Início » Brasil » MP investiga empresa brasileira que rastreia 60 milhões de celulares

MP investiga empresa brasileira que rastreia 60 milhões de celulares

Startup brasileira In Loco rastreia localização de smartphones para exibir anúncios direcionados; Ministério Público suspeita de violação de privacidade

Por
14/09/2018 às 15h58
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) anunciou, nesta semana, a instauração de um inquérito civil público para investigar a In Loco Tecnologia da Informação (PDF): o órgão quer descobrir se a startup comete abuso ao utilizar a sua tecnologia para rastrear celulares no Brasil e direcionar anúncios publicitários.

Com sede em Recife, a In Loco afirma ter a “tecnologia de localização indoor mais precisa do mercado global”. Esse sistema é usado para exibir anúncios de estabelecimentos físicos ou online em dispositivos móveis tendo como referência a geolocalização da pessoa. A precisão do sistema varia entre um e três metros.

Usando smartphone

Assim, se uma pessoa estiver passando em frente a uma loja específica de um shopping, por exemplo, o celular pode exibir notificações push com uma oferta disponível ali ou um anúncio relacionado nos aplicativos integrados ao sistema.

Além de anúncios, a In Loco vende dados sobre comportamento de consumidores para outras empresas. Mais de 60 milhões de celulares estariam sendo rastreados atualmente.

De acordo com a empresa, a tecnologia é bastante precisa porque detecta e cruza diversas informações do estabelecimento visitado pelo usuário (como rede Wi-Fi), bem como dados dos sensores (como acelerômetro) e do GPS do dispositivo.

Para isso, é necessário que o smartphone tenha o software da In Loco instalado. Isso é feito por meio da integração desse software com mais de 500 aplicativos de parceiros. Entre esses apps estão o Buscapé e a Turma da Galinha Pintadinha, explica o MPDFT.

A empresa ressalta que dados pessoais que permitem que a pessoa seja identificada, como CPF, não são coletados pelo sistema. A In Loco também afirma que o usuário tem a opção de desativar as opções de localização do seu dispositivo, caso não queira ser rastreado.

Mas, para o MPDFT, isso pode não ser suficiente. O órgão tem como referência o Marco Civil da Internet, que determina que informações de localização ou identificadores eletrônicos também podem ser considerados dados pessoais.

Shopping

Por conta disso, o MPDFT enviou um ofício à In Loco (PDF) com 18 perguntas sobre a tecnologia e a própria empresa. Eis algumas delas:

  • De que forma são obtidas as geolocalizações dos proprietários dos smartphones?
  • Quantos smartphones são atualmente rastreados pela empresa?
  • Como são obtidos os dados dos perfis sociodemográficos: idade, gênero, profissão, classe social, comportamento offline, localização etc?
  • A empresa possui informações sobre a saúde dos titulares dos dados pessoais?

Em nota à imprensa, a In Loco informa que a notícia sobre o inquérito chegou quatro dias antes do prazo concedido pelo Ministério Público para responder ao ofício, mas que todas as questões serão esclarecidas até a data estabelecida.

“Reiteramos desde já que temos o compromisso integral com a absoluta legalidade de nossas operações e com a privacidade do usuário, que jamais acessamos dados de identificação pessoal e que nossa empresa e produtos são lícitos, idôneos e estão em acordo com a Legislação Brasileira e com o Marco Civil da Internet”, diz outro trecho da nota.

Por meio de comunicado enviado ao Tecnoblog, o Buscapé informa que, ao contrário do que afirma o MPDFT, “não mantém vínculo ou parceria comercial com a In Loco há mais de dois anos”.

Com informações: UOL Tecnologia.

Atualizado às 19:00

Mais sobre: , ,