou bem mais interessante. Com o watchOS 5, é possível ver a cadência de passos e configurar alertas de ritmo — um recurso que sempre esteve disponível em relógios de corrida, mas que por algum motivo não existia no smartwatch da Apple. Outra notícia boa é que a Apple melhorou a bateria: agora dá para monitorar uma atividade com o GPS por até seis horas, o que já é suficiente para registrar uma maratona e continuar usando o relógio por mais um tempo.

Quando chega?

Nos Estados Unidos, o Apple Watch Series 4 começa a ser entregue no dia 21 de setembro com preços a partir de US$ 399 — ou seja, ele é mais caro que as gerações anteriores, que iniciavam em US$ 349. Quem quiser a versão com 4G integrado não vai gastar menos de US$ 499, além da taxa adicional mensal para ativar o serviço na operadora.

O preço no Brasil ainda não foi divulgado, mas a Apple seguiu por caminhos inversos com a geração anterior: lá fora, o Apple Watch Series 3 teve o valor reduzido para US$ 279; por aqui, onde a cotação do dólar deu uma guinada nos últimos meses, o preço inicial subiu de R$ 2.599 para R$ 2.899.

Paulo Higa viajou para Cupertino, Estados Unidos, a convite da Apple.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

TomadaMagica.Com.Br

Acredito que seja mais para quem faz esportes e tem uma vida "saudável" então ajuda a monitorar o ciclo cardíaco. Em geral sempre foi um equipamento caro, mesmo não sendo da Apple...

Trovalds

Ah, isso sempre tem aos montes. Certamente tem gente que vai dispensar o médico e programar pra quando o watch emitir um alerta ele pesquisar no google o que deve ser feito, de preferência que não envolva levantar do sofá ou da cama.

Flavio Augusto

O 4G integrado para funcionar no Brasil, tem alguma versão especifica ou eles fizeram igual o Iphone que funciona em qualquer País?

Capitão Caverna

Sim. Estou ligado. O problema é que já tem blog dizendo que o novo apple w. vai curar todas as doenças cardíacas, acabar com a currupção no brasil e restaurar a paz mundial.

ωαท∂єrℓєy ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

Concordo! mas creio eu que o Apple Watch Series 4 não venha para substituir os meios convencionais de ECG (nem a própria apple pregou isso) ele apenas serve como um pequeno "alerta"... aliás, se uma informação do ECG já "acusou" que algo está errado com seu coração é importantíssimo procurar ajuda médica, e não ignorar por o ECG do relógio te dar uma unica informação!

Trovalds

Ele certamente não veio pra substituir o equipamento convencional e sim pra alertar que algo não está certo e que você deve consultar um especialista. E o que a notícia dá a entender é que a Apple pretende criar todo um ecossistema voltado à saúde e que o Watch vai emitir alertas pra um médico ou hospital de que algo não está certo e a partir daí podem ser tomadas as providências necessárias antes que algo mais sério aconteça.

Capitão Caverna

Cuidado hein galerinha.
Um ECG convencional precisa de 12 informações para dar o diagnostico, pois essas 12 informações são IMPRESCINDÍVEIS.
O apple w. trabalha apenas com uma.
Cuidado.

Giugleumo Bezerra

F1

Trovalds

Qual esse modelo?

Giugleumo Bezerra

Poxa To com um aqui da number 1, que faz bastante coisa, e já comparei com aparelhos tradicionais, e diferem pouco em resultados. Tem saturação, pressão arterial, passometro, mesmo não tendo aprovação da FDA, ou alguma similar, mas sou profissional da saúde, e entusiasta em tecnologia, já uso tem alguns meses.

Jonas S. Marques

O tenso é que o quite completo com Apple Watch mais Iphone vai te custar quase 10 K. A não ser que ela já use IOS vai ser mais barato comprar aparelhos próprios.

Trovalds

Taí algo que vou perturbar a família pra adquirir. Minha mãe tem cardiopatia séria e é complicado monitorar com a tecnologia atual (oxímetro, por exemplo). Se houver um monitoramento contínuo com geração de relatórios e etc fica interessante pro médico acompanhar e ajustar a dose do medicamento com mais eficácia.